MENTIRA PO­DE SER SÓLIDA MAS SERÁ SEM­PRE MENTIRA

Folha 8 - - POLÍTICA -

OMPLA , qual virgem (de es­qui­na de es­tra­da) ofen­di­da, mu­dou de lí­der mas con­ti­nua igual. João Lourenço con­ti­nua a pre­fe­rir ser as­sas­si­na­do pe­lo elo­gio do que sal­vo pe­la crí­ti­ca. Po­de, con­tu­do, es­tar des- can­sa­do. Não será o Folha 8 a “as­sas­si­ná-lo”. Pa­ra in­glês ver, o Pre­si­den­te re­ce­beu al­gu­mas per­so­na­li­da­des da sociedade, casos – en­tre ou­tros – de Ra­fa­el Mar­ques e Lu­aty Bei­rão. Ou se­ja, re­ce­beu crí­ti­cos do an­te­ri­or go­ver­no (do qual, aliás, foi fi­gu­ra de destaque) pa­ra, nu­ma efi­caz cam­pa­nha de mar­ke­ting, di­zer: “Es­tão a ver, até eles con­cor­dam co­mi­go”. É cla­ro que, sen­do for­te com os fra­cos, João Lourenço con­ti­nua no es­sen­ci­al a se­guir o ADN do par­ti­do que o for­mou e for­ma­tou, de­sen­co­ra­jan­do “as ten­ta­ti­vas de pro­vo­car dis­túr­bi­os e ins­ta­bi­li­da­de”, por aque­les que têm “um his­to­ri­al de des­trui­ção e de­sor­dem no país”. Até chegar ao Po­der, João Lourenço (como to­do o MPLA) ti­nha um ini­mi­go que lhe ti­ra­va o so­no, mes­mo não pas­san­do de um fan­tas­ma: Jonas Savimbi. No en­tan­to, des­co­briu que – pe­lo sim e pe­lo não – era ur­gen­te en­con­trar um bode ex­pi­a­tó­rio vi­vo pa­ra os pos­sí­veis fra­cas­sos, pa­ra a descoberta de mui­tos dos seus te­lha­dos de vi­dro, pa­ra jus­ti­fi­car jun­to do Po­vo, mas so­bre­tu­do da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal que lhe em­pres­ta milhões, a ra­zão pe­la qual a mon­ta­nha vai pa­rir um rato. E en­tão quem me­lhor do que a fa­mí­lia Dos San­tos (que ele pró­prio re­ve­ren­ci­a­va num pa­ra­dig­má­ti­co cul­to ca­ni­no) pa­ra “de­sem­pe­nhar” es­se pa­pel? Sen­do o pa­tri­ar­ca já um an­cião,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.