SÓ FAL­TA DA DO­EN­ÇA OU DA DI­TA CURA!

Folha 8 - - DESTAQUE - O Go­ver­no an­go­la­no apre­sen­tou o Plano Estratégico de Prevenção e Com­ba­te à Cor­rup­ção em Angola e pro­me­te re­for­ço de mei­os e me­lho­ria na trans­pa­rên­cia. Es­te plano te­ra­pêu­ti­co (so­ma­tó­rio de mui­tos ou­tros) leva tam­bém em con­ta o so­ma­tó­rio de ou­tros di­ag­nós­ti

Fre­de­ri­co Cardoso, mi­nis­tro de Es­ta­do e che­fe da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te João Lourenço, dis­se no 06.12 que o ac­tu­al exe­cu­ti­vo re­pre­sen­ta o “fim da épo­ca de de­la­pi­da­ção do erá­rio pú­bli­co e de des­res­pon­sa­bi­li­za­ção pe­la gestão das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do”. Fre­de­ri­co Cardoso, que pro­ce­deu ho­je, em Lu­an­da, ao lan­ça­men­to pú­bli­co do Plano Estratégico de Prevenção e Com­ba­te à Cor­rup­ção em Angola, dis­se que che­ga­ram tam­bém ao fim os “des­vi­os pa­ra fins pes­so­ais de re­cur­sos, que deviam aten­der a ne­ces­si­da­des ina­diá­veis nos do­mí­ni­os da saúde, edu­ca­ção e sa­ne­a­men­to bá­si­co”. Se­gun­do o go­ver­nan­te, pa­ra a ta­re­fa do com­ba­te à cor­rup­ção em Angola é cha­ma­da to­da a sociedade, que de­ve es­tar em­pe­nha­da, agin­do de mo­do con­cer­ta­do, com de­ve­res es­pe­cí­fi­cos e res­pon­sa­bi­li­da­des par­ti­lha­das. “Va­mos me­lho­rar a co­or­de­na­ção e a troca de in­for­ma­ções en­tre as en­ti­da­des que exer­cem fun­ções de prevenção, de investigação e de jul­ga­men­to dos casos de cor­rup­ção”, dis­se Fre­de­ri­co Cardoso. O for­ta­le­ci­men­to da ca­pa­ci­da­de ope­ra­ti­va, téc­ni­ca e fi­nan­cei­ra dos ór­gãos pú­bli­cos en­vol­vi­dos no com­ba­te à cor­rup­ção e a me­lho­ria da trans­pa­rên­cia no aces­so à in­for­ma­ção da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca são ou­tras ac­ções a se­rem de­sen­vol­vi­das pa­ra com­ba­ter ao fe­nó­me­no. No ac­tu­al exe­cu­ti­vo, se­gun­do o mi­nis­tro de Es­ta­do e che­fe da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da República, será exi­gi­do que se­jam ge­ri­dos “com ido­nei­da­de e pro­bi­da­de” os re­cur­sos hu­ma­nos na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e for­ta­le­ci­das as re­gras da con­tra­ta­ção pú­bli­ca. “Va­mos me­lho­rar o qua­dro le­gal do com­ba­te à cor­rup­ção, va­mos apri­mo­rar os pro­ce­di­men­tos pa­ra tor­nar mais cé­le­re o tra­ta­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo e ju­di­ci­al dos casos de cor­rup­ção, va­mos en­vol­ver de mo­do mais ac­ti­vo os ci­da­dãos, a sociedade ci­vil, o sec­tor em­pre­sa­ri­al, e va­mos aju­dar a di­fun­dir as boas prá­ti­cas de trans­pa­rên­cia no sec­tor em­pre­sa­ri­al”, dis­se. Va­mos en­tão. Aliás, o mes­mo rep­to foi lan­ça­do pe­lo an­te­ri­or Pre­si­den­te com a Lei da Pro­bi­da­de que, re­cor­de-se foi um fi­as­co mo­nu­men­tal. Se­ja como for, fal­ta ape­nas sa­ber se va­mos de der­ro­ta em der­ro­ta até à der­ro­ta fi­nal ou, como gos­ta­ría­mos, de vi- tó­ria em vi­tó­ria até à vi­tó­ria fi­nal. A ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, sa­li­en­tou o mi­nis­tro, o Go­ver­no vai con­ti­nu­ar a as­se­gu­rar a par­ti­ci­pa­ção de Angola nos fó­runs in­ter­na­ci­o­nais de lu­ta con­tra a cor­rup­ção, pa­ra man­ter a co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral e mul­ti­la­te­ral e a co­o­pe­ra­ção ju­di­ci­al que for ne­ces­sá­ria. Se­gun­do Fre­de­ri­co Cardoso, as ac­ções enu­me­ra­das vão aju­dar a atin­gir os prin­ci­pais ob­jec­ti­vos do Plano Estratégico de Prevenção e Com­ba­te à Cor­rup­ção, en­tre eles a pro­mo­ção da integridade, trans­pa­rên­cia e a cul­tu­ra de pres­ta­ção de con­tas. Os ou­tros ei­xos pas­sam por me­lho­rar a pres­ta­ção de ser­vi­ços na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e pro­mo­ver o en­vol­vi­men­to da sociedade na prevenção e no com­ba­te à cor­rup­ção, bem como in­ten­si­fi­car a prevenção da cor­rup­ção e pro­mo­ver a integridade nos sec­to­res em­pre­sa­ri­ais pú­bli­co e pri­va­do. Por sua vez, o Pro­cu­ra­dor-Ge­ral da República (PGR) de Angola, Hél­der Pit­ta Grós, lem­brou que, es­te mês, completa-se um ano de ac­ti­vi­da­de des­te ór­gão de jus­ti­ça an­go­la­na que, “com es­cas­sos mei­os ma­te­ri­ais e hu­ma­nos, es­tru­tu­ra or­gâ­ni­ca de­sa­de­qua­da pa­ra ta­ma­nha ta­re­fa”, con­se­guiu res­pon­der aos de­sa­fi­os lan­ça­dos pe­lo Pre­si­den­te João Lourenço, de com­ba­te à cor­rup­ção, im­pu­ni­da­de e ne­po­tis­mo, en­tre ou­tras prá­ti­cas. Hél­der Pit­ta Grós re­fe­riu que, num ano, ape­sar das di­fi­cul­da­des, a PGR, “com em­pe­nho e ele­va­do espírito pa­trió­ti­co e de mis­são”, com a co­o­pe­ra­ção de ou­tras ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, con­cluiu e in­tro­du­ziu em tribunal “al­guns dos pro­ces­sos de gran­de en­ver­ga­du­ra e re­pre­en­são so­ci­al”. “O si­nal de que o com­ba­te à prá­ti­ca ilí­ci­ta que cor­rói a sociedade an­go­la­na foi dado. Quem até en­tão se sen­tia ou se con­si­de­ra­va aci­ma da lei, te­ve que aten­der à no­ti­fi­ca­ção da jus­ti­ça”, re­al­çou o Pro­cu­ra­dor-Ge­ral da República, sem ci­tar qual­quer caso.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.