ATA­QUE POR TER­RA, MAR E AR (TAL CO­MO MANDAVA SA­LA­ZAR)

EM DE­FE­SA DA SO­BE­RA­NIA, AN­GO­LA NÃO POUPARÁ ES­FOR­ÇOS

Folha 8 - - DESTAQUE -

OGo­ver­no anun­ci­ou no dia 27.11 que vai alar­gar às su­as fron­tei­ras ma­rí­ti­mas e aé­re­as a de­no­mi­na­da “Ope­ra­ção Transparência”, que já le­vou à saí­da ofi­ci­al­men­te ro­tu­la­do de vo­lun­tá­ria de An­go­la de qua­se 400 mil imi­gran­tes ile­gais, mui­tos dos qu­ais ten­do do­cu­men­ta­ção de iden­ti­fi­ca­ção an­go­la­na. A in­for­ma­ção foi avan­ça­da pe­lo mi­nis­tro de Es­ta­do e Che­fe da Ca­sa de Se­gu­ran- ça do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la, Pe­dro Se­bas­tião, du­ran­te uma ses­são de pré-apro­va­ção (o MPLA cha­ma-lhe de dis­cus­são) na es­pe­ci­a­li­da­de do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2019 na As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Pe­dro Se­bas­tião in­di­cou que a ope­ra­ção vai con­ti­nu­ar “pe­lo tem­po que for ne­ces­sá­rio” pa­ra “de­fe­sa da so­be­ra­nia e do ter­ri­tó­rio” an­go­la­no. So­be­ra­nia que, se­gun­do o Go­ver­no, tam­bém se en­qua­dra na “Ope­ra­ção Res­ga­te”. “Va­mos vol­tar a áre­as on­de já pas­sá­mos e on­de ain­da há in­dí­ci­os de ga­rim­po. Por en­quan­to, só es­ta­mos ain­da em [ac­ções em] ter­ra, mas va­mos alar­gá-la [‘Ope­ra­ção Transparência’] a ou­tros do­mí­ni­os”, co­mo às fron­tei­ras ma­rí­ti­mas e aé­re­as, dis­se o mi­nis­tro de Es­ta­do an­go­la­no. Fa­zen­do fé no ADN do MPLA, tam­bém es­ta­rá a ser equa­ci­o­na­do – se tal se vi­er a re­ve­lar ne­ces­sá­rio – alar­gar as ac­ções em ter­ra, mar e ar pa­ra além das fron­tei­ras, não vão es­ses pe­ri­go­sos ga­rim­pei­ros (mes­mo ten­do car­tão do MPLA) pen­sar em fi­car do ou­tro la­do da fron­tei­ra à es­pe­ra da me­lhor opor­tu­ni­da­de pa­ra re­gres­sar. Se­gun­do Pe­dro Se­bas­tião, a con­ti­nui­da­de da ope­ra­ção es­tá ga­ran­ti­da pe­la dis­po­ni­bi­li­da­de de ho­mens e de mei­os, e, so­bre­tu­do, pe­la von­ta­de de o país “re­sol­ver is­to de uma vez por to­das”. É ver­da­de. O Es­ta­do/ MPLA tem di­nhei­ro que che­ga e so­bra pa­ra ga­ran­tir a con­ti­nui­da­de bé­li­ca de uma ope­ra­ção que obe­de­ce ri­go­ro­sa­men­te à lei da for­ça. Já pa­ra dar de co­mer a quem tem fo­me (20 mi­lhões de po­bres), mo­ver guer­ra à ma­lá­ria, à tu­ber­cu­lo­se ou à si­da não há kum­bu. Tam­bém não se po­de ter tu­do. Pa­ra, por exem­plo, o mi­nis­tro Pe­dro Se­bas­tião ter pe­lo me­nos três lau­tas re­fei­ções por dia, mi­lhões de an­go­la­nos têm de pas­sar fo­me. Sim­ples. “São es­ses os pro­pó­si­tos do Go­ver­no, dos di­ri­gen­tes do país e, em pri­mei­ro lu­gar, do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca”, fri­sou o mi­nis­tro, cer­ta­men­te pen­san­do nu­ma re­fei­ção fru­gal: tru­fas pre­tas, ca­ran­gue­jos gi­gan­tes, cor­dei­ro as­sa­do com co­gu­me­los, bol­bos de lí­rio de In­ver­no, su­pre-

