COM 86% DE CRI­AN­ÇAS FAMINTAS, FESTEJA-SE O QUÊ?

Folha 8 - - CRONICA - BRANDÃO DE PINHO

Se pen­sar­mos bem, fes­te­jar a pas­sa­gem de ano é uma coi­sa que tan­to, tal­vez, ti­lin­te num ti­ni­do de ti­no co­mo que soe a ton­te­ria. Pri­mei­ro: é uma da­ta mun­di­al e per­fei­ta­men­te uni­ver­sal o que a tor­na ba­nal. Se­gun­do: nem se co­me­mo­ra san­to al­gum ou íco­ne e fes­ti­vi­da­de re­li­gi­o­sos que se­jam, nem da­ta co­me­mo­ra­ti­va de al­gum im­por­tan­te fei­to his­tó­ri­co lo­cal, re­gi­o­nal, na­ci­o­nal, con­ti­nen­tal ou ter­rá­queo. Ain­da mais sen­do mun­di­al, não acon­te­ce ao mes­mo tem­po em to­do o mun­do (se bem que is­so se apli­ca a qual­quer da­ta na ver­da­de), ou se­ja, ha­ven­do 24 fu­sos ho­rá­ri­os – a que se so­mam aque­les fu­sos das mei­as ho­ras dos paí­ses “não ali­nha­dos” -, e, sen­do que a pas­sa­gem de ano são os 12 se­gun­dos an­tes mais os 12 se­gun­dos de­pois da­que­le se­gun­do exac­to, se­gun­do tal, te­re­mos uma fes­ta e um fe­ri­a­do (aliás fe­ri­a­do e fes­ta têm no la­tim in­trin­ca­das “co-li­ga­ções”) de 24 se­gun­dos de fo­lia mul­ti­pli­ca­dos por 24 fu­sos (não con­ta­bi­li­zan­do a Ve­ne­zu­e­la, a Co­reia do Nor­te e ou­tros paí­ses exem­pla­res na óp­ti­ca da es­quer­da ex­tre­mis­ta e dos co­mu­nis­tas que não o MPLA, su­po­nho, que ain­da não re­viu a sua po­si­ção ide­o­ló­gi­ca, ape­sar dos seus con­gé­ne­res chi­ne­ses e por­tu­gue­ses já o te­rem fei­to (aliás o co­mu­nis­mo ci­en­tí­fi­co, ou me­lhor o so­ci­a­lis­mo ci­en­ti­fi­co pres­su­põe a evo­lu­ção ide­o­ló­gi­ca e eta­pas re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as) mas co­mo o “Eme” é mais uma agre­mi­a­ção de ami­gos com vis­ta ao seu bem co­mum e ao be­ne­fi­cio dos seus mem­bros, e, me­nos um par­ti­do po­lí­ti­co… es­tá tu­do bem). Ou se­ja, fes­te­ja­mos na da­ta do co­me­ço de um no­vo ano por­que te­mos um ca­len­dá­rio gre­go­ri­a­no ins­ti­tuí­do. Mas se pen­sar­mos bem, e a pro­pó­si­to de pas­sa­gens de con­jun­tos de uni­da­des tem­po­rais, mais im­por­tan­te do que a pas­sa­gem-de-ano que só dá di­rei­to a um fe­ri­a­do de um dia, é o cha­ma­do fim-de-se­ma­na ou fi­nal-de-se­ma­na por­que ao me­nos são 2 di­as de fol­ga, fes­ta ou fe­ri­a­do e têm uma pe­ri­o­di­ci­da­de de 7 di­as e não 365. Por is­so pro­po­nho que não se co­me­mo­re o fi­nal-de-ano e que se passe a fes­te­jar um ad­mi­rá­vel no­vo fe­ri­a­do 12 ve­zes por ano – o fi­nal-de-mês; apro­vei­tan­do-se pa­ra se cri­ar to­da uma pa­nó­plia de tra­di­ções e ri­tu­ais com o be­ne­plá­ci­to