TRANSPARÊNCIA PRO­ME­TI­DA E BAR­RI­GA VA­ZIA GA­RAN­TI­DA

Folha 8 - - DESTAQUE -

OGo­ver­no an­go­la­no ga­ran­tiu no dia 27.11 que to­dos os con­tra­tos que en­vol­vam a ad­mi­nis­tra­ção já são fei­tos “pre­fe­ren­ci­al­men­te” atra­vés da con­tra­ta­ção pú­bli­ca e vi­sa­dos pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas, que tem fis­ca­li­za­do pro­ces­sos que não se­gui­ram es­ta re­gra no pas­sa­do. Em de­cla­ra­ções aos jor­na­lis­tas à mar­gem da aber­tu­ra da VIII Con­fe­rên­cia dos Or­ga­nis­mos Es­tra­té­gi­cos de Con­tro­lo In­ter­no da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses e Lín­gua Por­tu­gue­sa (OECI-CPLP), o mi­nis­tro da Cons­tru­ção e das Obras Pú­bli­cas de An­go­la, Ma­nu­el Tavares de Al­mei­da, des­ta­cou o “ri­gor” com que es­tá a ser fei­ta es­ta re­for­ma. “Ago­ra, com es­te no­vo ci­clo de go­ver­na­ção, em que se exi­ge mais ri­gor, mais transparência e qua­li­da­de na des­pe­sa pú­bli­ca, as ins­ti­tui­ções que a re­a­li­zam são obri­ga­das a cum­prir es­tri­ta­men­te aqui­lo que es­tá pre­vis­to na lei”, su­bli­nhou, alu­din­do à Lei da Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca e às Re­gras da Exe­cu­ção do Or­ça­men­to. “São dois ins­tru­men­tos fun­da­men­tais que o ges­tor pú­bli­co de­ve se­guir. No pro­ces­so de con­tra­ta­ção pú­bli­ca exis­tem vá­ri­os pro­ce­di­men­tos, en­tre os qu­ais al­guns con­tra­tos que têm de ser sub­me­ti­dos à fis­ca­li­za­ção pré­via do Tri­bu­nal de Con­tas. Es­te pro­ce­di­men­to já es­tá a ser se­gui­do. Não ha­ven­do emer­gên­ci­as, os con­tra­tos são pre­fe­ren­ci­al­men­te fei­tos por via da con­tra­ta­ção pú­bli­ca e as obras só de­ve­rão co­me­çar após o vis­to do Tri­bu­nal de Con­tas”, acres­cen­tou. Se­gun­do Tavares de Al­mei­da, os ca­sos que, no pas­sa­do, não se­gui­ram es­te ri­gor, “es­tão a ser re­gu­la­ri­za­dos” pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas, que tem fei­to a fis­ca­li­za­ção su­ces­si­va dos con­tra­tos pa­ra ve­ri­fi­car a res­pec­ti­va exe­cu­ção fí­si­ca e fi­nan­cei­ra. Ques­ti­o­na­do so­bre qu­an­tos são os ca­sos em aná­li­se, Tavares de Al­mei­da dis­se se­rem “al­guns”, adi­an­tan­do, con­tu­do, que “mui­tos” fo­ram já re­sol­vi­dos”. “O cum­pri­men­to dos pa- ga­men­tos tam­bém é ri­go­ro­so, por­que o sis­te­ma do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças não per­mi­te pa­ga­men­tos além do va­lor do con­tra­to. Es­ta­mos tam­bém a tra­ba­lhar na re­gu­la­ri­za­ção das si­tu­a­ções do pas­sa­do e da­qui pa­ra a fren­te só tra­ba­lhar­mos com si­tu­a­ções ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te re­gu­la­ri­za­das”, con­cluiu. A Lei da Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca, tal co­mo as Re­gras da Exe­cu­ção do Or­ça­men­to, te­rá com cer­te­za (co­mo cer­ta­men­te ga­ran­ti­rá João Lou­ren­ço) ex­ce­len­te re­sul­ta­dos, tal co­mo te­ve –aliás – a Lei da Pro­bi­da­de Pú­bli­ca nú­me­ro 3/10, de 29 de Mar­ço, ins­cri­ta no Diá­rio da Re­pú­bli­ca, I Sé­rie nº 57, um di­plo­ma que (su­pos­ta­men­te) iria re­for­çar os me­ca­nis­mos de com­ba­te à cul­tu­ra da cor­rup­ção, por for­ma a ga­ran­tir o pres­tí­gio do Es­ta­do e das su­as ins­ti­tui­ções pú­bli­cas. “A lei re­flec­te a von­ta­de e o es­for­ço do Es­ta­do an­go­la­no em mo­ra­li­zar o exer­cí­cio das fun­ções pú­bli­cas e com­ba­ter a cor­rup­ção”, afir­mou, em Luanda, o ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, Luís de As­sun­ção Pe­dro da Mota Liz, du­ran­te uma pa­les­tra so­bre es­te di­plo­ma. Tra­ta-se de uma nor­ma de­on­to­ló­gi­ca que se for in­te­gral­men­te ob­ser­va­da não ha­ve­rá ter­re­no pa­ra cor­rup­ção no país, as­se­ve­rou em No- vem­bro de 2011 o as­ses­sor do Pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, pre­ci­san­do que a lei pres­cre­ve prin­cí­pi­os e de­ve­res a se­rem ob­ser­va­dos pe­los ser­vi­do­res pú­bli­cos na sua pres­ta­ção. Co­mo to­dos sab­mos, o re­sul­ta­do des­ta lei foi ex­ce­len­te, a pon­to de An­go­la con­ti­nu­ar a ser um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do. Mota Liz acres­cen­tou que o di­plo­ma es­ta­be­le­cia um con­jun­to de nor­mas que de­vem pau­tar a ac­tu­a­ção de to­dos os agen­tes pú­bli­cos, des­ta­can­do-se o da igual­da­de, da pro­bi­da­de pú­bli­ca, da com­pe­tên­cia e do res­pei­to pe­lo pa­tri­mó­nio pú­bli­co. Con­ti­nha (con­tém) igual­men­te prin­cí­pi­os da im­par­ci­a­li­da­de, da pros­se­cu­ção do in­te­res­se pú­bli­co, da res­pon­sa­bi­li­da­de e res­pon­sa­bi­li­za­ção do ti­tu­lar, do ges­tor, do res­pon­sá­vel, do fun­ci­o­ná­rio, da ur­ba­ni­da­de, da le­al­da­de às ins­ti­tui­ções, en­tre ou­tros ser­vi­do­res. Mota Liz re­fe­riu igual­men­te que a pro­bi­da­de pú­bli­ca, en­quan­to prin­cí­pio, es­ta­be­le­ce que o agen­te pú­bli­co pau­ta-se pe­la ob­ser­vân­cia de va­lo­res de boa ad­mi­nis­tra­ção e ho­nes­ti­da­de no de­sem­pe­nho da sua fun­ção. Ou se­ja, acres­cen­tou, nes­ta con­di­ção o ser­vi­dor não po­de so­li­ci­tar, pa­ra si ou pa­ra ter­cei­ros, quais­quer ofer­tas que po­nham em cau­sa a li­ber­da­de da sua ac­ção, a in­de­pen­dên­cia do seu juí­zo, bem co­mo a cre­di­bi­li­da­de e a au­to­ri­da­de da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.

MI­NIS­TRO DA CONS­TRU­ÇÃO E OBRAS PÚ­BLI­CAS, MA­NU­EL TAVARES DE AL­MEI­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.