TYOVA ATACA MA­RIM­BON­DOS

Folha 8 - - DESPORTO - O go­ver­na­dor da pro­vín­cia an­go­la­na do Ku­ne­ne, Vir­gí­lio da Res­sur­rei­ção Tyova, con­si­de­rou no 28.12.18 que a es­cas­sez de me­di­ca­men­tos que se sen­te nas uni­da­des sa­ni­tá­ri­as lo­cais é con­sequên­cia da “má ges­tão e pla­ni­fi­ca­ção dos agen­tes” do sec­tor. Pe­los vis­to

O ga­bi­ne­te pro­vin­ci­al da Saú­de tem fei­to a dis­tri­bui­ção de me­di­ca­men­tos aos hospitais, cen­tros e pos­tos de saú­de, mas es­tes não têm fei­to a me­lhor ges­tão e pla­ni­fi­ca­ção”, dis­se ho­je Vir­gí­lio da Res­sur­rei­ção Tyova, la­men­tan­do a re­cen­te in­ci­ne­ra­ção de 500 qui­lo­gra­mas de me­di­ca­men­tos fo­ra de pra­zo. Fa­lan­do na ce­ri­mó­nia de cum­pri­men­tos de fim de ano, o go­ver­nan­te ad­mi­tiu que o sec­tor da Saú­de na­que­la pro­vín­cia do sul de An­go­la “atra­ves­sa pro­ble­mas sé­ri­os”, que vão me­re­cer “me­lhor aten­ção em 2019, com a cons­tru­ção de no­vas uni­da­des sa­ni­tá­ri­as”. “Pre­ve­mos tam­bém a cons­tru­ção de ca­sas pa­ra mé­di­cos e en­fer­mei­ros em to­dos os mu­ni­cí­pi­os pa­ra me­lho­rar o ser­vi­ço”, ga­ran­tiu. O go­ver­na­dor re­fe­riu ain­da ter iden­ti­fi­ca­do ou­tros pro­ble­mas a ní­vel da pro­vín­cia, “que se­rão cor­ri­gi­dos com a re­mo­de­la­ção e re­for­ma do Go­ver­no da pro­vín­cia, ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais e co­mu­nais”. O go­ver­na­dor do Ku­ne­ne é, co­mo to­dos sa­bem, uma pes­soa aci­ma de qual­quer sus­pei­ta e de cre­di­bi­li­da­de im­po­lu­ta, ou não ti­ves­se si­do es­co­lhi­do por João Lou­ren­ço. Ve­ja­mos o que so­bre es­te ho­no­rá­vel po­lí­ti­co do MPLA es­cre­veu o Maka An­go­la em Ja­nei­ro de 2015: «Di­as após ter si­do elei­to de­pu­ta­do à As­sem­bleia Na­ci­o­nal pe­lo cír­cu­lo pro­vin­ci­al da Huí­la, Vi­gí­lio da Res­sur­rei­ção Ber­nar­do Tyova es­cre­veu ao mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas a so­li­ci­tar uma con­ces­são pa­ra a ex­plo­ra­ção, ex­trac- ção, co­mer­ci­a­li­za­ção e ex­por­ta­ção de quart­zo no mu­ni­cí­pio do Qui­len­gues. Na car­ta, da­ta­da de 18 de Se­tem­bro de 2012, o de­pu­ta­do Tyova apre­sen­ta­va-se co­mo só­cio-ge­ren­te, ad­vo­ga­do, “pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio” e 2.º se­cre­tá­rio do Co­mi­té Pro­vin­ci­al do MPLA na Huí­la. Até 2010, o em­pre­sá­rio exer­ceu o car­go de ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal do Lu­ban­go, pro­vín­cia da Huí­la, a se­de dos seus ne­gó­ci­os. Em pos­se do tí­tu­lo de ex­plo­ra­ção de gra­ni­to ne­gro n.