VI­VA PA­RA SER­VIR

Folha 8 - - DESPORTO - O pa­dre an­go­la­no Pio Wa­kus­san­ga, ven­ce­dor do pré­mio afri­ca­no “De­fen­sor de Di­rei­tos Hu­ma­nos de 2018”, con­si­de­rou no 22.11 o ga­lar­dão co­mo um “es­tí­mu­lo” pa­ra “con­ti­nu­ar a lu­tar” pe­la cau­sa, so­bre­tu­do no in­te­ri­or do país “pra­ti­ca­men­te aban­do­na­do”.

m de­cla­ra­ções à agên­cia Lu­sa a par­tir da pro­vín­cia do Huambo, o sa­cer­do­te, ga­lar­do­a­do de­vi­do ao seu tra­ba­lho na de­fe­sa dos Di­rei­tos Hu­ma­nos no Sul de An­go­la, dis­se que o pré­mio se tra­duz tam­bém num “gran­de de­sa­fio” no con­tex­to da lu­ta pe­los di­rei­tos eco­nó­mi­cos, so­ci­ais e cul­tu­rais do país. “É um es­tí­mu­lo e, ao mes­mo tem­po, é um gran­de de­sa­fio, sig­ni­fi­can­do que is­to não é o fim da li­nha. Te­mos de con­ti­nu­ar a lu­tar ten­do em con­ta os gran­des de­sa­fi­os que se co­lo­cam aos de­fen­so­res aos di­rei­tos hu­ma­nos, no ca­so, em An­go­la”, apon­tou. O re­co­nhe­ci­men­to do pa­dre Pio Wa­kus­san­ga foi fei­to pe­la Southern Áfri­ca Hu­man Rights De­fen­ders Network (Re­de de De­fen­so­res de Di­rei­tos Hu­ma­nos da Áfri­ca Aus­tral), ten­do o pré­mio si­do en­tre­gue em Jo­a­nes­bur­go a 13 des­te mês. Se­gun­do o res­pon­sá­vel da or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal Cons­truin­do Co­mu­ni­da­des em An­go­la, o país tem ain­da “gran­des de­sa­fi­os no con­tex­to dos di­rei­tos ci­vis e po­lí­ti­cos”, la­men­tan­do a “de­sa­ten­ção das au­to­ri­da­des” pe­lo in­te­ri­or de An­go­la. “Bas­ta olhar pa­ra o in­te­ri­or, pa­ra as zo­nas ru­rais e ver co­mo é que o in­te­ri­or es­tá pra­ti­ca­men­te aban­do­na­do. As po­lí­ti­cas do de­sen­vol­vi­men­to pri­o­ri­zam o li­to­ral e as ci­da­des pró­xi­mas do li­to­ral”, ar­gu­men­tou. “Com es­ta cri­se eco­nó­mi­ca, es­ta cri­se de vi­são que o país vi­ve, is­to im­pli­ca que te­mos de lu­tar imen­so pa­ra que os lí­de­res do exe­cu­ti­vo con­si­gam dar uma gran­de aten­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das co­mu­ni­da­des do in­te­ri­or”, acres­cen­tou. No qua­dro da apli­ca­ção dos di­rei­tos eco­nó­mi­cos, so­ci­ais e cul­tu­rais, in­cluin­do o di­rei­to am­bi­en­tal, adi­an­tou, “tem de se olhar pa­ra o im­pac­to das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas e as con­sequên­ci­as que tu­do is­so re­sul­ta”. Ques­ti­o­na­do se o Pro­gra­ma do Go­ver­no an­go­la­no so­bre Des­con­cen­tra­ção de Po­de­res dos Go­ver­nos Pro­vin­ci­ais pa­ra Ad­mi­nis- tra­ções Mu­ni­ci­pais, em cur­so no país, vai con­cor­rer pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do in­te­ri­or de An­go­la o sa­cer­do­te dis­se “não ter ilu­sões”. “Não te­nho ilu­sões, es­ta é ape­nas uma me­di­da sim­bó­li­ca. O que o in­te­ri­or do país re­quer é uma ver­da­dei­ra de­mo­cra­cia, o pla­no de de­sen­vol­vi­men­to do in­te­ri­or não de­pen­de de um ato simbólico de des­con­cen­tra­ção”, in­di­cou. Re­quer sim, as­si­na­lou, “a di­rec­ta par­ti­ci­pa­ção do ci­da­dão na ges­tão da coi­sa pú­bli­ca e não aque­le pla­no que foi de­se­nha­do, o cha­ma­do Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal (PDN 2018-2022)”. “Olhan­do pa­ra o ma­pa dos cha­ma­dos pó­los de de­sen- vol­vi­men­to, são ur­ba­nos e lo­ca­li­za­dos no li­to­ral e tem de ha­ver um ma­pa ra­di­cal­men­te di­fe­ren­te da­que­le e com a par­ti­ci­pa­ção das co­mu­ni­da­des”, sa­li­en­tou. O tam­bém pá­ro­co da pa­ró­quia de Nos­sa Se­nho­ra de Fá­ti­ma do Chi­an­ge, se­de mu­ni­ci­pal dos Gam­bos, pro­vín­cia an­go­la­na da Huí­la, sa­li­en­tou ain­da que “é pre­ci­so po­ten­ci­ar a gran­de ri­que­za aban­do­na­da” no in­te­ri­or do país. “Te­mos po­ten­ci­ais na zo­na les­te do país, não me re­fi­ro aos di­a­man­tes, mas sim às ri­que­zas que o so­lo dá, co­mo a agri­cul­tu­ra, avi­cul­tu­ra, a aqui­cul­tu­ra, é pre­ci­so uma apos­ta sé­ria nes­sas áre­as e não uma sim­ples me­di­da de des­con­cen­tra­ção”, re­ma­tou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.