MININT DE AGEN­TE NO MO­XI­CO

Folha 8 - - CRONICA - SEDRICK DE CAR­VA­LHO O ministério do In­te­ri­or está a in­ves­ti­gar a mor­te vi­o­len­ta do agen­te Er­mi­ro Jam­ba Ca­li­ma, em vi­da afec­to à 10.ª unidade da Po­lí­cia de Guar­da Fronteiras, no Lum­ba­la-nguim­bo, pre­su­mi­vel­men­te as­sas­si­na­do por agen­tes do Sic-mo­xi­co no dia

Por ori­en­ta­ção do mi­nis­tro Ân­ge­lo da Vei­ga Ta­va­res, o co­man­dan­te-ge­ral da Po­lí­cia Nacional ins­tau­rou um inqué­ri­to pa­ra apu­rar as con­di­ções em que o agen­te Er­mi­ro Jam­ba foi mor­to no Mo­xi­co. O co­mis­sá­rio-ge­ral Paulo de Al­mei­da en­tre­gou a mis­são ao sub-co­mis­sá­rio José Fer­nan­des, e es­te des­lo­cou-se ao Lu­e­na no mês de No­vem­bro. Como é ób­vio, Ân­ge­lo da Vei­ga Ta­va­res não to­mou a de­ci­são por su­bi­ta­men­te ter per­ce­bi­do que a mor­te por es­pan­ca­men­to de um agen­te nas ce­las do SIC é um cri­me atroz e que cons­ti­tui uma ameaça gra­ve à integridade ins­ti­tu­ci­o­nal. Esta de­ci­são foi to­ma­da de­pois das denúncias na imprensa e pres­são da fa­mí­lia, que con­ti­nua in­con­so­lá­vel à pro­cu­ra de ex­pli­ca­ção e res­pon­sa­bi­li­za­ção. Antes, exac­ta­men­te no dia 28 de Se­tem­bro, a Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da República no Mo­xi­co ha­via ar­qui­va­do a quei­xa fei­ta por Da­ni­el Ca­li­ma, ir­mão de Er­mi­ro. A pro­cu­ra­do­ra Sel­ma Cunha es­cre­veu: “O as­sun­to Er­mi­ro Jam­ba Ca­li­ma foi su­jei­to a um inqué­ri­to em que se apu­rou não ter ha­vi­do cri­me, e sim um in­ci­den­te que re­sul­tou na sua mor­te. O ca­dá­ver pa­ra além da le­são no crâ­nio, não apre­sen­ta­va ou­tras mais. As­sim, não pro­ce­de o pe­di­do for­mu­la­do pe­lo Sr. Da­ni­el Tchiwa­pe Ca­li­ma”. En­quan­to a pro­cu­ra­do­ra fri­sa a le­são no crâ­nio como a úni­ca, as fo­tos mos­tram ou­tros he­ma­to­mas no cor­po de Er­mi­ro, tan­to no ros­to como nas cos­tas, om­bros e pei­to. É des­co­nhe­ci­da a ra­zão pa­ra a pro­cu­ra­do­ra ter omi­ti­do es­sas le­sões. In­sa­tis­fei­tos, os fa­mi­li­a­res fi­ze­ram tam­bém uma quei­xa à pro­cu­ra­do­ria mi­li­tar, sen­do Er­mi­ro po­lí­cia e mor­ri­do sob custódia po­li­ci­al. Des­sa quei­xa aguar­dam com es­pe­ran­ça um pro­nun­ci­a­men­to fa­vo­rá­vel. Mas vol­te­mos ao inqué­ri­to. Reu­ni­do com a fa­mí­lia, o ins­pec­tor do MININT in­for­mou que está em­pe­nha­do em “des­ven­dar a ver­da­de”, e por isso vi­si­tou a cadeia on­de mor­reu Er­mi­ro, in­ter­ro­gou os agen­tes do SIC que efec­tu­a­ram a sua de­ten­ção e tam­bém ques­ti­o­nou o co­man­dan­te pro­vin­ci­al, o co­mis­sá­rio Di­as do Nascimento Fer­nan­do Cos­ta. “Dis­se que nada nos po­dia di­zer so­bre es­ses en­con­tros por ser se­gre­do de jus­ti­ça”, in­for­mou Da­ni­el. Ao ins­pec­tor fo­ram en­tre­gues vá­ri­os do­cu­men­tos que cro­no­lo­gi­ca­men­te de­mons­tram as ten­ta­ti­vas de en­co­bri­men­to da re­al cau­sa da mor­te do agen­te, como a in­for­ma­ção do SIC do Lum­ba­la-nguim­bo on­de afir­ma que Er­mi­ro es­ta­va armado, de­cla­ra­ção des­men­ti­da pe­lo