NI­NHO DE MA­RIM­BON­DOS

Folha 8 - - CRONICA -

va­tu­ra dos seus pró­pri­os pa­res, mais 100 anos de co­lo­ni­a­lis­mo lu­si­ta­no e 43 de uma clep­to­crá­ti­ca di­ta­du­ra, mais fas­cis­ta do que co­mu­nis­ta, o que os tor­na à par­ti­da me­nos pre­pa­ra­dos pa­ra ba­se­a­rem a sua vi­da em prin­cí­pi­os de in­te­gri­da­de e le­al­da­de in­te­lec­tu­ais e la­bo­rais co­mo se es­ti­ves­sem pre­sos a um des­ti­no de­ter­mi­nis­ta e tal­vez já sem quais­quer vín­cu­los e re­fe­rên­ci­as dos seus pais, avós e bi­sa­vós no que con­cer­ne a uma cer­ta fi­lo­so­fia e mo­do de vi­da as­sen­te na li­vre ini­ci­a­ti­va, cul­tu­ra do tra­ba­lho e da ini­ci­a­ti­va pri­va­da, e, da ne­ces­si­da­de ab­so­lu­ta de am­bi­ção, es­pí­ri­to de sa­cri­fí­cio, pre­pa­ra­ção, for­ma­ção e edu­ca­ção co­mo fer­ra­men­tas pa­ra se ven­cer na vi­da e sin­grar nos ne­gó­ci­os. Se­rá que os ma­rim­bon­dos são as­sim tão pou­cos co­mo JLO afir­mou em Por­tu­gal? E se­rá que os cer­ca de 30 mi­lhões de an­go­la­nos es­ta­rão com­pro­me­ti­dos e uni­dos nes­se in­tui­to e têm for­ça pa­ra os ani­qui­lar – mes­mo sa­ben­do-se que o eme­pe­li­a­lis­mo e im­pe­ri­a­lis­mo pseu­do-co­mu­nis­ta edu­ar­dis­ta cri­a­ram uma so­fis­ti­ca­da clas­se de san­gues­su­gas, que ha­bi­tu­a­da a mui­to e mui­to fá­cil di­nhei­ro e a uma to­tal im­pu­ni­da­de não se vai dei­xar per­se­guir nem ren­der bran­da­men­te? Em “Voando so­bre um Ni­nho de Cu­cos”, Mi­los For­man, re­a­li­za­dor da ex-Che­cos­lo­vá­quia, fez uma me­tá­fo­ra per­fei­ta en­tre a sua pró­pria vi­da e a do seu país, per­ce­ben­do que o que iria fil­mar não era ape­nas li­te­ra­tu­ra, mas a vi­da re­al, a vi­da que vi­veu des­de o seu nas­ci­men­to até à sua mor­te na dé­ca­da de ses­sen­ta. O Par­ti­do Co­mu­nis­ta no seu país (e país dos den­tis­tas do MPLA) era a en­fer­mei­ra do fil­me e do li­vro e era es­se mes­mo par­ti­do que de­ci­dia o que se po­dia e não po­dia fa­zer, o que ele era ou não era e o que se po­dia ou não po­dia di­zer. Era quem de­ter­mi­na­va on­de ca­da um de­ve­ria es­tar e on­de não po­de­ria ir, e no li­mi­te, até quem ca­da ci­da­dão era e o que não era. Es­te fil­me é uma ale­go­ria per­fei­ta so­bre o que ocor­re com uma so­ci­e­da­de que en­tre­ga um po­der ili­mi­ta­do nas mãos de um pu­nha­do de pes­so­as sem exi­gir, si­mul­ta­ne­a­men­te, que pres­tem con­tas. O Co­man­dan­te Su­pre­mo nes­te mo­men­to go­za des­se pe­sa­do re­gi­me e por me­lho­res que se­jam as su­as in­ten­ções, tra­ta-se de uma con­jun­tu­ra ar­ris­ca­da e pe­ri­go­sa. É a ale­go­ria de Angola que se en­tre­gou pas­si­va­men­te, pri­mei­ro aos