º 1012/327/TE/DNLCM/2008 em Mpun­da, na co­mu­na da Quhi­ta, mu­ni­cí­pio da Chi­bia, o de­pu­ta­do pro­cu­ra­va as­sim au­men­tar o nú­me­ro de con­ces­sões em seu no­me. A Oma­ta­li é uma em­pre­sa fa­mi­li­ar na qual o de­pu­ta­do de­tém 75 por cen­to do ca­pi­tal, ca­ben­do aos seus fi­lhos a res­tan­te per­cen­ta­gem. Em dis­cur­sos ofi­ci­ais, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e a Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca têm de­fen­di­do so­bre­ma­nei­ra a cor­rup­ção, ora co­mo um me­ca­nis­mo de cri­a­ção da bur­gue­sia na­ci­o­nal ora por ale­ga­da fal­ta de pro­vas pa­ra a in­ves­ti­ga­ção de ser­vi­do­res pú­bli­cos sus­pei­tos de cor­rup­ção. No en­tan­to, o ca­so de Vi­gí­lio Tyova es­pe­lha me­lhor a ser­ven­tia das leis e da Cons­ti­tui­ção pa­ra os di­ri­gen­tes do MPLA. Na cor­res­pon­dên­cia, o de­pu­ta­do no­ta, no ca­be­ça­lho, que é ad­vo­ga­do e con­sul­tor, mes­tre e pós-gra­du­a­do em Di­rei­to. Lo­go, Vi­gí­lio Tyova co­nhe­ce bem as leis, sen­do tam­bém re­gen­te uni­ver­si­tá­rio de uma dis­ci­pli­na de Di­rei­to. A Cons­ti­tui­ção es­ta­be­le­ce que o man­da­to de de­pu­ta­do é in­com­pa­tí­vel com “o exer­cí­cio da fun­ção de ad­mi­nis­tra­ção, ge­rên­cia ou de qual­quer car­go so­ci­al em so­ci­e­da­des co­mer­ci­ais e de­mais ins­ti­tui­ções que pros­si­gam fins lu­cra­ti­vos” (art. 149.º, 2.º a). To­da­via, a 21 de Se­tem­bro de 2012, após a re­a­li­za­ção de uma as­sem­bleia ge­ral dois di­as an­tes, o de­pu­ta­do de­ci­diu afas­tar-se for­mal­men­te da ge­rên­cia e ad­mi­nis­tra­ção da so­ci­e­da­de. No­me­ou, pa­ra o efei­to, os ci­da­dãos João Edu­ar­do Gu­lo­fe e Fran­cis­co Pau­li­no Adriano. Man­tém-se, no en­tan­to, co­mo o pre­si­den­te e úni­co mem­bro da as­sem­bleia-ge­ral da Oma­ta­li. Um de­pu­ta­do e ju­ris­ta do MPLA ga­ran­te que “a fun­ção de mem­bro da as­sem­bleia-ge­ral de uma em­pre­sa é in­com­pa­tí­vel com o exer­cí­cio do car­go de de­pu­ta­do. A Cons­ti­tui­ção é cla­ra e se­ve­ra”. En­tre­tan­to, até ao ano pas­sa­do, Vi­gí­lio Tyova con­ti­nu­a­va a exer­cer cu­mu­la­ti­va­men­te vá­ri­os car­gos de ge­rên­cia de em­pre­sas su­as. Pre­ca­vi­do, Tyova man­tém as pre­si­dên­ci­as das as­sem­blei­as-ge­rais das re­fe­ri­das em­pre­sas, con­for­me pro­vam do­cu­men­tos em pos­se do Maka An­go­la. Pa­ra a pre­sen­te in­ves­ti­ga­ção, es­te por­tal cin­ge-se ape­nas a três em­pre­sas, con­for­me a nar­ra­ti­va que se se­gue. Ape­nas a 10 de Fe­ve­rei­ro de 2014, Vi­gí­lio Tyova apar­tou-se do car­go de ge­ren­te da AFRICAD – Pu­bli­ci­da­de e Mar­ke­ting Lda.. Man­tém o car­go de pre­si­den­te da as­sem­bleia-ge­ral, pe­la qual as­si­na em seu no­me e no da sua fi­lha me­nor, Ai­ro­sa Le­o­cá­dia de Can­dei­as e Tyova. Pai e fi­lha são os úni­cos só­ci­os da em­pre­sa. João Edu­ar­do Gu­lo­fe e Fran­cis­co Pau­li­no Adriano fo­ram no­me­a­dos ge­ren­tes na reu­nião da as­sem­bleia-ge­ral re­a­li­za­da pe­lo de­pu­ta­do e em re­pre­sen­ta­ção da sua fi­lha me­nor, em no­me de quem to­mou as de­ci­sões, as­si­nan­do por ela, a 10 de Fe­ve­rei­ro. Ou se­ja, a reu­nião re­a­li­zou-se com a pre­sen­ça de um in­di­ví­duo ape­nas, Vi­gí­lio Tyova. No mes­mo dia, 10 de Fe­ve­rei­ro de 2014, e à mes­ma ho­ra, 12h30, o de­pu­ta­do Vi­gí­lio Tyova di­ri­giu uma ou­tra as­sem­bleia-ge­ral