A VER­DA­DE QUE CAU­SA AZIA AO GO­VER­NO

Folha 8 - - DESTAQUE -

Em­bo­ra o re­gi­me con­ti­nue to­dos os di­as a pôr os an­go­la­nos mais po­bres, mais fa­min­tos, mais es­que­lé­ti­cos, mais per­to da mor­te, os nos­sos di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos con­ti­nu­am a dor­mir bem, a co­mer bem e a dar o que res­ta dos seus lau­tos re­pas­tos aos seus cães e não aos po­bres. Em An­go­la, pa­ra além dos mi­lhões que le­gi­ti­ma­men­te só se pre­o­cu­pam em en­con­trar al­gu­ma coi­sa pa­ra ma­tar… a fo­me, nem que se­ja nos res­tos dei­xa­dos pe­los cães dos al­tos dig­ni­tá­ri­os do MPLA, uma mi­no­ria pri­vi­le­gi­a­da de fa­mi­li­a­res e acó­li­tos dos di­ri­gen­tes do MPLA só se pre­o­cu­pa em ter – com a pre­ci­o­sa aju­da da aco­co­ra­da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal – mais e mais, cus­te o que cus­tar. Quan­do al­guém diz ou es­cre­ve is­to cor­re o sé­rio ris­co de que os do­nos do po­der o man­dem ca­lar, se pos­sí­vel de­fi­ni­ti­va­men- te. Não nos es­que­ce­mos, ape­sar de tei­mar­mos em dar voz a quem a não tem (a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria do Po­vo), que um dia des­tes um ja­ca­ré po­de sal­tar de uma vi­a­tu­ra da Po­lí­cia e fa­zer de nós um so­ber­bo man­jar. Mas, co­mo di­zia a ou­tro pro­pó­si­to mas com uma ac­tu­a­li­da­de di­vi­na Frei João Do­min­gos, “não nos po­de­mos ca­lar mes­mo que nos cus­te a vi­da”. Que es­ta­mos qua­se a sa­ber vi­ver sem co­mer, is­so é uma ver­da­de que só de­ve re­go­zi­jar os do­nos do rei­no que con­ti­nua a ser es­cla­va­gis­ta. Co­mo di­zia Ze­ca Afon­so a pro­pó­si­to do re­gi­me de Sa­la­zar (em tan­tas coi­sas tão pa­re­ci­do com o nos­so, às ve­zes pa­ra me­lhor), eles co­mem tu­do e não dei­xam na­da. E na­da dei­xan­do, im­por­ta ex­pli­cá-lo ago­ra ao Pre­si­den­te João Lou­ren­ço, nem os ja­ca­rés vão gos­tar de se ali­men­tar de cor­pos es­que­lé­ti­cos. Tam­bém por cá (é que es­ta gan­gre­na ten­de a es­pa­lhar-se) o Po­vo per­gun­ta (bai­xi­nho ou em si­lên­cio) co­mo é pos­sí­vel acre­di­tar num re­gi­me cu­jo ob­jec­ti­vo úni­co é fa­zer com que os pou­cos que têm mi­lhões te­nham mais mi­lhões, rou­ban­do e es­cra­vi­zan­do os mi­lhões que têm pou­co ou na­da? Ci­tan­do de no­vo, e tan­tas ve­zes qu­an­tas fo- rem pre­ci­so, Frei João Do­min­gos, em An­go­la “mui­tos go­ver­nan­tes, ges­to­res, ad­mi­nis­tra­do­res e si­mi­la­res têm gran­des car­ros, nu­me­ro­sas aman­tes, mui­ta ri­que­za rou­ba­da ao po­vo, são apa­ren­te­men­te re­lu­zen­tes mas es­tão po­dres por den­tro”. É ca­so pa­ra per­gun­tar: os ja­ca­rés não gos­ta­rão mais de car­ne re­lu­zen­te mas pu­tre­fac­ta? Na his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de não lhe fal­tam exem­plos si­mi­la­res e ins­pi­ra­do­res. No en­tan­to, tal co­mo Sad­dam Hus­sein, Mu­am­mar Ka­da­fi ou Blai­se Com­pa­o­ré, tam­bém o mun­do viu ser der­ru­ba­da, em Ki­ev (ca­pi­tal da Ucrâ­nia), a es­tá­tua do lí­der so­vié­ti­co Le­ni­ne, um dos mais in­flu­en­tes cé­re­bros da ide­o­lo­gia que es­tá nos ge­nes do MPLA. Tal co­mo mui­tos dos or­to­do­xos do MPLA, que gra­vi­tam na ba­ju­la­ção ao “que­ri­do lí­der” se­ja ele qual for, o Pre­si­den­te João

Uma mi­no­ria pri­vi­le­gi­a­da de fa­mi­li­a­res e acó­li­tos dos di­ri­gen­tes do MPLA só se pre­o­cu­pa em ter – com a pre­ci­o­sa aju­da da aco­co­ra­da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal – mais e mais, cus­te o que cus­tar.

