TU­DO SO­BE CON­TRA O PO­BRE

Folha 8 - - DESTAQUE -

A des­va­lo­ri­za­ção cam­bi­al me­xe com to­da a es­tru­tu­ra de pre­ços da eco­no­mia, au­men­tan­do a ta­xa de in­fla­ção, re­duz o po­der de com­pra dos con­su­mi­do­res, ge­ra au­men­to das ta­xas de ju­ro do ban­co cen­tral, en­ca­re­cen­do o pre­ço do di­nhei­ro na ban­ca co­mer­ci­al, en­tre ou­tras con­sequên­ci­as di­rec­tas e in­di­rec­tas. Fal­ta de es­tí­mu­lo pa­ra o in­ves­ti­men­to. Qual­quer mo­e­da é an­tes de tu­do um meio de tro­ca, subs­ti­tuin­do a tro­ca di­rec­ta de bens por bens, co­mo era fei­ta há mui­tos sé­cu­los atrás. É atra­vés da mo­e­da cor­ren­te que per­mi­te os cál­cu­los de cus­tos e pro­vei­tos de pro­jec­tos e in­ves­ti­men­tos. Sen­do o Kwanza uma mo­e­da de cir­cu­la­ção fe­cha­da, ins­tá­vel, sen­do das mo­e­das que mais caiu em va­lor em 2015 e já no ano de 2016 te­ve num só dia a opor­tu­ni­da­de de cair 15% (04/01/2016), tal com­por­ta­men­to cam­bi­al in­flu­en­cia ne­ga­ti­va­men­te a von­ta­de de in­ves­tir num país com es­te cri­té­rio de­pre­ci­a­ti­vo. Qu­an­do in­ves­ti­do­res in­ves­tem — prin­ci­pal­men­te os es­tran­gei­ros —, eles es­tão, na prá­ti­ca, com­pran­do um flu­xo de ren­da ou lu­cro fu­tu­ro. Pa­ra que in­ves­ti­do­res (na­ci­o­nais ou es­tran­gei­ros) in­vis­tam ca­pi­tal em ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas, eles têm de ter um mí­ni­mo de cer­te­za e se­gu­ran­ça de que te­rão um re­tor­no po­si­ti­vo. Mas se a uni­da­de de con­ta é di­a­ri­a­men­te dis­tor­ci­da e des­va­lo­ri­za­da, se sua de­fi­ni­ção é flu­tu­an­te, há ape­nas in­cer­te­za no la­do do in­ves­ti­dor, in­de­pen­den­te­men­te da sua ori­gem. Se um in­ves­ti­dor não faz a me­nor ideia de qual se­rá a de­fi­ni­ção da uni­da­de de con­ta no fu­tu­ro (sa­ben­do ape­nas que seu po­der de com­pra cer­ta­men­te se­rá bem me­nor), o mí­ni­mo que ele irá exi­gir se­rão re­tor­nos al­tos num cur­to es­pa­ço de tem­po, tam­bém por is­so os pre­ços e mar­gens apli­ca­das em An­go­la te­rão que ser ne­ces­sa­ri­a­men­te mai­o­res pa­ra com­pen­sar pos­sí­veis des­va­lo­ri­za­ções da mo­e­da. Pa­ra paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to co­mo An­go­la, que pre­ci­sam de in­ves­ti­men­tos es­tran­gei­ros, es­sa ques­tão da es­ta­bi­li­da­de da mo­e­da é cru­ci­al, tal co­mo o pon­to se­guin­te: o co­nhe- ci­men­to. E há ou­tro fac­tor: uma mo­e­da es­tá­vel cria as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra a trans­fe­rên­cia de co­nhe­ci­men­to. O co­nhe­ci­men­to acom­pa­nha o in­ves­ti­men­to: o ca­pi­tal es­tran­gei­ro vem acom­pa­nha­do de co­nhe­ci­men­to es­tran­gei­ro. Se um país des­va­lo­ri­za con­ti­nu­a­men­te a sua mo­e­da, ele es­tá man­dan­do um si­nal cla­ro aos in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros: man­te­nham o seu ca­pi­tal e co­nhe­ci­men­to nou­tros paí­ses. O má­xi­mo a que um país de mo­e­da fra­ca po­de as­pi­rar é uti­li­zar pa­ra fins de cur­to pra­zo o ca­pi­tal pu­ra­men­te es­pe­cu­la­ti­vo (o cha­ma­do “hot mo­ney”). Um país de mo­e­da for­te e es­tá­vel en­via um si­nal bem di­fe­ren­te ao mun­do: “tra­gam seu di­nhei­ro; man­dem pa­ra cá seus es­pe­ci­a­lis­tas; cons­tru­am as su­as fá­bri­cas aqui; en­si­nem-nos tu­do o que vo­cês sa­bem; e ri­que­za que vo­cês cri­a­rem aqui vol­ta­rá pa­ra vo­cês mul­ti­pli­ca­da e nu­ma mo­e­da que man­tém seu va­lor”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.