BO­AS IN­TEN­ÇÕES NÃO CHE­GAM

Folha 8 - - DESTAQUE -

OPre­si­den­te João Lou­ren­ço, co­mo afir­ma­mos, an­te­ri­or­men­te, ga­ran­tiu (21.12.18) que o re­pa­tri­a­men­to co­er­ci­vo de ca­pi­tais co­me­çou a con­tar a par­tir de 26 de De­zem­bro mas avi­san­do que o pro­ces­so po­de le­var mais de 20 anos a es­tar con­cluí­do. Por al­gu­ma ra­zão, a so­mar aos 43 anos que já le­va no Poder, se ad­mi­te que o MPLA pre­ci­sa de mais 57 pa­ra pôr a ca­sa em or­dem… O Che­fe de Es­ta­do – que é igual­men­te Pre­si­den­te do MPLA e Ti­tu­lar do Poder Exe­cu­ti­vo – ad­mi­tiu ser pre­ci­so ter cal­ma pa­ra, co­mo diz o can­tor por­tu­guês Pedro Abru­nho­sa, fazer o que ain­da não foi fei­to. E as­sim sen­do, na­da co­mo es­pe­rar mais uns lon­gos anos pa­ra, de­fi­ni­ti­va­men­te, se con­cluir que a mon­ta­nha con­ti­nu­a­rá cheia de do­res mas sem con­se­guir pa­rir um rato. “É um fe­nó­me­no que ocor­reu ao lon­go de anos e não me pa­re­ce que pu­dés­se­mos re­sol­ver em seis me­ses, re­fe­ren­te ao pe­río­do de graça”, fri­sou João Lou­ren­ço. E fri­sou mui­to bem. Se Ro­ma e Pa­via não se fi­ze­ram num dia, se em 43 anos de in­de­pen­dên­cia ain­da só con­se­gui­mos ge­rar ri­cos e não riqueza, “pro­du­zir” 20 mi­lhões de po­bres e ter a cer­te­za de que 86% das nossas cri­an­ças dos 0 aos 23 me­ses es­tão pri­va­das de uma ali­men­ta­ção ade­qua­da e nes­ta fai­xa cer­ca de 75% es­tão igual­men­te pri­va­das de uma ha­bi­ta­ção, 71,8% da saú­de, 53,8% da água po­tá­vel, não é pre­ci­so ter pres­sa. Aliás, em­bo­ra se sai­ba que o An­go­la é uma es­pé­cie de au­to­mó­vel que te o mo­tor gri­pa­do, os nos­sos ilus­tres e in­te­lec­tu­al­men­te su­pe­ri­o­res dig­ni­tá­ri­os político-go­ver­na­ti­vos acham que não é pre­ci­so subs­ti­tuir, ou pe­lo me­nos re­pa­rar, o mo­tor. Bas­ta, di­zem, mu­dar o mo­to­ris­ta. Por­tan­to, siga a far­ra! Pa­ra João Lou­ren­ço, o fac­to de ha­ver um pra­zo de iní­cio do programa, não per­mi­te pen­sar-se (“não é jus­to”) que na da­ta exac­ta to­dos os re­cur­sos re­gres­sam ao país. Anda bem que o Pre­si­den­te es­cla­re­ceu es­te as­pec­to. É que to­dos es­tá­va­mos a pen­sar que, gra­ças a ele, subs­ti­tuin­do a an­te­na do rá­dio o mor­to co­me­ça­va lo­go a tra­ba­lhar. Obri­ga­do, Pre­si­den­te, pe­la pe­da­go­gia. “Ar­ran­ca a 26 de De­zem­bro e não tem da­ta li­mi­te. Po­de le­var dez anos, 20 anos, le­va o tem­po que for ne­ces­sá­rio, no meu man­da­to ou de quem me for subs­ti­tuir nos pró­xi­mos anos. Is­to é um programa pa­ra ter con­ti­nui­da­de”, su­bli­nhou João Lou­ren­ço, omi­tin­do, con­tu­do, um por­me­nor que é vi­tal pa­ra o en­ten­di­men­to des­te programa. É que to­dos pre­ci­sam de sa­ber que a con­ti­nui­da­de só po­de ser con­se­gui­da (as­sim apren­de­mos nos úl­ti­mos 43 anos) se o MPLA nun­ca dei­xar de es­tar no Poder. João Lou­ren­ço tam­bém re­fe­riu que as re­la­ções com o ex-che­fe de Es­ta­do, do qual foi nú­me­ro dois no MPLA e mi­nis­tro da De­fe­sa, José Edu­ar­do dos San­tos, são nor­mais. Afas­ta-se as­sim o re­ceio de al­guns fa­mi­li­a­res de que o an­te­ri­or pre­si­den­te (uma es­pé­cie – no di­zer de João Lou­ren­ço – de ma­rim­bon­do trai­dor que dei­xou os co­fres va­zi­os) po­de­ria ser pre­so ou até mesmo as­sas­si­na­do. Po­de­ria? Po­de­rá? Ve­re­mos…

As­sim sen­do, na­da co­mo es­pe­rar mais uns lon­gos anos pa­ra, de­fi­ni­ti­va­men­te, se con­cluir que a mon­ta­nha con­ti­nu­a­rá cheia de do­res mas sem con­se­guir pa­rir um rato.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.