ES­TÁ NO ADN DO MPLA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Os acon­te­ci­men­tos de 27 de Maio de 1977 em An­go­la, que pro­vo­ca­ram mi­lha­res de mor­tos, foi um “con­tra-gol­pe” re­sul­ta­do de uma pro­vo­ca­ção, lon­ga e pa­ci­en­te­men­te pla­ne­a­da, ten­do co­mo res­pon­sá­vel má­xi­mo Agos­ti­nho Ne­to, que te­mia per­der o po­der. Es­ta é uma das prin­ci­pais con­clu­sões do li­vro “Pur­ga em An­go­la (O 27 de Maio de 1977)”, da au­to­ria dos his­to­ri­a­do­res por­tu­gue­ses (já fa­le­ci­dos) Da­li­la Ca­bri­ta Ma­teus e Ál­va­ro Ma­teus. Há 41 anos, Ni­to Alves, en­tão mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção In­ter­na sob a pre­si­dên­cia de Agos­ti­nho Ne­to, li­de­rou uma ma­ni­fes­ta­ção pa­ra pro­tes­tar con­tra o ru­mo que o MPLA es­ta­va a to­mar. Se­gun­do o li­vro “ha­via que evi­tar que os ‘ ni­tis­tas’ che­gas­sem ao Con­gres­so, anun­ci­a­do pa­ra fi­nais de 1977” por­que “exis­tia o sé­rio ris­co de con­quis­ta­rem os prin­ci­pais lu­ga­res de di­rec­ção”. “A pre­o­cu­pa­ção de Ne­to e dos seus era, pois, o po­der. E pe­lo po­der fa­ri­am tu­do”, acres­cen­ta. Exac­ta­men­te o que fez Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos du­ran­te 38 anos. Exac­ta­men­te o que es­tá a fa­zer ho­je João Lou­ren­ço. Da­li­la Ma­teus afir­ma que as in­for­ma­ções cons­tan­tes no li­vro não se­rão “a ver­da­de com­ple­ta” so­bre o 27 de Maio, mas se­rão, “cer­ta­men­te, a ver­da­de pos­sí­vel, que não es­ta­rá mui­to lon­ge da re­a­li­da­de”. Por seu la­do, Ál­va­ro Ma­teus afir­ma que o ob­jec­ti­vo é re­cor­dar “um pas­sa­do som­brio, na es­pe­ran­ça de que não se vol­te a re­pe­tir”. Na ver­são ofi­ci­al, atra­vés de uma de­cla­ra­ção do Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA, di­vul­ga­da a 12 de Ju­lho de 1977, o 27 de Maio foi uma “ten­ta­ti­va de gol­pe de Es­ta­do” por par­te de “frac­ci­o­nis­tas” do mo­vi­men­to, cu­jos prin­ci­pais “cé­re­bros” fo­ram Ni­to Alves e Jo­sé Van-dú­nem, ver­são que se­ria al­te­ra­da mais tar­de pa­ra “acon­te­ci­men­tos do 27 de Maio”. Ni­to Alves e Jo­sé Van-Dú­nem ti­nham si­do for­mal­men­te acu­sa­dos de frac­ci­o­nis­mo em Ou­tu­bro de 1976. Os vi­sa­dos pro­pu­se­ram a cri­a­ção de uma co­mis­são de inqué­ri­to, que foi li­de­ra­da pe­lo ex-pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, pa­ra averiguar se ha­via ou não frac­ci­o­nis­mo no seio do par­ti­do. As con­clu­sões des­ta co­mis­são nun­ca che­ga­ram a ser di­vul­ga­das pu­bli­ca­men­te mas, se­gun­do al­guns so­bre­vi­ven­tes, re­ve­la­ri­am que não exis­tia frac­ci­o­nis­mo no seio do MPLA. De acor­do com o li­vro, o pró­prio Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos e o pri­mei­ro-mi­nis­tro de en­tão, Lo­po do Nas­ci­men­to, se­ri­am tam­bém al­vos a aba­ter pe­la cú­pu­la do MPLA. O ex-pre­si­den­te te­rá si­do sal­vo pe­lo co­mis­sá­rio pro­vin­ci­al do Lu­ban­go, Be­lar­mi­no Van-dú­nem. Os apoi­an­tes de Ni­to Alves con­si­de­ra­vam que o gol­pe já es­ta­va a ser fei­to por uma ala ma­oís­ta do par­ti­do, li­de­ra­da pe­lo se­cre­tá­rio ad­mi­nis­tra­ti­vo do mo­vi­men­to, Lú­cio Lara, e que te­rá ins­tru­men­ta­li­za­do os prin­ci­pais cen­tros de de­ci­são do par­ti­do e os me­dia, em es­pe­ci­al o Prav­da (Jor­nal de An­go­la), pe­lo que con­si­de­ra­ram