LUTOU CON­TRA A COR­RUP­ÇÃO?

Folha 8 - - DESPORTO -

lu­ta con­tra a cor­rup­ção, im­pu­ni­da­de e ba­ju­la­ção de­ve con­ti­nu­ar a ser ba­lu­ar­te dos mi­li­tan­tes do MPLA, vi­san­do a es­ta­bi­li­da­de so­ci­o­e­co­nó­mi­ca do país. De­ve con­ti­nu­ar? Mas al­gu­ma vez exis­tiu? Se to­dos os cor­rup­tos co­nhe­ci­dos (pa­ra além dos que se pre­su­me) são do MPLA, não adi­an­ta cha­mar a ra­po­sa pa­ra de­fen­der as ga­li­nhas. O ape­lo pa­ra os mi­li­tan­tes do par­ti­do no po­der des­de 1975 vem do mem­bro do Co­mi­té Pro­vin­ci­al do MPLA no Hu­am­bo, José Ma­nu­el dos San­tos, du­ran­te a pa­les­tra so­bre a “Gé­ne­se, tra­jec­tó­ria e as li­de­ran­ças do MPLA ao lon­go do per­cur­so his­tó­ri­co, des­de 1956 a 2018”. Pa­ra tal, exor­tou mais es­te mis­ti­fi­ca­dor ofi­ci­al, os mi­li­tan­tes de­vem em­pe­nha­rem-se, ao má­xi­mo, no cum­pri­men­to de to­das as ori­en­ta­ções, o que vai tor­nar o par­ti­do mais trans­pa­ren­te. Bem que, ao me­nos, os di­ri­gen­tes do MPLA po­de­ri­am per­der a ar­ro­gân­cia que os leva a pen­sar que são in­te­lec­tu­al­men­te su­pe­ri­o­res e que, por isso, po­dem pas­sar à es­ma­ga­do­ra maioria dos angolanos (so­bre­tu­do aos nos­sos 20 milhões de po­bres) cons­tan­tes ates­ta­dos de ma­tum­bez. Fa­lar de trans­pa­rên­cia num par­ti­do que sem­pre foi opa­co é como fa­lar de ja­ca­rés ve­ge­ta­ri­a­nos, de ba­gres vo­a­do­res ou de lo­en­gos a nas­ce­rem nas man­guei­ras. “Ho­je o par­ti­do é o que go­ver­na, por isso é pre­ci­so cum­prir as ori­en­ta­ções do seu Pre­si­den­te nas lu­tas que tem es­ta­do a abra­çar, no sen­ti­do de tor­nar os co­mi­tés de ac­ções e os mi­li­tan­tes em ver­da­dei­ros ac­ti­vis­tas po­lí­ti­cos do MPLA, mas tam­bém, vi­ra­dos no cam­po do de­sen­vol­vi­men­to so­ci­o­e­co­nó­mi­co do país, em prol do bem- es­tar dos angola- nos”, de­fen­deu a cri­a­tu­ra, es­que­cen­do- se de re­cor­dar que o par­ti­do go­ver­na há 43 anos e – re­pi­ta- se – que João Lourenço ain­da não des­co­briu ne­nhum trai­dor ou ma­rim­bon­do que não fos­se do… MPLA. Du­ran­te a pa­les­tra, de aber­tu­ra da jor­na­da do 10 de De­zem­bro, Dia da fun­da­ção do MPLA, José Ma­nu­el dos San­tos acon­se­lhou os mi­li­tan­tes a se­rem fir­mes nos ide­ais do par­ti­do que, ao lon­go do seu per­cur- so his­tó­ri­co, ob­ser­vou vá­ri­as mu­dan­ças, mas de forma pa­cí­fi­ca e com maturidade que nu­tre esta agre­mi­a­ção. Aqui a cri­a­tu­ra tem ra­zão, re­co­nhe­ce­mos. Re­pa­re- se (…) “ao lon­go do seu per­cur­so his­tó­ri­co, ob­ser­vou vá­ri­as mu­dan­ças, mas de forma pa­cí­fi­ca e com maturidade”. De fac­to, que me­lhor exem­plo de pa­ci­fis­mo e maturidade po­de­ría­mos crer do que aque­le que levou, no dia 27 de Maio de 1977, os di­ri­gen­tes do MPLA – a co­me­çar pe­lo seu pre­si­den­te, Agostinho Neto – a man­dar as­sas­si­nar mi­lha­res e mi­lha­res de angolanos… do MPLA? José Ma­nu­el dos San­tos con­si­de­rou po­si­ti­vo o per­cur­so his­tó­ri­co do MPLA, ten­do em con­ta o fac­to de ter con­quis­ta­do a in­de­pen­dên­cia, con­so­li­da­do a integridade ter­ri­to­ri­al, a unidade nacional, im­plan­ta­do a de­mo­cra­cia, o mul­ti­par­ti­da­ris­mo, o sis­te­ma de co­mér­cio li­vre, en­tre vá­ri­as mu­dan­ças im­por­tan­tes que ocor­re­ram no país. Com po­lí­ti­cos des­te ní­vel o MPLA tem o futuro ga­ran­ti­do. Bas­ta man­tê-los sem­pre com as pa­las (ca­da uma das du­as pe­ças que se co­lo­cam na par­te la­te­ral exterior de ca­da um dos olhos de cer­tos ani­mais, pa­ra di­mi­nuir a vi­são la­te­ral) mas de mo­do a que vejam bem o chi­co­te da fu­ba podre, do pei­xe podre e da por­ra­da se re­fi­la­rem. Como bons re­pe­ti­do­res, acé­fa­los mas com voz, es­tes pig­meus men­tais li­mi­tam-se a ba­ju­lar o se­nhor das “ordens su­pe­ri­o­res”, re­pe­tin­do até à exaus­tão o que lhes man­dam, mes­mo não sabendo o sig­ni­fi­ca­do do que es­tão a di­zer. O Pre­si­den­te da República, João Lourenço, en­co­ra­jou (em te­se) as ac­ções de fis­ca­li­za­ção, ins­pec­ção e au­di­to­ria con­tra a cor­rup­ção. E se ele dis­se isso, os re­pe­ti­do­res… re­pe­tem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.