SAÚ­DE VAI DE MAL A PI­OR

Folha 8 - - NACIONAL -

An­go­la e os an­go­la­nos ini­ci­am nes­te 2019 um no­vo ci­clo. In­fe­liz­men­te, a Saú­de que, a par da Edu­ca­ção, de­ve­ria ser um sec­tor pri­vi­le­gi­a­do, mais não é do que um pa­ren­te po­bre do sis­te­ma, pa­ra des­gra­ça da mai­o­ria da po­pu­la­ção, que ou­tra al­ter­na­ti­va não tem, se­não o re­cur­so ao ser­vi­ço pú­bli­co de saú­de. Sem­pre fui co­nhe­ce­dor da fal­ta de fun­ci­o­na­li­da­de, des­de 1975 (por in­for­ma­ção e ar­qui­vos his­tó­ri­cos), do sis­te­ma pú­bli­co de Saú­de de An­go­la, por ter tra­ba­lha­do, afin­ca­da­men­te, nos seus cor­re­do­res e sen­tir a im­po­tên­cia do cor­po clí­ni­co e pro­fis­si­o­nal, por fal­ta de re­cur­sos de to­da a or­dem e o cla­mor dos pa­ci­en­tes po­bres, sem ou­tra pos­si­bi­li­da­de. Tra­ba­lhei no sec­tor de saú­de pri­va­do, em Lu­an­da, en­tre 2008 e 2011, de­pois de, por se­te (7) anos, ter es­tu­da­do e es­pe­ci­a­li­za­do no Rei­no Uni­do, re­tor­nan­do ao país, com uma car­ga emo­ci­o­nal e de es­pe­ran­ça ele­va­da em 2017, com o in­tui­to de ser­vir a pá­tria, nes­te sec­tor tão sen­sí­vel e im­por­tan­te, pa­ra a vi­da e saú­de dos ci­da­dãos. Se­ria, pa­ra mim, uma li­nha de his­tó­ria e de pro­gres­so se não fos­se tão dra­má­ti­co, ver­go­nho­so e crí­ti­ca a re­a­li­da­de dos hospitais e cen­tros mé­di­cos dos Ser­vi­ços Pú­bli­cos de Saú­de, em An­go­la, meu país na­tal, cu­jas an­gús­ti­as são tam­bém vi­vi­das por to­dos os pro­fis­si­o­nais, que as­sis­tem im­pá­vi­dos à im­plan­ta­ção de um dos pi­o­res sis­te­mas do mun­do, pe­los fac­tos que a se­guir pas­sa­mos a es­cal­pe­li­zar: 1- O Mi­nis­té­rio da Saú­de não va­lo­ri­za os qua­dros e pro­fis­si­o­nais an­go­la­nos do sec­tor, tão-pou­co pri­o­ri­za pes­so­as com for­ma­ção ex­cep­ci­o­nal. Ve­zes sem con­ta, as­sis­te-se a es­tran­gei­ros com con­tra­tos ge­ne­ro­sos, usu­fruí­rem de con­di­ções ex­cep­ci­o­nais, ne­ga­das a pro­fis­si­o­nais an­go­la­nos com igual ou su­pe­ri­or for­ma­ção e ex­pe­ri­ên­cia. Por ou­tro la­do, o con­cur­so pú­bli­co, pa­ra ad­mis­são de pes­so­al, no sis­te­ma de saú­de de tão con­fu­so, de­pois de me­ses de es­pe­ra, mais va­lia a pe­na nem ter acon­te­ci­do. E a per­gun­ta que fi­ca no ar é: “Quem ela­bo­rou tes­tes tão des­co­mu­nais”?; 2- A Saú­de Pú­bli­ca, em An­go­la, des­de 1975, ano da In­de­pen­dên­cia, nun­ca foi tra­ta­da, ao que pa­re­ce, co­mo pri­o­ri­da­de nos pla­nos go­ver­na­men­tais, não sen­do o fac­to, no­vi­da­de pa­ra nin­guém. Ob­vi­a­men­te por a mai­o­ria dos go­ver- nan­tes, sem ex­cep­ção, tal