BETINHO A TUA FI­LHA NÃO DESONROU, NEM A NÓS

Folha 8 - - DESTAQUE -

OMPLA ten­do ga­nho as eleições, com frau­de ou não, (ago­ra pou­co im­por­ta), e fei­to em­pos­sar, o ca­be­ça de lis­ta, João Lou­ren­ço, co­mo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pas­sou tam­bém, gos­te-se ou não, de mui­tas das su­as po­si­ções, a ser, o meu pre­si­den­te. Ve­nho se­guin­do, co­mo jor­na­lis­ta e ami­go ocul­to, na crí­ti­ca, dis­tan­te dos ba­ju­la­do­res de oca­sião, pa­ra lhe aler­tar a não op­tar por ser “as­sas­si­na­do pe­lo elo­gio, mas sal­vo pe­la cri­tí­ca”. Man­ter-me-ei fi­el a es­se prin­cí­pio, mes­mo quan­do sou in­com­pre­en­di­do e te­nha no­ção que a in­jus­ti­ça que ve­nho sen­do al­vo, pe­lo re­gi­me que re­pre­sen­ta, não se­rá re­pa­ra­da no seu con­su­la­do. Es­pe­rei, ver o 27 de Maio de 1977 na sua pau­ta co­mo pri­o­ri­da­de, fa­ce aos ma­le­fí­ci­os cau­sa­dos no pas­sa­do, com for­tes re­mi­nes­cên­ci­as, ain­da ho­je, em mui­tos so­bre­vi­ven­tes e ór­fãos. Por es­ta ra­zão, acom­pa­nhei o de­sen­ro­lar da sua vi­si­ta ofi­ci­al a Por­tu­gal, mar­ca­da por uma en­tre­vis­ta pré­via, a um jor­nal es­tran­gei­ro (não é cri­me, nem chau­vi­nis­mo) on­de mui­tos dos te­mas ver­ti­dos, de­ve­ri­am ser al­vo de mai­or pon­de­ra­ção, da­da a sen­si­bi­li­da­de, que car­re­gam. Mas, lo­go de­pois perguntei, não po­de­ria ser da­da a en­tre­vis­ta ao F8, mas lo­go re­cor­dei, quan­ta in­ge­nui­da­de, es­pe­rar que sai­ría­mos do bau da dis­cri­mi­na­ção... Fo­mos o pri­mei­ro ór­gão a so­li­ci­tar, pu­bli­ca­men­te, no dia 08 de Ja­nei­ro de 2018, no Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al (úni­ca vez que F8 foi con­vi­da­do, pe­lo Exe­cu­ti­vo de João Lou­ren­ço), uma en­tre­vis­ta, ao Pre­si­den­te João Lou­ren­ço, que di­an­te de to­das as câ­ma­ras não re­jei­tou, daí ter­mos de­po­si­ta­do o ques­ti­o­ná­rio com as res­pec­ti­vas perguntas. In­fe­liz­men­te, nun­ca, nem o se­cre­tá­rio pa­ra in­for­ma­ção da Pre­si­dên­cia, pes­soa que es­ti­mo, no qua­dro da ur­ba­ni­da­de se te­nha li­mi­ta­do a res­pon­der: “não con­ce­de, o Sr Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, en­tre­vis­ta a um jor­nal, co­mo o Fo­lha 8”. Pre­fe­ri­ram o ca­mi­nho in­ver­so. Respeitamos, la­men­tan­do. Per­gun­ta­mos, ob­vi­a­men­te, so­bre o que pen­sa João Lou­ren­ço, so­bre o sen­sí­vel pro­ces­so do 27 de Maio de 1977, on­de Agos­ti­nho Ne­to li­de­rou a mai­o­ra cha­ci­na in­tra­mu­ros, as­sas­si­nan­do sem jul­ga­men­to, cer­ca de 80 mil mi­li­tan­tes da in­te­lin­gent­sia au­tóc­to­ne. Mas, vol­tan­do a Por­tu­gal, na con­fe­rên­cia de