RA­ZÃO DO PRE­SI­DEN­TE NÃO PO­DE SUPLANTAR A RA­ZÃO DO ES­TA­DO

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WILLIAM TONET kui­[email protected]­mail.com

Apo­lí­ti­ca é um ber­ço con­du­tor de ide­o­lo­gi­as, idei­as, con­cei­tos, prin­cí­pi­os e ho­mens, al­guns ín­te­gros, ou­tros nem tan­to, na bus­ca de um pro­jec­to in­di­vi­du­al ou co­lec­ti­vo que pos­sa be­ne­fi­ci­ar to­da a sociedade. Nes­ta ca­mi­nha­da, os agen­tes po­lí­ti­cos ten­dem a unir-se em or­ga­ni­za­ções, ou partidos po­lí­ti­cos, pa­ra a pros­se­cu­ção dos ob­jec­ti­vos a que se pro­põem, nor­mal­men­te a to­ma­da do po­der do Es­ta­do. Não exis­te uma fór­mu­la exac­ta, pa­ra a che­ga­da ao po­der, pe­se exis­ti­rem, na maioria dos Es­ta­dos, fas­cis­tas ou de­mo­crá­ti­cos (ou em tran­si­ção), re­gras e nor­mas ju­rí­di­cas, pa­ra es­te de­si­de­ra­to. No en­tan­to, na maioria das vezes, mui­tos che­gam ao to­po da pi­râ­mi­de de partidos e paí­ses não atra­vés da ca­pa­ci­da­de, com­pe­tên­cia ou ca­ris­ma dos seus mais al­tos dig­ni­tá­ri­os, mas pe­la máquina de apoio ou gru­pos de pres­são pa­ra quem, re­gra ge­ral, os fins jus­ti­fi­cam o uso de to­do o ti­po de mei­os. Ba­fe­ja­dos pe­la sor­te, não dei­xam de alo­jar os seus com­pa­nhei­ros de ro­ta, na ló­gi­ca de­fen­di­da pe­lo re­no­ma­do fi­ló­so­fo, Mar­cus Tul­lius Ci­ce­ro de que: “Ne­nhum de­ver é mais im­por­tan­te do que a gra­ti­dão”. In­fe­liz­men­te, o mun­do está pre­nhe de po­dri­dão e nem sem­pre se re­co­nhe­ce aque­les que, num dado mo­men­to, nos em- pur­ra­ram pa­ra a gló­ria. Os exem­plos es­tão à mão de se­me­ar: Hi­tler, Sta­lin, Mus­so­li­ni, Pi­no­chet, Fran­co, Idi Amin Da­da, Paul Bia, Agostinho Neto, en­tre ou­tros. Mui­tos dos atrás re­fe­ren­ci­a­dos che­ga­ram ao po­der atra­vés dos lu­ga­res-te­nen­tes, que li­de­ra­vam as po­ten­tes má­qui­nas de pro­pa­gan­da, ou mes­mo má­qui­nas bé­li­cas de mor­ti­cí­nio. No caso an­go­la­no, Agostinho Neto não te­ve con­tem­pla­ção pelos mui­tos que o fi­ze­ram pre­si­den­te do MPLA e da República, no­me­a­da­men­te, Má­rio Pinto de An­dra­de, Ma­ti­as Mi­guéis, Do­min­gos Ki­o­sa, Vi­ri­a­to da Cruz, Gen­til Vi­a­na, Sot­to Mayor, Al­ves Ber­nar­do Ni­to Al­ves, en­tre ou­tros. A ce­ga ob­ses­são pe­lo po­der fê-lo co­me­ter mui­tas in­jus­ti­ças, sen­do a maior a cha­ci­na do 27 de Maio de 1977, on­de chan­ce­lou o as­sas­si­na­to de cer­ca de 80 mil ci­da­dãos ino­cen­tes, sem cul­pa for­ma­da e jul­ga­men­to jus­to. Neto, ao con­trá­rio da máquina de pro­pa­gan­da, não pas­sou, pa­ra mui­tos, de um lí­der me­dío­cre, que an­dou sem­pre em sen­ti­do con­trá­rio à unidade e re­con­ci­li­a­ção in­ter­na do MPLA. A sua che­ga­da foi um ele­men­to frac­tu­ran­te, des­de lo­go como men­tor da Revolta Ac­ti­va, pos­te­ri­or­men­te, da Re­be­lião da Ji­boia, que de­ri­vou na Revolta do Les­te, o as­sas­si­na­to bár­ba­ro e cruel, do co­man­dan­te Pa­ga­ni­ni, em fo­guei­ra, no ano de 1968, acu­sa­do de fei­ti­ça­ria e ten­ta­ti­va de gol­pe con­tra a di­rec­ção, em Braz­za­vil­le. Pos­te­ri­or­men­te, de­pois de ter si­do sal­vo por Ni­to Al­ves, no Congresso de Lu­sa­ka , em 1974, on­de per­deu as elei­ções, pa­ra Da­ni­el Jú­lio Chi­pen­da, sem ape­lo nem agra­vo, mandou-o as­sas­si­nar em 1977. In­fe­liz­men­te esta pos­tu­ra, eli­mi­na­ção dos ad­ver­sá­ri­os in­ter­nos, co­lo­can­do-os como bo­des ex­pi­a­tó­ri­os, ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da por Agostinho Neto é a imagem de mar­ca do MPLA, se­gui­da por to­dos os su­ces­so­res, em al­guns casos com me­ras nu­an­ces de uma ma­qui­lha­gem mais ac­tu­a­li­za­da. É a tí­pi­ca ac­tu­a­ção das cas­tas, eli­mi­nar os ves­tí­gi­os da an­te­ri­or, em no­me do pai, do fi­lho, do espírito San­to e, até, do Amém. Mui­tos ba­tem pal­mas, es­que­cen­do-se de uma cé­le­bre fra­se de Char­les Louis de Se­con­dat, mais co­nhe­ci­do por Ba­rão de Mon­tes­qui­eu: “A in­jus­ti­ça que se faz a um, é uma ameaça que se faz a to­dos”. O mo­men­to ac­tu­al, de­vi­do à cri­se, exigia e exige mu­dan­ças de pa­ra­dig­ma na po­lí­ti­ca e go­ver­na­ção do país, mas não po­de res­va­lar no oca­so de um au­to­ri­ta­ris­mo in­cu­ba­do. A ne­ces­si­da­de do no­vo não de­ve es­tar dis­so­ci­a­da da unidade, co­e­são e en­ga­ja­men­to ge­ral, na lu­ta con­tra a cor­rup­ção, o ne­po­tis­mo e to­das as la­dro­a­gens no uni­ver­so pú­bli­co, vi­san­do im­pe­dir, como dei­xou ver­ba­li­za­do o pre­si­den­te João Lourenço, a as­cen­são do ab­so­lu­tis­mo de um ho­mem só, ca­paz de hip­no­ti­zar, com pa­li­a­ti­vos, o país e, mais gra­ve, apri­si­o­nar a so­be­ra­nia dos po­de­res, le­gis­la­ti­vo e ju­di­ci­al. Is­to por a ra­zão de um Pre­si­den­te da República, por mais jus­ta que se­ja, não po­der suplantar a ra­zão do Es­ta­do.

PRE­SI­DEN­TE DE ANGOLA, JOÃO MA­NU­EL GON­ÇAL­VES LOURENÇO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.