que a ma­ni­fes­ta­ção con­vo­ca­da por Ni­to Alves foi “um con­tra-gol­pe”. Os au­to­res do li­vro che­gam à mes­ma con­clu­são de­pois de cru­za­rem a in­for­ma­ção recolhida, des­de en­tre­vis­tas a so­bre­vi­ven­tes, ex-ele­men­tos da po­lí­cia po­lí­ti­ca (DISA) e an­ti­gos res­pon­sá­veis do MPLA, a no­tí­ci­as ou ar­qui­vos da PIDE e do Mi­nis­té­rio dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros por­tu­guês. De acor­do com o es­tu­do, “a pur­ga no MPLA atin­giu enor­mes pro­por- ções” e é ci­ta­do um li­vro lau­da­tó­rio de Agos­ti­nho Ne­to em que se as­si­na­la que “o nú­me­ro de mi­li­tan­tes do MPLA, de­pois das de­pu­ra­ções, bai­xa­ra de 110.000 pa­ra 32.000”. Em re­la­ção ao nú­me­ro de mor­tos, os au­to­res op­tam pe­la ver­são dos 30.000, jus­ti­fi­can­do que “no meio-ter­mo es­ta­rá a vir­tu­de”, de­pois de ana­li­sa­rem da­dos tão dís­pa­res que vão dos 15.000 aos 80.000. O li­vro ten­ta re­cons­truir os acon­te­ci­men­tos an­tes, du­ran­te e pós 27 de Maio de 1977 e dá con­ta de tes­te­mu­nhos que re­fe­rem os hor­ro­res a que os cha­ma­dos frac­ci­o­nis­tas fo­ram sub­me­ti­dos, des­de pri­sões ar­bi­trá­ri­as, a tor­tu­ra, con­de­na­ções sem jul­ga­men­to ou exe­cu­ções su­má­ri­as. O apon­ta­do lí­der do ale­ga­do gol­pe de Es­ta­do te­rá si­do fu­zi­la­do, mas o seu cor­po nun­ca foi en­con­tra­do, tal co­mo o dos seus mais di­rec­tos apoi­an­tes co­mo Jo­sé Van-dú­nem e mu­lher, Si­ta Val­les, que foi di­ri- gen­te da UEC, li­ga­da ao Par­ti­do Co­mu­nis­ta Por­tu­guês, do qual se des­vin­cu­lou mais tar­de, e foi ex­pul­sa do MPLA. Em Abril de 1992, o go­ver­no do MPLA re­co­nhe­ce que fo­ram “jul­ga­dos, con­de­na­dos e exe­cu­ta­dos” os prin­ci­pais “men­to­res e au­to­res da in­ten­to­na frac­ci­o­nis­ta”, que clas­si­fi­cou co­mo “uma ac­ção mi­li­tar de gran­de en­ver­ga­du­ra” que ti­nha por ob­jec­ti­vo “a to­ma­da do po­der pe­la for­ça e a des­ti­tui­ção do pre­si­den­te (Agos­ti­nho) Ne­to”. Se­gun­do os au­to­res do li­vro, “as prin­ci­pais res­pon­sa­bi­li­da­des” do 27 de Maio “re­ca­em por in­tei­ro so­bre Agos­ti­nho Ne­to” que “não se pre­o­cu­pou com o apu­ra­men­to da ver­da­de, dis­pen­sou os tri­bu­nais, ad­mi­tiu que fi­zes­sem jus­ti­ça por su­as pró­pri­as mãos”. O en­tão Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca “aca­ba­ria por se re­ve­lar o che­fe du­ma fac­ção e não o ár­bi­tro, o uni­fi­ca­dor. Do­mi­na­do pe­la ar­ro­gân­cia, pe­la in­fle­xi­bi­li­da­de e pe­la ce­guei­ra, foi in­ca­paz de tem­pe­rar a jus­ti­ça com a pi­e­da­de”, re­fe­rem. Qu­an­to à he­ran­ça do 27 de Maio, o li­vro con­clui que “An­go­la per­deu mui­tos dos seus me­lho­res qua­dros: com­ba­ten­tes ex­pe­ri­men­ta­dos em mil ba­ta­lhas, mu­lhe­res com­ba­ti­vas, jo­vens mi­li­tan­tes, in­te­lec­tu­ais e es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os”. “Os ven­ce­do­res do 27 de Maio pa­re­ce te­rem con­se­gui­do o mi­la­gre de fa­zer de­sa­pa­re­cer os que so­nha­vam com um fu­tu­ro me­lhor, mais igua­li­tá­rio e mais fra­ter­no pa­ra os an­go­la­nos”, di­zem, acres­cen­tan­do que se “impôs no país um cli­ma de me­do e de vi­o­lên­cia” por­que fa­lar do 27 de Maio se tor­nou “um ta­bu”.

JÁ FA­LE­CI­DOS DA­LI­LA CA­BRI­TA MA­TEUS E ÁL­VA­RO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.