im­pren­sa, de João Lou­ren­ço, ve­jo, num de re­pen­te, le­van­tar-se uma mu­lher fran­zi­na, mas co­ra­jo­sa, nos 41 anos de so­fri­men­to, de no­me Uli­ka. O no­me era fa­mi­li­ar, pois co­li­dia com o no­me de um meu ca­noa, Ade­li­no dos San­tos, mais co­nhe­ci­do por Betinho, uma das vo­zes so­nan­tes do pro­gra­ma Ku­di­ban­gue­la, emi­ti­do pe­la Rá­dio Na­ci­o­nal, nos pri­mór­di­os da in­de­pen­dên­cia: 1975 – 1977, co­no­ta­do co­mo sen­do li­ga­do aos ale­ga­dos frac­ci­o­nis­tas. Mas ca­noa, por ser um ter­mo uti­li­za­do pe­los pre­sos, que no tem­po co­lo­ni­al, es­ta­vam no campo de con­cen­tra­ção de São Ni­co­lau e Betinho (tal co­mo eu, Bor­ni­to de Sou­sa, ac­tu­al vi­ce-pre­si­den­te, Is­ma­el Ma­teus, Pai­to, Man Cis­co e tan­tos ou­tros) gos­ta­va de es­cre­ver po­e­mas. E foi um des­ses po­e­mas, que a sua fi­lha, guar­dou re­li­gi­o­sa­men­te pa­ra ler ao co­man­dan­te e ver, quan­ta coin­ci­dên­cia o tem­po tei­ma em não apa­gar. O co­man­dan­te, João Lou­ren­ço dei­xou-a fa­lar, mas não quis ou­vir o po­e­ma, não fos­se o di­a­bo te­cê-las. Re­sig­na­da sen­tou- se, mas o seu ges­to en­cheu-me e a mui­tos dos so­fre­do­res e dis­cri­mi­na­dos do 27 de Maio 1977 de or­gu­lho e es­pe­ran­ça, que nun­ca o nos­so dra­ma se­rá es­que­ci­do, por­quan­to, mui­tos dos nos­sos fi­lhos não dei­ta­ram, nem dei­ta­rão o nos­so ca­ja­do, ao chão. A pro­va es­tá aí. Con­ti­nu­ar a es­con­der, não fa­rá nun­ca es­que­cer os as­sas­si­na­tos cruéis pra­ti­ca­dos e ca­pi­ta­ne­a­dos por Agos­ti­nho Ne­to. É ho­ra de dis­cu­tir­mos, aber­ta­men­te, pois “a ter­ra se re­cu­sa a ser fe­ri­da”, es­cre­veu Ade­li­no dos San­tos “Betinho”. Aten­te­mos ao po­e­ma, que Uli­ka, fi­lha quis ler ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la: A SIRENE TRIS­TE Aqui on­de vi­das se min­guam A mor­te é um re­fú­gio On­de tu­do sub­sis­te Pe­lo amor do po­vo!... Quan­do nas­ce a au­ro­ra A sirene cha­ma os mo­ri­bun­dos Lan­ça­dos pa­ra a mor­te Obri­ga­dos a en­ter­rar a en­xa­da!... Ca­da en­xa­da se ba­te Uma vi­da ain­da sub­sis­te Uma vi­da que fe­ne­ce len­ta­men­te Des­ta ju­ven­tu­de som­bria!... Aqui on­de o san­gue cor­re Cla­man­do jus­ti­ça On­de a en­xa­da se en­ter­ra A ter­ra se re­cu­sa a ser fe­ri­da Pa­ra não per­tur­bar o so­no D’aque­les que dor­mem eter­na­men­te!... Exaus­ta de so­fri­men­to A ter­ra cho­ra Cho­ra em me­mó­ria dos seus fi­lhos!... S.ni­co­lau 5/10/73 Uli­ka Ade­li­no (Betinho) dos San­tos

VÍ­TI­MA DA CHA­CI­NA DO 27 DE MAIO, ADE­LI­NO ANTÓNIO DOS SAN­TOS (BETINHO) COM A FI­LHA ULI­KA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.