e chan­ce­la, por exem­plo, da So­ci­e­da­de das Na­ções ge­ral-se­cre­ta­ri­a­da pe­lo ben­to e bem-aven­tu­ra­do lu­só­fo­no São Gu­ter­res. Es­ta pre­mis­sa tem uma fa­lá­cia pois a da­ta da ce­le­bra­ção do úl­ti­mo fim-de-mês do ano coin­ci­de com a fu­tu­ra an­ti­ga ce­le­bra­ção do “Ré­veil­lon” e po­der-se-ia (ex­cep­ci­o­nal­men­te ape­nas nes­ta pas­sa­gem-de-mês) in­clu­si­ve (es­te ad­ver­bio é de­li­ci­o­so) in­cor­po­rar tra- di­ções e usos e cos­tu­mes e tu­do o mais do an­ti­qua­do ri­to tal co­mo a obri­ga­to­ri­e­da­de de ine­bri­a­ção e as 12 pas­sas, den­tre ou­tras. Um Con­cí­lio ur­ge! Eu vou su­ge­rir ape­nas du­as obri­ga­ções/tra­di­ções pa­ra es­te hi­po­té­ti­co fe­ri­a­do de fim-de-mês: 1- Ti­rar uma “sel­fie” de­bai­xo de uma fi­guei­ra e re­pli­cá-la, ou, não que­ren­do, ter que per­ma­ne­cer a me­di­tar “… no sen­ti­do da vi­da…” de­bai­xo des­se ve­tus­to “Fi­cus” du­ran­te uma ho­ra em po­si­ção de ló­tus ape­nas ves­ti­do com aque­la in­du­men­tá­ria fru­gal com que o Bu­da é re­pre­sen­ta­do, se­ja Ve­rão ou In­ver­no. 2- Co­mer ape­nas ali­men­tos do rei­no ve­ge­tal, e cha­mo a aten­ção que os co­gu­me­los per­ten­cem a ou­tro rei­no, o dos fun­gos por si­nal pe­lo que es­ta­ri­am proi­bi­dos, de cer­ta for­ma, a cer­ve­ja e ou­tras be­bi­das fer­men­ta­das por le­ve­du­ras bem co­mo o pão nos­so de ca­da dia cu­jo fa­bri­co tem por ba­se en­zi­mas e pro­ces­sos quí­mi­cos de fer­men­ta­ção al­coó­li­ca; e pa­ra além dis­so ali­men­tos lo­cais, o que em An­go­la an­te tal re­bal­da­ria (pa­la­vra que a mi­nha mãe usa mui­to e que não é in­cor­rec­ta) tal sig­ni­fi­ca­ria je­jum ab­so­lu­to pois in­de­co­ro­sa­men­te o país, pe­se em­bo­ra os inú­me­ros re­tor­na­dos e emi­gran­tes (pa­ra vo­cês imi­gran­tes) me ga­ran­ti­rem que An­go­la é um Éden de lei­te e de mel… …bem… pre­fi­ro guar­dar as mi­nhas co­gi­ta­ções pa­ra mim, mas de uma coi­sa es­tou cer­to, um país aben­ço­a­do pe­los deu­ses em que 86% das cri­an­ças são mal nu­tri­das, ge­nui­na­men­te não é um país. Po­de­rá ser ou­tra coi­sa qual­quer (um pla­ne­ta ex­tra-via lác­tea, uma sa­ni­ta cor de ro­sa pá­li­do ou uma cor­ren­te fi­lo­só­fi­ca) com qual­quer ou­tro no­me, mas país não é. Eu sei que D. Lou­ren­ço, ape­sar de uma for­tu­na de 50 mi­lhões de dó­la­res, é sen­sí­vel a es­ta ques­tão e cons­ta que tem uma vi­da só­bria e par­ca, mas ao me­nos que en­ver­go­nhe e de­nun­cie em pú­bli­co os que irão nes­te Ré­veil­lon, des­per­di­çar ca­vi­ar do Irão e mis­tu­rar por­tu­gue­sa e du­ri­en­se Bar­ca