co­mo os ri­cos do re­gi­me, fre­quen­ta­rem clí­ni­cas no ex­te­ri­or do país, en­quan­to os hospitais pú­bli­cos, um atrás do ou­tro, dei­xam mui­to a de­se­jar. O meu so­nho de con­su­mo, qui­çá em 2019, é ver os go­ver­nan­tes tra­ta­rem-se, obri­ga­tó­ria e ex­clu­si­va­men­te, nos hospitais pú­bli­cos, sal­vo qu­an­do não te­nha de­ter­mi­na­das es­pe­ci­a­li­da­des; 3- O Mi­nis­té­rio da Saú­de cla­ma, pro­pa­gan­dis­ti­ca­men­te, aos qua­tro ven­tos, pre­ten­der hu­ma­ni­zar os pro­fis­si­o­nais de saú­de, mas es­te de­se­jo sem­pre foi equi­vo­ca­do nos an­te­ri­o­res ti­tu­la­res à actual mi­nis­tra, Síl­via Lu­tu­cu­ta. Co­mo re­que­rer qua­li­da­de nos Ser­vi­ços Pú­bli­cos de Saú­de com as pes­so­as a tra­ba­lhar em pés­si­mas con­di­ções, os mé­di­cos a do­brar tur­nos, pa­ra con­se­gui­rem au­men- to do sa­lá­rio/mês (e as­sim con­se­gui­rem co­lo­car co­mi­da a me­sa e pa­gar a es­co­la dos fi­lhos), qu­an­do o pro­ces­so ini­ci­al de­ve pas­sar pe­la va­lo­ri­za­ção sa­la­ri­al de quem cui­da da vi­da dos ci­da­dãos. Sem is­so é uma qui­me­ra, exi­gir me­lho­res ser­vi­ços aos pro­fis­si­o­nais de saú­de, pre­sos a to­da es­pé­cie de di­fi­cul­da­des e fal­ta de ma­te­ri­ais de tra­ba­lho. Nes­te que­si­to, fi­ca mui­to di­fí­cil aca­bar com a cor­rup­ção, prin­ci­pal­men­te nes­te sec­tor, se o tra­ba­lho de ba­se, não for fei­to, uma vez a ga­so­sa de­ter­mi­nar quem pas­sa pri­mei­ro na fi­la de aten­di­men­to ao con­sul­tó­rio mé­di­co ou blo­co ope­ra­tó­rio, não por fal­ta de hu­ma­nis­mo, mas pe­lo ób­vio, que ilu­mi­na to­da uma ca­deia fun­ci­o­nal, que en­con­tra hu­ma­nos, ca­da um com as su­as di­fi­cul­da­des e for­ma de en­ca­rar a re­a­li­da­de; 4- Os pro­fis­si­o­nais de saú­de, in­cluin­do mé­di­cos, es­pe­ci­a­lis­tas e de­mais qua­dros, não usu­fru­em de mei­os de trans­por­te, nem fa­ci­li­da­des ban­cá­ri­as (cré­di­to), pa­ra a sua aqui­si­ção, co­mo for­ma de fa­ci­li­tar a mo­bi­li­da­de do e pa­ra o lo­cal de tra­ba­lho. Mui­tos mé­di­cos têm de apa­nhar, di­a­ri­a­men­te, os fa­mo­sos can­don­guei­ros e os pou­cos au­to­car­ros (pre­cá­ri­os) dis­po­ni­bi­li­za­dos, que con­tri­bu­em pa­ra os atra­sos, que ori­gi­nam fal­tas e o con­se­quen­te cor­te no já ma­gro sa­lá­rio. Por ou­tro la­do, os pro­fis­si­o­nais que con­se­guem com­prar car­ro pre­ci­sam “fa­zer das tri­pas co­ra­ção” pa­ra man­ter o com­bus­tí­vel em dia qu­an­do, em sen­ti­do in­ver­so, mui­tos di­rec­to­res de hospitais pú­bli­cos, sem jus­ti­fi­ca­ti­va, des­fi­lam com je­eps

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.