A IM­POR­TÂN­CIA DE

Folha 8 - - CRONICA -

Es­ta se­ma­na qu­e­ro de­mons­trar aos meus ir­mãos an­go­la­nos o pri­vi­lé­gio imen­so que é se­rem fa­lan­tes da mais be­la lín­gua al­gu­ma vez cri­a­da pe­la hu­ma­ni­da­de, que é a mais fa­la­da no He­mis­fé­rio Sul. Den­tro de al­guns anos a úl­ti­ma flor do Lá­cio se­rá um dos 3 idi­o­mas mais fa­la­dos na con­di­ção de pri­mei­ra lín­gua. Em sua ho­me­na­gem, vou inun­dar es­te tex­to com as mais be­las fi­gu­ras de es­ti­lo que as mu­sas do Vou­ga se me – sen­sí­veis que são – sus­sur­ra­rem, si­bi­lan­te­men­te, som so­bre som, nu­ma or­gia so­no­ra, co­mo se es­ti­ves­se, me­ta­fo­ri­ca­men­te, a de­po­si­tar uma co­roa de flo­res no tú­mu­lo de Vaz de Ca­mões. A pro­vi­dên­cia en­car­re­gou-se de me dar a co­nhe­cer Eça não ti­nha eu ain­da 10 anos, de­vi­do à con­ju­ga­ção fe­liz de vá­ri­os fac­to­res en­tre os qu­ais: a “in­fluên­zia” do ví­rus da gri­pe, e, a im­per­ti­nên­cia e pe­dan­tis­mo do bi­bli­o­te­cá­rio – mais do que o seu ge­nuí­no in­te­res­se na mi­nha for­ma­ção li­te­rá­ria – que en­fi­ou no pa­co­te de li­vros a que ti­nha di­rei­to, o “Cons­tan­ti­no” do Alves Re­dol e um li­vro de con­tos do Eça, por en­tre ou­tros in­fan­to­ju­ve­nis. Des­sa for­ma li ver­da­dei­ra­men­te com pra­zer o meu pri­mei­ro clás­si­co de uma li­te­ra­tu­ra já não alo­ca­da à mi­nha ida­de. Clas­si­fi­car Eça de re­a­lis­ta ou ro­mân­ti­co é qua­se tão di­fí­cil co­mo dis­tin­guir uma gri­pe de uma cons­ti­pa­ção, in­fec­ção bac­te­ri­a­na opor­tu­nis­ta ou aler­gia, ou até, de um me­ro cho­que tér­mi­co com re­fle­xos nas mu­co­sas. O que é cer­to é que es­sa con­di­ção me obri­gou a uma pros­tra­ção no lei­to da mi­nha avó e ma­dri­nha, e, de­pois de ler o guar­da­dor de so­nhos mais ou me­nos in­fan­tis, mas, ex­tre­ma­men­te abor­re­ci­dos é que vi cri­a­das as con­di­ções pa­ra me pros­trar no­va­men­te e des­ta vez com pra­zer inau­di­to an­te o mais ra­di­o­so, cin­ti­lan­te, li­te­ra­to e dou­to di­plo­ma­ta por­tu­guês de to­do o sem­pre, se bem que nos an­tí­po­das de Camilo e Pes­soa, mas nos areó­pa­gos da li­te­ra­tu­ra mun­di­al de fim de sé­cu­lo (XIX ob­vi­a­men­te). Num dos con­tos, Eça re­tra­ta­va a vi­da im­po­lu­ta, ab­ne­ga­da e mi­li­tan­te da mais ser­vil in­di­gên­cia de um aus­te­ro fra­de men­di­can­te fru­gal, co­mo Fran­cis­co de As­sis, e, sem má­cu­la al­gu­ma que se lhe pu­des­se apon­tar. To­da­via quan­do es­se fra­de en­con­trou um ca­ma­ra­da mo­ri­bun­do e exâ­ni­me, apa­ren­te­men­te com­pun­gi­do de to­da uma vi­da pri­va­da da satisfação dos sen­ti­dos, es­tar­re­ceu an­te o seu úl­ti­mo de­se­jo, que mais não era do que a ma­te­ri­a­li­za­ção do pe­ca­do da gu­la ape­sar de to­da uma vi­da ve­ta­da à re­pres­são dos de­se­jos do estô­ma­go. Num ges­to su­pre­mo de bon­da­de e sa­cri­fí­cio, o nos­so per­so­na­gem pi­lha um per­di­do por­co a um po­bre pas­tor; in­cle­men­te, ma­ta-o, mas não im­pla­ca­vel­men­te; co­zi­nha uma per­na; que, ser­ve ao mor­ti­ço e ben­to men­di­go cu­ja in­ges­tão lhe ser­ve de can­to do cis­ne. Ape­sar de uma vi­da mi­só­gi­na, de­di­ca­da à con­tem­pla­ção do Se­nhor e ba­se­a­da no so­fri­men­to e na ne­ga­ção de to­do e qual­quer pra­zer, as im­pli­ca­ções des­se ges­to fo­ram su­fi­ci­en­tes pa­ra es­se Se­nhor – de­fron­te do Ter e o Ha­ver – o con­de­nar às pro­fun­de­zas fri­as e hú­mi­das do in­fer­nal fogo. Ape­nas e só, de­vi­do a um

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.