por­tu­gue­ses, de­pois aos trai­do­res do MPLA e mais re­cen­te­men­te aos chi­ne­ses com as quais to­da a pa­chor­ra pa­ra ne­go­ci­ar é pou­ca. Angola, por um cer­to pris­ma, é uma so­ci­e­da­de fas­cis­ta, go­ver­na­da por ta­bus e nor­mas de con­du­ta, e, em que a nor­ma­li­da­de é de­ter­mi­na­da pe­la eli­te e to­da a ir­re­ve­rên­cia tra­zi­da pa­ra es­ta nor­ma­li­da­de e quo­ti­di­a­no dos an­go­la­nos é se­ve­ra­men­te cas­ti­ga­da, re­ve­lan­do-se es­te te­ma co­mo um dos prin­ci­pais quer do país quer do fil­me. Angola é um gi­gan­tes­co Hos­pi­tal Psi­quiá­tri­co co­mo aque­le on­de se de­sen­ro­la o fil­me, em que os seus do­en­tes vi­vem obe­di­en­te­men­te do­pa­dos, aman­sa­dos e sem quais­quer de­se­jos que não vi­ver dia após dia. O pro­ta­go­nis­ta do fil­me (que me­ta­fo­ri­ca­men­te re­pre­sen­ta o ci­da­dão co- mum an­go­la­no) vai con­tra es­ta nor­ma­li­da­de e ba­te de fren­te com o sis­te­ma aca­ban­do por ser ví­ti­ma de uma lo­bo­to­mia. Na mes­ma me­di­da o ci­da­dão an­go­la­no vi­ve lo­bo­to­mi­za­do ao pon­to de achar que a ga­so­sa, a gran­de cor­rup­ção, o ne­po­tis­mos, a ba­ju­la­ção e os rou­bos des­ca­ra­dos dos po­de­ro­sos ao erá­rio pú­bli­co mais não são que a nor­ma e pa­drão. O que pa­re­ce às ve­zes é que o po­vo an­go­la­no já de­sis­tiu e se aco­mo­dou a es­sa nor­ma­li­da­de im­pos­ta pe­lo MPLA, nor­ma­li­da­de que João Lou­ren­ço não con­se­gue mu­dar, pro­cras­ti­nan­do pa­ra as no­vas ge­ra­ções o ob­jec­ti­vo da ple­na de­mo­cra­cia, com to­dos os di­rei­tos e de­ve­res as­so­ci­a­dos. Não se sa­be se João Lou­ren­ço voa so­bre um ni­nho de ma­rim­bon­dos fe­ro­zes e pe­ri­go­sos ou de cu­cos pa­ra­si­tas e trai­ço­ei­ros ou até de cu­cos no sen­ti­do de lou­cos co­mo re­fe­ri num sen­ti­do não li­te­ral no iní­cio da cró­ni­ca. Mas é qua­se cer­to que se per­der a ba­ta­lha que tem con­tra os ma­rim­bon­dos e tam­bém a ba­ta­lha da di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca (bem mais di­fí­cil do que o que pa­re­ce pois nes­sa, os an­go­la­nos te­rão de par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te) vai per­der a guer­ra e Angola tor­nar-se-á nu­ma Gui­né-Bis­sau ou nu­ma Lí­bia. Se­rá acon­se­lhá­vel ao Co­man­dan­te que se­ja um ho­mem avi­sa­do e use mui­ta pru­dên­cia pois tal­vez es­tes trai­do­res da pá­tria se­jam si­mul­ta­ne­a­men­te pa­ra­si­tas, trai­ço­ei­ros, fe­ro­zes, pe­ri­go­sos e… lou­cos. E tal­vez os an­go­la­nos, so­zi­nhos, ain­da não es­te­jam pre­pa­ra­dos pa­ra pôr o país a la­bo­rar ao rit­mo lou­co dos di­as de ho­je.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.