Ve­lha, es­ses ve­lha­cos, com Co­ca-Co­la e de­pois, mui­to na­tu­ral­men­te, nem vão be­ber des­sa mis­te­la nem co­mer a pas­ta as­que­ro­sa des­sas ovas de es­tur­jão. Te­nham ver­go­nha su­as de­mo­nía­cas cri­a­tu­ras, na ca­ra e mais on­de for, que um as­sun­to tão no­jen­to des­tes pro­vo­ca as­co. Pa­ra ter­mi­nar, de­se­jo do fun­do do meu co­ra­ção aos meus lei­to­res, mui­ta ale­gria ou pe­lo me­nos mo­de­ra­da, com vo­tos de que os vos­sos cé­re­bros pro­du­zam mui­ta se­ro­to­ni­na e que a re­cap­tu­rem com mui­to pou­ca efi­cá­cia… mas cui­da­do não se dei­xem ine­bri­ar por sen­ti­men­tos de fal­sa ale­gria pois de­pen­de de vós mu­da­rem o país – bas­ta um qua­se na­da to­dos os di­as – e de uma ma­nei­ra ge­ral ale­gria e fe­li­ci­da­de de­vem ser pro­du­zi­das por cau­sas e cou­sas na­tu­rais e não com re­cur­so a quí­mi­cos ou com­por­ta­men­tos ar­ris­ca­dos que li­ber­tem adre­na­li­na em de­ma­sia, o que tol­da o dis­cer­ni­men­to. Se ver­da­dei­ra­men­te que­reis ter o li­vre ar­bí­trio, as vos­sas de­ci­sões te­rão de ser to­ma­das sem in­fluên­ci­as que vos pos­sam ob­nu­bi­lar o ra­ci­o­cí­nio e o de­se­jo, mes­mo aque­las mais in­son­dá­veis. Dou du­as si­tu­a­ções co­mo exem­plo de per­da do li­vre ar­bí­trio e per­ca da fa­cul­da­de de jul­gar acer­ta­da­men­te: ter mui­ta fo­me e de­ci­dir a qua­li­da­de de um ali­men­to com­pra­do – nem pre­ci­sa de ser nu­ma zun­guei­ra – que po­den­do es­tar es­tra­ga­do vos pa­re­ce sa­lu­bre; ou, es­tan­do o vos­so cor­po cheio de tes­tos­te­ro­na achar­des que é acer­ta­da uma de­ter­mi­na­da de­ci­são do âm­bi­to se­xu­al que po­de­rá dar ori­gem a do­en­ças cha­tas (e ju­ro que não foi com in­ten­ção o tro­ca­di­lho com cha­tos), gra­vi­de­zes não pla­ne­a­das qu­an­to mais de­se­ja­das ou até con­fi­gu­rar cri­me e abu­so pa­ra com um ser mais frá­gil, e, que num es­ta­do de ho­me­os­ta­sia mais equi­li­bra­do (se me é per­mi­ti­do re­dun­dar) ja­mais acon­te­ce­ri­am. Pa­ra es­te úl­ti­mo ca­so há bom re­mé­dio. Já uma cor­ren­te fi­lo­só­fi­ca gre­ga – os Cí­ni­cos, que fez es­co­la em Ro­ma; (que vem de “ca­nis”, cão) se re­me­di­a­va, pa­ra ser to­tal­men­te in­te­lec­tu­al­men­te li­vre mes­mo que os seus mem­bros (e os mem­bros vi­ris des­ses mem­bros) fos­sem ri­di­cu­la­ri­za­dos por es­sa ex­tre­ma de­vo­ção a Onan e es­sa ob­ses­são nas vir­tu­des te­ra­pêu­ti­cas da au­to-sa­tis­fa­ção. Por­tan­to: Bom ano! E mui­ta ale­gria que nin­guém es­tá pa­ra atu­rar ta­ci­tur­nos!!!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.