INFAME CO­BAR­DIA DE QUEM SE JUL­GA DO­NO DE AN­GO­LA!

Folha 8 - - DESTAQUE -

Acon­fe­rên­cia de im­pren­sa, em Lis­boa, do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço, foi in­ter­rom­pi­da por uma ór­fã dos mas­sa­cres, ou ge­no­cí­dio, do 27 de Maio de 1977, que ten­ta­va re­ci­tar um po­e­ma em me­mó­ria do pai, ví­ti­mas da re­pres­são or­de­na­da por Agos­ti­nho Ne­to, pre­si­den­te do MPLA. O Pre­si­den­te an­go­la­no, João Lou­ren­ço, per­mi­tiu a in­ter­ven­ção, mas não au­to­ri­zou que de­cla­mas­se o po­e­ma, con­si­de­ran- do, pou­co de­pois, ques­ti­o­na­do pe­los jor­na­lis­tas, que o ca­so de 27 de maio de 1977 é “um dos­siê de­li­ca­do” que ain­da apre­sen­ta “fe­ri­das pro­fun­das” na so­ci­e­da­de. A se­gu­ran­ça en­car­re­gou-se da re­ti­rar a jo­vem. “Pe­ço des­cul­pa, eu sou ór­fã do 27 de Maio, des­cul­pe co­man­dan­te”, co­me­çou por di­zer Uli­ka dos San­tos, di­ri­gin­do-se ao Pre­si­den­te, apro­vei­tan­do uma per­gun­ta de uma jor­na­lis­ta por­tu­gue­sa so­bre os acon­te­ci­men­tos da­que­la da­ta. “So­zi­nha [Uli­ka, em lín­gua na­ci­o­nal um­bun­do], há 41 anos nós te­mos vin­do a atra­ves­sar es­te si­lên­cio en­sur­de­ce­dor por par­te do Go­ver­no an­go­la­no”, dis­se Uli­ka dos San­tos, fi­lha de Ade­li­no António dos San­tos, en­tão di­ri­gen­te da ju­ven­tu­de do MPLA (par­ti­do no po­der des­de 1975). “Pos­so ler o po­e­ma pe­la me­mó­ria do meu pai? Ti­ve de fu­gir do meu país de­vi­do ao ris­co de mor­te do meu pai”, in­sis­tiu. O Pre­si­den­te João Lou­ren­ço ain­da deu ins­tru­ções à se­gu­ran­ça pa­ra que a dei­xas­sem aca­bar a in­ter­ven­ção, mas não au­to­ri­zou que de­cla­mas­se o po­e­ma, por se tra­tar de uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa, com de­ze­nas de jor­na­lis­tas por­tu­gue­ses e an­go­la­nos. No fi­nal da con­fe­rên­cia de im­pren­sa, Uli­ka foi le­va­da pe­los ser­vi­ços de se­gu­ran­ça, en­quan­to re­pe­tia, em lágrimas: “Não es­tou ar­ma­da, só vim pa­ra ler um po­e­ma ao meu Pre­si­den­te”. Res­pon­den­do à per­gun­ta dos jor­na­lis­tas, João Lou­ren­ço as­su­miu que o 27 de Maio de 1977 “é um dos­siê de­li­ca­do”, por­que “na­que­la oca­sião An­go­la per­deu al­guns dos seus me­lho­res fi­lhos”. “O Es­ta­do an­go­la­no já re­co­nhe­ceu em di­ver­sas oca­siões, a úl­ti­ma das qu­ais mui­to re­cen­te­men­te, há di­as atrás, na voz do mi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, (…) ter ha­vi­do ex­ces­sos por par­te do Go­ver­no na­que­la al­tu­ra e es­ta­mos aber­tos ao diá­lo­go pa­ra ver­mos de que for­ma, não obs­tan­te te­rem pas­sa­do dé­ca­das des­de tris­te acon­te­ci­men­to, co­mo po­de­mos re­pa­rar as fe­ri­das pro­fun­das que fi­ca­ram nos co­ra­ções de mui­tas fa­mí­li­as”, con­cluiu o che­fe de Es­ta­do.

ULI­KA DOS SAN­TOS, FI­LHA DE UMA VÍ­TI­MA DO 27 DE MAIO, INTERVINDO DU­RAN­TE A CON­FE­RÊN­CIA DE IM­PREN­SA DO PRE­SI­DEN­TE JOÃO LOU­REN­ÇO EM LIS­BOA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.