GO­VER­NO SÓ NAVEGA À VIS­TA (DO PE­TRÓ­LEO OB­VI­A­MEN­TE!) O

Folha 8 - - ECONOMIA -

Go­ver­no pro­jec­tou o pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo em 68 dó­la­res co­mo ba­se do OGE 2019 por es­tar abai­xo do es­ti­ma­do (70 dó­la­res) por vá­ri­as or­ga­ni­za­ções fi­nan­cei­ras in­ter­na­ci­o­nais, ex­pli­ca o se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos Pe­tró­le­os, Pau­li­no Je­ró­ni­mo. Ques­ti­o­na­do so­bre se o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra 2019, ac­tu­al­men­te em dis­cus­são (apro­va­ção) na es­pe­ci­a­li­da­de no Par­la­men­to, po­de obri­gar a uma cor­rec­ção nos nú­me­ros, Pau­li­no Je­ró­ni­mo in­di­cou que o Go­ver­no de Luanda es­tá a to­mar um con­jun­to de me­di­das pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, de for­ma a que o pe­tró­leo “pos­sa, no fu­tu­ro, em­pa­tar me­nos o nor­mal fun­ci­o­na­men­to da eco­no­mia”. O se­cre­tá­rio de Es­ta­do de­fen­deu, po­rém, ser ne­ces­sá­rio aguar­dar pe­la reu­nião da Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo (OPEP), pre­vis­ta pa­ra 6 de De­zem­bro, pa­ra se ter uma ideia mais cla­ra so­bre o que po­de ser fei­to. “O pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo tem es­ta­do a os­ci­lar, nun­ca te­mos um pre­ço em de­fi­ni­ti­vo. O OGE [pa­ra 2019] foi pro­jec­ta­do com ba­se num pre­ço de re­fe­rên­cia de 68 dó­la­res, e is­so porquê? Por­que to­das as em­pre­sas que fa­zem a ava­li­a­ção do pre­ço in­di­ca­vam que o pe­tró­leo es­ta­ria no mí­ni­mo a 70 dó­la­res, in­cluin­do o FMI [Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal] e BM [Ban­co Mun­di­al]. Daí os 68 dó­la­res”, ex­pli­cou. Na al­tu­ra em que o Go­ver­no an­go­la­no apre­sen­tou no Par­la­men­to a pro­pos­ta do OGE, os mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais ain­da tran­sac­ci­o­na­vam o pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo em tor­no dos 80 dó­la­res, ten­do, des­de en­tão, des­ci­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te, es­tan­do na fas­quia dos 60 dó­la­res. Pau­li­no Je­ró­ni­mo de­fen­deu tam­bém que a que­da dos pre­ços do cru­de nos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais se de­ve ao “im­pac­to da pres­são nor­te-ame­ri­ca­na” so­bre a pro­du­ção. “É por is­so que te­mos de es­pe­rar um bo­ca­do pe­la res­pos­ta da OPEP em re­la­ção a es­ta pro­du­ção e só de­pois po­de­re­mos ana­li­sar e ava­li­ar”, adi­an­tou, lem­bran­do, por ou­tro la­do, a de­ci­são da Arábia Saudita ter re­du­zi­do re­cen­te­men­te a pro­du­ção em 500 mil bar­ris/dia pa­ra es­ti­mu­lar o pre­ço. “Nes­ta al­tu­ra, e co­mo é do vos­so co­nhe­ci­men­to, a Arábia Saudita re­sol­veu, por si só, re­du­zir a pro­du­ção em 500 mil bar­ris por dia e, na­tu­ral­men­te, os ou­tros paí­ses vão co­me­çar a se­guir tam­bém os pas­sos da Arábia Saudita”, va­ti­ci­nou. Ques­ti­o­na­do so­bre o fac­to de o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço se ter ma­ni­fes­ta­do, em Lis­boa, pre­o­cu­pa­do com um even­tu­al im­pac­to do pre­ço do cru­de no OGE, pro­pon­do co­mo

SE­CRE­TÁ­RIO DE ES­TA­DO DOS PE­TRÓ­LE­OS, PAU­LI­NO JE­RÓ­NI­MO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.