Lou­ren­ço tem de dei­xar de pen­sar que An­go­la só po­de ser o MPLA e que o MPLA é An­go­la. É que, pen­san­do co­mo o seu an­te­ri­or “que­ri­do lí­der”, o que so­bra dos abun­dan­tes re­ga­bo­fes do seu sé­qui­to não vai pa­ra os es­cra­vos, mas sim pa­ra os ra­fei­ros que gra­vi­tam sem­pre jun­to à man­je­dou­ra do po­der mas que, quan­do tal acon­te­cer, estarão na pri­mei­ra li­nha dos que vão der­ru­bar a es­tá­tua… Em­bo­ra se­ja um exer­cí­cio sui­ci­da, dos tais que ali­men­tam os ja­ca­rés, im­por­ta aos vi­vos não se ca­la­rem, con­ti­nu­an­do a de­nun­ci­ar as in­jus­ti­ças, pa­ra que An­go­la pos­sa no­va­men­te abo­lir o es­cla­va­gis­mo e, des­sa for­ma, ser um dia um país di­fe­ren­te, even­tu­al­men­te uma na­ção e qui­çá até uma pá­tria de li­ber­da­de, equi­da­de e pro­gres­so so­ci­al. O Po­vo so­fre e pas­sa fo­me. Os paí­ses va­lem, de­ve­ri­am va­ler, pe­las pes­so­as e não pe­los mer­ca­dos, pe­las fi­nan­ças, pe­la cor­rup­ção, pe­lo com­pa­drio, pe­las ne­go­ci­a­tas, pe­las ope­ra­ções res­ga­te, transparência ou ou­tras. É por tu­do is­to que a lu­ta con­ti­nua. Tem de con­ti­nu­ar. Até por­que, mais ce­do ou mais tar­de, a Pri­ma­ve­ra tam­bém vai ilu­mi­nar as ru­as de Luanda e che­gar ao res­to do país. En­quan­to os es­cra­vos não se re­vol­ta­rem, os do­nos do país vão con­ti­nu­ar a ves­tir Hu­go Boss ou Er­me­ne­gil­do Zeg­na e com­prar re­ló­gi­os de ou­ro Pa­tek Phil­li­pe e Ro­lex, a fa­zer fes­tas de ani­ver­sá­rio gas­tan­do mui­tos mi­lha­res de eu­ros. E eles, os es­cra­vos, vão sub­sis­tir com pei­xe po­dre, fu­ba po­dre, pa­nos ruins e por­ra­da se re­fi­la­rem. João Lou­ren­ço tal­vez acre­di­te que, co­mo di­zia Guer­ra Jun­quei­ro em re­la­ção os por­tu­gue­ses, so­mos “um po­vo im­be­ci­li­za­do e re­sig­na­do, hu­mil­de e ma­cam­bú­zio, fa­ta­lis­ta e so­nâm­bu­lo, bur­ro de car­ga, bes­ta de no­ra, aguen­tan­do pau­la­das, sa­cos de ver­go­nhas, fei­xes de mi­sé­ri­as, sem uma re­be­lião, um mos­trar de den­tes, a ener­gia dum coi­ce, pois que nem já com as ore­lhas é ca­paz de sa­cu­dir as mos­cas”. Mas não so­mos. Tal­vez acre­di­te que so­mos “um po­vo em ca­ta­lep­sia am­bu­lan­te, não se lem­bran­do nem don­de vem, nem on­de es­tá, nem pa­ra on­de vai; um po­vo, en­fim, que eu ado­ro, por­que so­fre e é bom, e guar­da ain­da na noi­te da sua in­cons­ci­ên­cia co­mo que um lam­pe­jo mis­te­ri­o­so da al­ma na­ci­o­nal, re­fle­xo de as­tro em si­lên­cio es­cu­ro de la­goa mor­ta”. Mas não so­mos. Tal­vez acre­di­te, e se ca­lhar com ra­zão, que em An­go­la “uma bur­gue­sia, cí­vi­ca e po­li­ti­ca­men­te cor­rup­ta até à me­du­la, não dis­cri­mi­nan­do já o bem do mal, sem pa­la­vras, sem ver­go­nha, sem ca­rác­ter, ha­ven­do ho­mens que, hon­ra­dos na vi­da ín­ti­ma, des­cam­bam na vi­da pú­bli­ca em pan­to­mi­nei­ros e se­van­di­jas, ca­pa­zes de to­da a ve­ni­a­ga e to­da a in­fâ­mia, da men­ti­ra à fal­si­fi­ca­ção, da vi­o­lên­cia ao rou­bo, don­de pro­vém que na po­lí­ti­ca su­ce­dam, en­tre a in­di­fe­ren­ça ge­ral, es­cân­da­los mons­tru­o­sos”. Tal­vez acre­di­te, e com ra­zão, que em An­go­la exis­te “um po­der le­gis­la­ti­vo, es­fre­gão de co­zi­nha do exe­cu­ti­vo; es­te cri­a­do de quar­to do Pre­si­den­te e es­te, fi­nal­men­te, tor­na­do ab­so­lu­to pe­la ab­di­ca­ção unâ­ni­me do País”. En­tre­tan­to, al­guns an­go­la­nos (ain­da não tan­tos qu­an­to o ne­ces­sá­rio) sa­bem que – adap­tan­do a te­se de Guer­ra Jun­quei­ro – An­go­la tem “um MPLA sem idei­as, sem pla­nos, sem con­vic­ções, in­ca­paz, vi­ven­do do mes­mo uti­li­ta­ris­mo cép­ti­co e per­ver­ti­do, aná­lo­go nas pa­la­vras, idên­ti­co nos ac­tos, igual ao ou­tro do tem­po de par­ti­do úni­co co­mo du­as me­ta­des do mes­mo ze­ro”. E é por tu­do is­to que são ca­da vez mais os ci­da­dãos que não con­se­guem, ou não que­rem, co­mer ga­to por le­bre e di­zem que nes­te re­gi­me há ca­da vez mais cri­mi­no­sos a vi­ver à cus­ta dos im­be­cis dos an­go­la­nos. No en­tan­to, mes­mo es­que­lé­ti­cos, fa­min­tos e do­en­tes sem­pre po­dem ter for­ça pa­ra fa­zer o que é ne­ces­sá­rio, nem que se­ja a úl­ti­ma coi­sa fei­ta em vi­da.

FREI JOÃO DO­MIN­GOS

ZE­CA AFON­SO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.