E

Folha 8 - - CULTURA -

m ou­tras pa­la­vras, o Ga­bi­ne­te de Cul­tu­ra, Tu­ris­mo, Ju­ven­tu­de e Des­por­tos pe­la sua imo­bi­li­da­de cró­ni­ca pre­ci­sa, ur­gen­te­men­te, de uma re­a­ni­ma­ção pa­ra que pos­sa ser mais ac­tu­an­te na mas­si­fi­ca­ção das cul­tu­ras. En­ten­do que pe­lo fac­to do Cu­ne­ne, ge­o­gra­fi­ca­men­te, en­con­trar-se dis­tan­te das de­mais pro­vín­ci­as, ex­cep­to da Huí­la, não a di­mi­nuí e nem de­ve ser­vir de bóia de sal­va­ção pa­ra na­da ser fei­to. Mui­to me­nos ser­vir-se do dis­cur­so cri­se pa­ra ma­nu­ten­ção da fal­ta de vi­são e de es­tra­té­gia. Pe­lo con­trá­rio, o re­fe­ri­do ga­bi­ne­te de­ve e tem a obri­ga­ção ins­ti­tu­ci­o­nal, so­bre­tu­do go­ver­na­men­tal, de di­na­mi­zar, de in­cen­ti­var, de va­lo­ri­zar as cul­tu­ras e as ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais pro­por­ci­o­na­das pe­los di­fe­ren­tes sec­to­res so­ci­ais na pro­vín­cia.in­fe­liz­men­te, é um ga­bi­ne­te sem Cul­tu­ra, sem Tu­ris­mo, sem Ju­ven­tu­de e sem Des­por­tos pe­la sua ino­pe­rân­cia na vi­da cul­tu­ral da pro­vín­cia. Daí ser no- tó­rio a le­tar­gia em ti­rar pro­vei­to ao má­xi­mo das ri­cas e di­ver­sas va­lên­ci­as exis­ten­tes na pro­vín­cia. As­sis­te-se a obe­si­da­de no cum­pri­men­to das su­as ta­re­fas, en­quan­to ins­ti­tui­ção me­di­a­do­ra e de apoio aos in­ter­ve­ni­en­tes di­rec­tos nas di­vul­ga­ções e re­a­li­za­ções de di­fe­ren­tes ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais. Gra­ça al­guns mo­vi­men­tos que com es­for­ço pró­prio têm man­ti­do a cha­ma da cul­tu­ra meia ace­sa no Cu­ne­ne. No­ta-se que, o re­fe­ri­do ga­bi­ne­te, des­co­nhe­ce e em gran­de me­di- da, ou mes­mo na sua to­ta­li­da­de, a sua re­al fun­ção de servidor-di­na­mi­za­dor. Um da­do ad­qui­ri­do, por exem­plo, é que o Tu­ris­mo co­mo um meio de ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral e de ren­ta­bi­li­da­de qua­se que não exis­te no Cu­ne­ne. Se abor­da­gem for es­ten­di­da à cul­tu­ra co­mo meio de en­tre­ti­men­to e de la­zer, a tra­gé­dia é mai­or por sua ac­tu­a­ção ser de ta­ma­nha pre­ca­ri­e­da­de. Sin­ce­ra­men­te, é an­ti­pa­trió­ti­co qu­an­do se tem um ga­bi­ne­te que vi­ve do mé­ri­to do su­or alheio. Em sen­ti­do de re­tó­ri­ca, não de ape­dre­ja­men­to, qual é o es­ta­do dos des­por­tos no Cu­ne­ne? Quais são os mei­os e me­ca­nis­mos por par­te do Ga­bi­ne­te pa­ra que a ju­ven­tu­de se ex­pres­se nos diá­lo­gos cul­tu­rais? O re­fe­ri­do Ga­bi­ne­te tem fei­to o quê pa­ra a di­na­mi­za­ção cul­tu­ral no côm­pu­to ge­ral? Sem a pre­ten­são de um dis­cur­so in­cli­na­do, en­ten­do que se im­pe­ra a ne­ces­si­da­de de se ter um Ga­bi­ne­te de fac­to e não de fa­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.