mos de ga­li­nha com es­pu­ma de raiz de be­ter­ra­ba e quei­jos acom­pa­nha­dos de mel e amên­do­as ca­ra­me­li­za­das, e vá­ri­as gar­ra­fas de Châ­te­au-gril­let 2005… Pe­dro Se­bas­tião dis­se que, se An­go­la não ti­ves­se to­ma­do es­sa po­si­ção, os an­go­la­nos cor­ri­am já o ris­co de se cons­ti­tuí­rem uma mi­no­ria em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, co­mo são os ca­sos das pro­vín­ci­as da Lunda Nor­te e Lunda Sul. Se­ria ob­vi­a­men­te uma cha­ti­ce. Em mi­no­ria… nun­ca. “E se es­se ní­vel de imi­gra­ção ile­gal con­ti­nu­as­se ao rit­mo que es­tá­va­mos a as­sis­tir, cor­re­ría­mos o ris­co, mui­to bre­ve­men­te, de ter­mos o país inun­da­do de es­tran­gei­ros, on­de nós cons­ti­tui­ría­mos a mi­no­ria”, dis­se o mi­nis­tro Pe­dro Se­bas­tião, não per­den­do a opor­tu­ni­da­de de tam­bém apre­sen­tar a sua (bem me­re­ci­da) can­di­da­tu­ra ao ane­do­tá­rio na­ci­o­nal. “Quem, nas Lun­das, es­te­ve pre­sen­te ou as­sis­tiu, ve­ri­fi­cou se­gu­ra­men­te que a po­pu­la­ção na­que­la re­gião, so­bre­tu­do no Lu­ca­pa, já cons­ti­tuía uma mi­no­ria, quem di­ta­va or­dens, re­gras, pos­tu­ras, etc., já eram os es­tran­gei­ros, nós es­tá­va­mos já em mi­no­ria e a quan­ti­da­de de di­a­man­tes que saíam, quer ao lon­go da fron­tei­ra nor­te co­mo na fron­tei­ra les­te, era qual­quer coi­sa co­mo ver­go­nho­so pa­ra o país”, dis­se Pe­dro Se­bas­tião. O go­ver­nan­te an­go­la­no vol­tou a re­fu­tar a exis­tên­cia de qual­quer ac­to de vi­o­lên­cia (ob­vi­a­men­te) so­bre os vi­sa­dos, mai­o­ri­ta­ri­a­men­te ci­da­dãos da vi­zi­nha Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, du­ran­te a ope­ra­ção, sa­li­en­tan­do que a ini­ci­a­ti­va tem so­men­te co­mo ob­jec­ti­vos fun­da­men­tais, fi­lan­tró­pi­cos e ca­ri­ta­ti­vos o com­ba­te à imi­gra­ção ile­gal e ex­plo­ra­ção ilí­ci­ta de di­a­man­tes. “Fo­ram 400 mil pes­so­as que saíram e, que eu sai­ba, não há um úni­co ca­so que pos­sa man­char o com­por­ta­men­to das nos­sas tro­pas, não há. Is­to é obra”, en­fa- ti­zou. É obra que só os es­que­lé­ti­cos marimbondos in­ter­na­ci­o­nais, ti­po ONU e or­ga­ni­za­ções dos di­rei­tos hu­ma­nos (al­gu­mas an­go­la­nas), não per­ce­bem. O mi­nis­tro de Es­ta­do e che­fe da Ca­sa de Se­gu­ran­ça do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca lem­brou que o Go­ver­no an­go­la­no dis­po­ni­bi­li­zou trans­por­tes pa­ra es­ses ci­da­dãos se des­lo­ca­rem até à fron­tei­ra, bem co­mo as­sis­tên­cia mé­di­ca. Nós acres­cen­ta­mos, re­co­nhe­cen­do a mo­dés­tia de Pe­dro Se­bas­tião, que foi igual­men­te dis­po­ni­bi­li­za­da co­mi­da, me­di­ca­men­tos, di­plo­ma de mé­ri­to, rou­pas e um en­ve­lo­pe com kwan­zas… “Não é ver­da­de aqui­lo que, por ve­zes, va­mos ou­vin­do nos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al es­tran­gei­ros. Com­pre­en­de­mos per­fei­ta­men­te que há, aqui den­tro do nos­so ter­ri­tó­rio, quem ali­men­te es­tas no­tí­ci­as. De­ve­mos re­cor­dar que es­ta­mos a tra­tar de um as­sun­to que a to­dos nós diz res­pei­to, in­de­pen­den­te­men­te da cor po­lí­ti­co-par­ti­dá­ria, que a gen­te pos­sa abra­çar, por­que es­tá em cau­sa a nos­sa so­be­ra­nia na­ci­o­nal”, re­al­çou o mi­nis­tro nu­ma das alí­ne­as da sua can­di­da­tu­ra ao re­fe­ri­do ane­do­tá­rio na­ci­o­nal. Não ti­nha, con­tu­do, ne­ces­si­da­de de men­tir quan­do re­fe­re que as “men­ti­ras” são vei­cu­la­das ape­nas por “ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al es­tran­gei­ros”. Nós tam­bém fa­la­mos da opa­ci­da­de da “Ope­ra­ção Transparência”, quer o se­nhor mi­nis­tro gos­te ou não. A “Ope­ra­ção Transparência” co­me­çou a 25 de Se­tem­bro des­te ano e foi-se es­ten­den­do pro­gres­si­va­men­te às pro­vín­ci­as de Ma­lan­je, Lunda Nor­te, Lunda Sul, Bengo, Luanda, Kwan­za Sul, Kwan­za Nor­te, Kwan­do Ku­ban­go, Bié, Moxico, Zaire e Uí­ge.

MI­NIS­TRO DE ES­TA­DO E CHE­FE DA CA­SA DE SE­GU­RAN­ÇA DO PRE­SI­DEN­TE DA RE­PÚ­BLI­CA DE AN­GO­LA, PE­DRO SE­BAS­TIÃO

CONGOLESES EM FU­GA DE AN­GO­LA

“ZUN­GUEI­RAS” DE LUANDA LA­MEN­TAM PRES­SÃO DA OPE­RA­ÇÃO RES­GA­TE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.