re­fe­ren­te a uma ou­tra em­pre­sa, a Vi­vo­tours Lda. Nes­sa reu­nião, que tam­bém ti­nha co­mo pon­to úni­co a al­te­ra­ção da ge­rên­cia da so­ci­e­da­de, o di­ri­gen­te do MPLA no­me­ou João Edu­ar­do Gu­lo­fe e Fran­cis­co Pau­li­no Adriano pa­ra o subs­ti­tuí­rem no re­fe­ri­do car­go. As du­as reu­niões si­mul­tâ­ne­as ter­mi­na­ram exac­ta­men­te às 12h45 e, em re­la­ção à Vi­vo­tours, o de­pu­ta­do tam­bém reu­niu so­zi­nho e em re­pre­sen­ta­ção do seu fi­lho me­nor, Ai­res Ribeiro Can­dei­as e Tyova, por quem as­si­nou a ac­ta. Pai e fi­lho são os úni­cos só­ci­os da em­pre­sa. To­das es­tas em­pre­sas es­tão se­de­a­das na Huí­la, e as me­di­das fo­ram re­gis­ta­das em no­tá­rio pe­lo res­pon­sá­vel do Car­tó­rio No­ta­ri­al da Co­mar­ca da Huí­la, Luís Ta­va­res Mon­tei­ro de Car­va­lho. Con­tac­ta­do te­le­fo­ni­ca­men­te por Maka An­go­la, Vi­gí­lio Tyova ga­ran­te que “des­de que fui elei­to de­pu­ta­do tra­tei de subs­ti­tuir-me na ges­tão das em­pre­sas”. Vi­gí­lio Tyova ex­pli­ca ain­da que a AFRICAD “pra­ti­ca­men­te não fun­ci­o­na. Ini­ci­ou a sua ac­ti­vi­da­de no ano pas­sa­do mas não deu na­da. Con­tra­tá­mos um por­tu­guês pa­ra a ges­tão, mas que já foi em­bo­ra”. De acor­do com o de­pu­ta­do, o ra­mo da pu­bli­ci­da­de e do de­sign re­quer um ti­po de es­pe­ci­a­li­za­ção que o ges­tor por­tu­guês não pos­suía. Em re­la­ção à Oma­ta­li, o de­pu­ta­do es­cla­re­ce que a em­pre­sa mi­nei­ra “nem se­quer ini­ci­ou a sua ac­ti­vi­da­de ain­da. Es­ta­mos à es­pe­ra de es­tu­dos de vi­a­bi­li­da­de, que tam­bém po­de­rão fa­ci­li­tar o aces­so ao cré­di­to pa­ra a re­a­li­za­ção dos in­ves­ti­men­tos ne­ces­sá­ri­os”. So­bre a em­pre­sa de tu­ris­mo Vi­vo­tours, o de­pu­ta­do re­fe­re que a mes­ma até “foi inau­gu­ra­da no ano pas­sa­do pe­lo se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Tu­ris­mo”. “Eu nem se­quer es­ta­va lá por­que ti­nha uma ac­ti­vi­da­de na As­sem­bleia Na­ci­o­nal”, afir­ma Vi­gí­lio Tyova. “Por­tan­to [a Vi­vo­tours] es­tá em iní­cio de ac­ti­vi­da­des e não há gran­des pro­ble­mas”, con­clui. En­tre­tan­to, sob ano­ni­ma­to, o ju­ris­ta e de­pu­ta­do do MPLA a quem Maka An­go­la so­li­ci­tou uma opi­nião ar­gu­men­ta que “te­mos aqui um pro­ble­ma so­ci­o­cul­tu­ral que não po­de ser vis­to ape­nas do pon­to de vis­ta nor­ma­ti­vo [le­ga­lis­ta]”. Pa­ra o re­fe­ri­do de­pu­ta­do, os seus co­le­gas tam­bém têm o “di­rei­to de se­rem em­pre­en­de­do­res e é por es­sa via que po­dem cri­ar ri­que­za”. “É im­por­tan­te que vo­cês con­ti­nu­em com o vos­so tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção e de for­ma pe­da­gó­gi­ca pe­la trans­pa­rên­cia e boa go­ver­na­ção. Mas te­mos de en­ten­der o nos­so con­tex­to so­ci­o­po­lí­ti­co e eco­nó­mi­co. Aqui es­ta­mos em Áfri­ca”, con­clui o de­pu­ta­do, su­bli­nhan­do que as leis de­vem ser “re­la­ti­vi­za­das”.»

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.