SE­PA­RA­ÇÃO OU ACU­MU­LA­ÇÃO DE PO­DE­RES

Folha 8 - - DESTAQUE -

O prin­cí­pio da se­pa­ra­ção de po­de­res entre o Exe­cu­ti­vo, Le­gis­la­ti­vo e Ju­di­ci­al foi re­fe­ri­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, co­mo mar­co que não se pre­ten­de vi­o­lar. Mais uma vez o Pre­si­den­te acer­tou na mu­che. Só falta sa­ber, e a ex­pli­ca­ção se­rá da­da com cer­te­za da­qui a um ano na pró­xi­ma entrevista colectiva, co­mo é pos­sí­vel se­pa­rar um mar­co que faz par­te da iden­ti­da­de, do ADN, do MPLA. É que não exis­te es­sa se­pa­ra­ção de po­de­res. Em to­dos os sec­to­res (Exe­cu­ti­vo, Le­gis­la­ti­vo e Ju­di­ci­al) quem manda e mais or­de­na é o MPLA, e que manda no MPLA é o seu Pre­si­den­te, por si­nal tam­bém Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e Ti­tu­lar do Poder Exe­cu­ti­vo. João Lou­ren­ço ad­mi­te que é pre­ci­so re­du­zir a mons­tru­o­sa má­qui­na do Es­ta­do, mas su­ge­re que ela de­ve ser fei­ta por fa­ses. Deu, aliás, um pa­ra­dig­má­ti­co exem­plo que só por si me­re­cia um No­bel pe­lo es­for­ço fei­to. En­tão é que con­se­guiu re­du­zir a com­po­si­ção do Exe­cu­ti­vo, pas­san­do dos 35 mi­nis­tros an­te­ri­o­res pa­ra me­nos de 30? É obra. As­sim se vê que tu­do irá con­ti­nu­ar na mes­ma, trans­fe­rin­do al­gu­mas “mos­cas” mas man­ten­do o es­sen­ci­al do seu meio ambiente. “Na­da po­de ser fei­to de for­ma brus­ca, sob pe­na de se re­sol­ver um pro­ble­ma e se abri­rem dois ou­tros”, re­al­çou o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, fa­zen­do uso da sua sá­bia e mes­si­â­ni­ca ca­pa­ci­da­de de li­de­ran­ça. Por ou­tras pa­la­vras, va­mos ten­tar no­va­men­te pôr o mo­tor (gri­pa­do) a fun­ci­o­nar, des­ta vez usan­do um rá­dio de pi­lhas… De uma for­ma ge­ral, o Pre­si­den­te es­te­ve igual a si pró­prio, de­bi­tan­do lu­ga­res-co­muns, ver­da­des de La Pa­li­ce. A cri­a­ção de um bom ambiente de ne­gó­ci­os, pa­ra que as em­pre­sas fun­ci­o­nem e cri­em bens e ser­vi­ços, cons­ta den­tre as ac­ções do Exe­cu­ti­vo pa­ra o au­men­to da ofer­ta de em­pre­go no país, afir­mou no dia 21, em Lu­an­da, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço. De acor­do com o Che­fe do Es­ta­do, a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, sig­ni­fi­ca tam­bém au­men­tar a ofer­ta de tra­ba­lho, pa­ra be­ne­fi­ci­ar, prin­ci­pal­men­te, a ju­ven­tu­de, sen­do que o programa de go­ver­na­ção do MPLA tem du­ra­ção de cin­co anos. João Lou­ren­ço afir­mou que, num es­pa­ço de um ano, em função da im­por­tân­cia que o Exe­cu­ti­vo dá ao sec­tor so­ci­al, se au­men­tou a fa­tia do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do de 3.6 por cen­to, em 2018, pa­ra 6.6 por cen­to pa­ra o OGE de 2019. De acor­do com o Che­fe de Es­ta­do, há seis me­ses, os hos­pi­tais Jo­si­na Ma­chel, Pe­diá­tri­co de Lu­an­da, Ge­ral de Lu­an­da e Amé­ri­co Bo­a­vi­da es­tão em con­di­ções de res­pon­der à de­man­da dos pa­ci­en­tes em ter­mos de me­di­ca­men­tos. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, co­mo atrás nos re­fe­ri­mos, res­pon­deu, não res­pon­den­do, à per­gun­ta do Fo­lha 8 so­bre a ne­ces­si­da­de de um pac­to de re­gi­me pa­ra a ques­tão do com­ba­te à cor­rup­ção e pa­ra o re­pa­tri­a­men­to de ca­pi­tais. A pri­mei­ra des­tas “en­tre­vis­tas co­lec­ti­vas”, em Ja­nei­ro, pas­sou a ser con­si­de­ra­da com um mar­co na his­tó­ria de An­go­la. É ver­da­de que a de­ci­são con­tras­tou com a pra­ti­ca­men­te au­sên­cia de en­tre­vis­tas con­ce­di­das pe­lo an­te­ri­or che­fe de Es­ta­do, José Edu­ar­do dos San­tos, que es­te­ve 38 anos no poder. Mas tam­bém con­tras­ta­ria se fos­se fei­ta ape­nas uma por man­da­to ou por dé­ca­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.