GO­VER­NO ABORTA “GOL­PE DE ES­TA­DO” DAS ZUNGUEIRAS…

Folha 8 - - DESTAQUE -

Omi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos de Angola, Fran­cis­co Qu­ei­roz, re­jei­tou no 06.12 que a ma­ni­fes­ta­ção de zungueiras nas ru­as de Lu­an­da, te­nha a ver com di­rei­tos hu­ma­nos, mas sim com os seus interesses co­mer­ci­ais. Lu­vu­a­lu de Car­va­lho, João Pinto, ou qual­quer ou­tro si­paio do MPLA não di­ria me­lhor. É, aliás, uma cla­ra de­mons­tra­ção de ne­po­tis­mo e es­cla­va­gis­mo des­te MPLA de João Lourenço. Fran­cis­co Qu­ei­roz, que fa­la­va à imprensa à mar­gem do ”workshop” pa­ra a re­co­lha de con­tri­bui­ções à pro­pos­ta da es­tra­té­gia do exe­cu­ti­vo so­bre os Di­rei­tos Hu­ma­nos, foi ins­ta­do a co­men­tar as ma­ni­fes­ta­ções que têm ocor­ri­do nos úl­ti­mos di­as na ca­pi­tal. Cer­ca de meia cen­te­na de zungueiras saí­ram à rua, ten­do si­do im­pe­di­das (como nos “ve­lhos” tem- pos em que João Lourenço era vi­ce-pre­si­den­te do MPLA e mi­nis­tro da Defesa) pe­la Po­lí­cia, que não per­mi­tiu que che­gas­sem ao Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al. Pa­ra o mi­nis­tro, es­tas ma- ni­fes­ta­ções “têm mais a ver com interesses co­mer­ci­ais de ca­da um”. “Não sei se têm a ver com di­rei­tos hu­ma­nos, se ca­lhar, tem mais a ver com interesses co­mer­ci­ais de ca­da um”, dis­se o go­ver­nan­te an­go­la­no, acres­cen­tan­do que “ca­da um está a de­fen­der os seus di­rei­tos co­mer­ci­ais”. “São interesses co­mer­ci­ais. O Es­ta­do tem um in­te­res­se, es­se sim, é de di­rei­tos hu­ma­nos, é man­ter a ordem e a tran­qui­li­da­de”, re­al­çou o ti­tu­lar da pas­ta da Jus­ti­ça e Di­rei­tos Hu­ma­nos em Angola. Em cau­sa está a “Ope­ra­ção Resgate”, co­lo­ca­da em prá­ti­ca pe­las au­to­ri­da­des an­go­la­nas a 6 de No­vem­bro e que vi­sa – na versão ofi­ci­al – re­for­çar a au­to­ri­da­de (ou au­to­ri­ta­ris­mo) do Es­ta­do em to­dos os do­mí­ni­os, re­du­zir os prin­ci­pais fac­to­res de­sen­ca­de­a­do­res da de­sor­dem e in­se­gu­ran­ça, bem como os da vi­o­lên­cia ur­ba­na e da si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria, aper­fei­ço­ar os

me­ca­nis­mos e ins­tru­men­tos pa­ra a prevenção e com­ba­te à imi­gra­ção ile­gal, e proi­bir a ven­da de pro­du­tos não au­to­ri­za­dos em mer­ca­dos in­for­mais. No 03.12, apa­ren­te­men­te de forma es­pon­tâ­nea, cer­ca de 50 zungueiras, to­das oriun­das do Mer­ca­do de São Paulo, em Lu­an­da, sur­pre­en­de­ram as au­to­ri­da­des lo­cais que só con­se­gui­ram pa­rá-las a pou­cas cen­te­nas de me­tros do Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al, sem que se te­nham re­gis­ta­do quais­quer in­ci­den­tes. Re­cor­de-se que ma­ni­fes­ta­ções jun­to ao Pa­lá­cio é só na­que­les paí­ses do ter­cei­ro mun­do on­de vi­go­ram re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos… Cer­ca de uma hora de­pois, a Po­lí­cia, já na zo­na da Mai­an­ga, con­se­guiu dis­per­sar a meia cen­te­na de zungueiras, que par­ti­ram, a pé e a can­tar: “João Lourenço se pre­pa­ra­aa, as zun- guei­ras, es­tão a vir­r­r­rr” e, antes do vento fa­zer a cur­va, es­tas mu­lhe­res/pais, su­por­te de vá­ri­as fa­mí­li­as, antes mes­mo de dois anos, adi­an­tan­do-se a pró­pria igre­ja ca­tó­li­ca, ca­no­ni­zam José Edu­ar­do dos San­tos, con­si­de­ra­do o diabo, o vi­lão, o maior cor­rup­to, pe­la ac­tu­al di­rec­ção do MPLA e exe­cu­ti­vo, mas, fa­ce ao com­ba­te con­tra os po­bres, atra­vés da “Ope­ra­ção Resgate”, num de re­pen­te, o mons­tro é vis­to, fa­ce aos er­ros ac­tu­ais, como sal­va­dor, pe­las mu­lhe­res so­fri­das, di­a­ri­a­men­te ROUBADAS, pelos agen­tes da Fis­ca­li­za­ção, um ór­gão vis­to, pe­la maioria dos po­pu­la­res, como a maior qua­dri­lha ins­ti­tu­ci­o­nal de LA­DRÕES e es­tur­pa­do­res, com co­ber­tu­ra no apa­re­lho do Es­ta­do. Daí te­rem, pa­ra­do­xal­men­te, can­ta­do (ví­deo cir­cu­la nas re­des so­ci­ais): “que- re­mos ZEDÚ, que­re­mos Zé­du, João Lourenço fo­ra, João Lourenço fo­ra “e foi com es­tas me­lo­di­as, que ras­ga­ram, de no­vo a ci­da­de, da bai­xa ao Mer­ca­do de São Paulo, de­pois de a Po­lí­cia lhes ter dado ga­ran­ti­as de que os pro­du­tos con­fis­ca­dos se­ri­am de­vol­vi­dos. Cla­mo­ro­sa MENTIRA, por­quan­to não ten­do a mer­ca­do­ria si­do re­gis­ta­da, quan­ti­fi­ca­da e no­mi­na­da, só com um to­que de mui­to fei­ti­ço, se efec­ti­va­ria, even­tu­al entrega, por­quan­to ela foi ati­ra­da pa­ra as car­ro­ça­ri­as de car­ri­nhas e tam­bo­res. Mas, a Po­lí­cia agiu bem, diz o Go­ver­no, por­que nun­ca se sa­be se as zungueiras estarão a pre­pa­rar um gol­pe… de Es­ta­do. Cla­ro, quan­do se tra­ta de es­pan­car, as­sas­si­nar ou dis­cri­mi­nar os po­bres, os fra­cos, os de­ser­da­dos, a Po­lí­cia age, na óp­ti­ca, do par­ti­do no po­der, sem­pre bem...

Não sei se têm a ver com di­rei­tos hu­ma­nos, se ca­lhar, tem mais a ver com interesses co­mer­ci­ais de ca­da um”, dis­se o go­ver­nan­te an­go­la­no

EM­BA­TE EN­TRE ZUNGUEIRAS E AGEN­TES DA PO­LÍ­CIA NACIONAL

MI­NIS­TRO DA JUS­TI­ÇA E DOS DI­REI­TOS HU­MA­NOS, FRAN­CIS­CO QU­EI­ROZ

PO­LÍ­CIA NACIONAL IMPEDINDO A MAR­CHA DAS MU­LHE­RES AO PA­LÁ­CIO PRE­SI­DEN­CI­AL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.