co­man­dan­te da unidade de Er­mi­ro. O inqué­ri­to poderá es­ten­der-se ao en­vol­vi­men­to do de­pu­ta­do ao parlamento pe­lo MPLA Má­rio Sa­lo­mão, apontado como a pes­soa que quei­xou-se de Er­mi­ro ao co­man­dan­te pro­vin­ci­al, co­nhe­ci­do tor­ci­o­ná­rio de ma­ni­fes­tan­tes em Lu­an­da, e es­te ci­ta­do como o man­dan­te do “cor­rec­ti­vo” que ori­gi­nou a mor­te. Re­cor­dar que Di­as do Nascimento era o co­man­dan­te pro­vin­ci­al de Lu­an­da em exer­cí­cio quan­do Al­ves Ka­mu­lin­gue e Isaías Cas­su­le fo­ram de­ti­dos e mor­tos. Cas­su­le foi ati­ra­do aos ja­ca­rés de­pois de es­pan­ca­do até à mor­te. Ao sur­gir in­dí­ci­os do en­vol­vi­men­to do de­pu­ta­do, de­ve­rá ser re­que­ri­da a ces­sa­ção da imunidade par­la­men­tar ao pre­si­den­te da As­sem­bleia da República. Quan­to ao co­man­dan­te pro­vin­ci­al, o ministério tem a ta­re­fa mais fa­ci­li­ta­da, sen­do ele hi­e­rar­qui­ca­men­te de­pen­den­te do co­man­dan­te-ge­ral e cu­jo car­go exer­ce por pro­pos­ta do mi­nis­tro do In­te­ri­or fei­ta ao pre­si­den­te da República. O des­pre­zo que a fa­mí­lia tem re­ce­bi­do por par­te de vá­ri­as ins­ti­tui­ções, como se não bas­tas­se o evi­den­ci­a­do pe­la pró­pria po­lí­cia, “tem cau­sa­do mui­to so­fri­men­to”. Nes­ta lis­ta se jun­ta o des­pre­zo da Te­le­vi­são Pú­bli­ca de Angola. Se­gun­do Da­ni­el Ca­li­ma, a TPA vi­o­lou gros­sei­ra­men­te a lei de imprensa ao não dar co­ber­tu­ra ao as­sas­si­na­to de Er­mi­ro, mes­mo de­pois de o director pro­vin­ci­al da es­ta­ção te­le­vi­si­va ter si­do di­rec­ta­men­te con­tac­ta­do. “Li­guei ao director da TPA, o se­nhor Er­nes­to, no dia 10 de Agos­to, per- gun­tan­do se do­mi­na­va o as­sun­to do agen­te mor­to nas ca­dei­as do SIC/MO­XI­CO, e ele res­pon­deu que sim, mas de­pois dis­se que a po­lí­cia não per­mi­tiu fa­zer o tra­ba­lho”, con­tou. Ain­da as­sim ori­en­tou uma equi­pa de re­por­ta­gem que foi ao lo­cal on­de de­cor­ria o óbi­to. Ali se fez vá­ri­as fil­ma­gens e en­tre­vis­tas às pes­so­as aos pran­tos. Quan­do aguar­da­vam que o ór­gão trans­mi­tis­se a re­por­ta­gem, vi­ram frus­tra­das as ex­pec­ta­ti­vas. Se­te di­as de­pois, vá­ri­as mu­lhe­res da fa­mí­lia se des­lo­ca­ram à de­le­ga­ção da TPA no Mo­xi­co em pro­tes­to “pe­la fal­ta de res­pei­to”. Em re­ac­ção, mais uma vez a te­le­vi­são gra­vou as de­cla­ra­ções dos fa­mi­li­a­res e no­va­men­te não foi exi­bi­da a re­por­ta­gem. “En­ten­de­mos que se a TPA não qui­ses­se exer­cer o pa­pel re­al pe­lo qual foi cri­a­da, se­ria bom se não fos­se à nos­sa ca­sa. O que fez é uma au­tên­ti­ca fal­ta de res­pei­to e abu­so con­tra a dig­ni­da­de das pes­so­as e da fa­mí­lia pe­lo mo­men­to em que se en­con­tra­va”, dis­se Ca­li­ma. Por es­sa hu­mi­lha­ção, uma quei­xa con­tra a TPA tam­bém foi re­me­ti­da à Pgr-mo­xi­co, ain­da sem res­pos­ta, que se pre­vê vir a ser igual à quei­xa fei­ta con­tra o SIC e co­man­dan­te pro­vin­ci­al por ser a mes­ma pro­cu­ra­do­ra a res­pon­sá­vel pe­la aná­li­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.