ELO­GI­OS A JOÃO LOURENÇO E (MUI­TOS) REPTOS À SOCIEDADE

Folha 8 - - DESTAQUE -

Ra­fa­el Mar­ques foi re­ce­bi­do no dia 05 de De­zem­bro de 2018 pe­lo Pre­si­den­te João Lourenço, após o in­ci­den­te de 04.12, quan­do foi impedido de en­trar no Pa­lá­cio jun­ta­men­te com ou­tros membros da sociedade ci­vil, elo­gi­ou “a fron­ta­li­da­de” do Pre­si­den­te an­go­la­no João Lourenço ao dis­cu­tir com a sociedade ci­vil (ou com uma par­te de­la) te­mas como os di­rei­tos hu­ma­nos ou a cor­rup­ção. “Fa­lá­mos ob­vi­a­men­te de cor­rup­ção. Pen­so que é im­por­tan­te o con­tri­bu­to da sociedade no sen­ti­do da mo­ra­li­za­ção, não só das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, mas dos pró­pri­os ci­da­dãos, de mo­do a que a cor­rup­ção dei­xe de ser es­te can­cro que cor­rói a sociedade e que de­la­pi­da os nos­sos re­cur­sos, que de­ve­ri­am ser in­ves­ti­dos na edu­ca­ção e na saúde”, re­fe­riu Ra­fa­el Mar­ques após a reu­nião de 45 mi­nu­tos com João Lourenço. Nas de­cla­ra­ções aos jor­na­lis­tas, Ra­fa­el Mar­ques elo­gi­ou “a fron­ta­li­da­de” do che­fe de Es­ta­do ao dis­cu­tir es­tas ques­tões e a “ini­ci­a­ti­va im­por­tan­te” de con­vi­dar or­ga­ni­za­ções não-go­ver­na­men­tais e da sociedade ci­vil an­go­la­nas pa­ra dis­cu­tir o futuro do país – en­con­tro que se re­a­li­zou na terça-fei­ra e que jun­tou cer­ca de uma de­ze­na de ins­ti­tui­ções -, uma vez que o diá­lo­go de­ve “ser es­ti­mu­la­do”. “To­dos os ci­da­dãos de­vem con­tri­buir e to­dos nós co­nhe­ce­mos casos de cor­rup­ção. Nas es­co­las, on­de es­tu­dam os nos­sos filhos, nos hos­pi­tais, on­de va­mos to­dos os di­as, em to­dos os sec­to­res”, acres­cen­tou o ac­ti­vis­ta. Pa­ra Ra­fa­el Mar­ques, “é im­por­tan­te” que a sociedade an­go­la­na per­ce­ba que a cor­rup­ção “não é só fei­ta pelos mi­nis­tros, por al­tas en­ti­da­des pú- bli­cas”. “Há cor­rup­ção diá­ria na nos­sa sociedade, a pe­que­na cor­rup­ção em que to­dos es­tão en­vol­vi­dos. Quan­do, por exem­plo, um en­fer­mei­ro leva uma se­rin­ga pa­ra ca­sa ou ven­de me­di­ca­men­tos, tu­do isso afec­ta a nos­sa sociedade. Como va­mos mo­ra­li­zar a sociedade de­ve ser a nos­sa maior pre­o­cu­pa­ção, de mo­do a que sai­ba­mos as­su­mir a res­pon­sa­bi­li­da­de en­quan­to ci­da­dãos de fa­zer­mos me­lhor pe­lo nos­so país”, sus­ten­tou, acres­cen­tan­do que pa­ra além da cor­rup­ção e dos di­rei­tos hu­ma­nos tam­bém dis­cu­tiu com João Lourenço a lei so­bre o re­pa­tri­a­men­to de ca­pi­tais, o es­ta­do da eco­no­mia e a mo­ra­li­za­ção da vi­da pú­bli­ca. Ra­fa­el Mar­ques des­ta­cou ain­da o “ges­to no­bre” de João Lourenço por tê-lo re­ce­bi­do, após o in­ci­den­te de terça-fei­ra, quan­do foi impedido de en­trar no Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al jun­ta­men­te com os ou­tros representantes da sociedade ci­vil por ale­ga­da­men­te não cons­tar na lis­ta de con­vi­da­dos. “A si­tu­a­ção está ul­tra­pas­sa­da. O Pre­si­den­te João Lourenço la­men­tou o in­ci­den­te e foi um ges­to no­bre. O in­ci­den­te está re­sol­vi­do e ul­tra­pas­sa­do” dis­se Ra­fa­el Mar­ques. Re­cor­de-se que Ra­fa­el Mar­ques, a pro­pó­si­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.