O CON­CEI­TO DE AMI­GO

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WIL­LI­AM TONET kui­[email protected]­mail.com

Hoje é 25 de De­zem­bro de 2018, pa­ra os cris­tãos, prin­ci­pal­men­te ca­tó­li­cos, é o dia de nas­ci­men­to de Cris­to, fi­lho de Deus, que en­vi­a­do à ter­ra, pe­lo Pai, se tor­nou ami­go de to­dos os se­me­lhan­tes, com quem se cru­zou, fun­da­men­tal­men­te, quan­do cha­ma­do a de­bi­tar so­li­da­ri­e­da­de. Ami­go é o con­cei­to atri­buí­do a al­guém de quem se tem um sen­ti­men­to de afec­to, con­si­de­ra­ção e res­pei­to. Mui­tos se con­si­de­ram ami­gos na ad­ver­si­da­de, prin­ci­pal­men­te, quan­do ines­pe­ra­da­men­te re­ce­bem do ou­tro, um bra­ço ou abra­ço. Pa­ra se cha­mar al­guém de ami­go não é ne­ces­sá­ria a con­vi­vên­cia diá­ria, os mes­mos gos­tos, von­ta- des e vi­sões fi­lo­só­fi­cas ou ide­o­ló­gi­cas. Ami­go, por ve­zes, po­de ser um con­trá­rio, que pa­re­cen­do confrontar o ou­tro, vi­sa ape­nas aler­tá-lo so­bre o co­me­ti­men­to de er­ros e o tri­lhar de ca­mi­nhos si­nu­o­sos, na sua ac­ção diá­ria. O ami­go, que não está gru­da­do nos cor­re­do­res do poder, anda em sen­ti­do con­trá­rio aos ba­ju­la­do­res da cor­te, por pre­fe­rir, não as­sas­si­nar pe­lo elo­gio, mas salvar pe­la crí­ti­ca. A in­tro­du­ção de­ve-se ao fac­to, co­mo nun­ca an­tes em to­dos os De­zem­bros da mi­nha vida, ter sido mi­mo­se­a­do com o con­cei­to: ami­go Wil­li­am; Wil­li­am ami­go; ami­go Wil­li­am do João Lou­ren­ço, etc., etc. e tal e ou­tras cri­a­ções ou­sa­das, to­das a pro­pó­si­to de, na entrevista colectiva, con­ce­di­da aos jor­na­lis­tas, no 21 de De­zem­bro de 2018, na res­pos­ta a uma per­gun­ta por mim for­mu­la­da, mar­gi­nal aos 20 mi­lhões de po­bres, aos 500 mil pos­tos de tra­ba­lho, ao co­nhe­ci­men­to re­al dos mon­tan­tes ilí­ci­tos do di­nhei­ro a re­pa­tri­ar, quan­to já re­tor­nou e quem são os prin­ci­pais re­sis­ten­tes (por até, 21.12.18, não te­rem da­do in­di­ca­ção, de ab­di­ca­rem da pro­me­ti­da co­er­ci­bi­li­da­de da lei), o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca deu-lhe in­ti­mi­da­de. A mi­nha per­gun­ta foi so­bre as ra­zões de o Pre­si­den­te ab­di­car de um “PAC­TO DE RE­GI­ME”, com to­das as for­ças par­ti­dá­ri­as e in­te­lec­tu­ais de vá­ri­as ma­ti­zes, no com­ba­te à cor­rup­ção, por ao in­vés de ter ro­bus­tez ju­rí­di­ca, as­sen­tar em viés político, po­den­do fra­gi­li­zar uma lu­ta her­cú­lea e in­te­res­san­te pa­ra a mo­ra­li­za­ção da so­ci­e­da­de e agen­tes pú­bli­cos da po­lí­ti­ca an­go­la­na. Na res­pos­ta, abal­ro­an­do, com subtileza, a per­gun­ta, mi­mo­se­ou-me o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, pa­ra meu es­pan­to, com o epí­te­to de ami­go Wil­li­am… E, nes­se con­cei­to de ami­go, re­me­mo­rei, os “on­tens” par­ti­lha­dos, na eu­fo­ria do iní­cio de uma re­vo­lu­ção, que au­gu­rá­va­mos po­pu­lar, mas res­va­lou, pe­la am­bi­ção de uns poucos lí­de­res, na di­ta­du­ra, na dis­cri­mi­na­ção, nos as­sas­si­na­tos se­lec­ti­vos, em gu­er­ra ci­vil, no en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to e na po­bre­za ge­ne­ra­li­za­da. Nes­te 25 de De­zem­bro de 2018 agra­de­ço pu­bli­ca­men­te ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Ma­nu­el Gonçalves Lou­ren­ço, por me ter re­co­nhe­ci­do co­mo ami­go, não pa­ra aplau­dir (creio, ho­nes­ta­men­te, pe­la es­pon­ta­nei­da­de), ba­ju­la­do­ra­men­te, os seus ac­tos, mesmo os ne­ga­ti­vos, vi­san­do a ob­ten­ção de con­tra­par­ti­das, fi­nan­cei­ras ou ma­te­ri­ais, mas es­tar à al­tu­ra de, co­mo jor­na­lis­ta li­vre, in­de­pen­den­te e com­pro­me­ti­do com a ci­da­da­nia dos po­bres, es­po­li­a­da des­de 1975, con­ti­nu­ar a de­nun­ci­ar ex­ces­sos, des­va­ri­os, abusos de poder, mesmo cor­ren­do ris­cos de to­da es­pé­cie de in­jus­ti­ças, co­mo as im­pos­tas pe­lo re­gi­me, que me des­po­jou de to­dos os tí­tu­los. A função e mis­são de um jor­na­lis­ta pa­trió­ti­co não é só apon­tar er­ros e de­nun­ci­ar, sus­pei­ções ou rou­bos, mas é, tam­bém, apon­tar ca­mi­nhos, dar con­se­lhos, por mais du­ros e fron­tais, que se­jam, a quem exer­ce as mais no­bres fun­ções pú­bli­cas, co­mo se faz a um ami­go. Um for­te Kan­dan­do, ami­go João Lou­ren­ço. TAMOJUNTO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.