EXE­CU­TI­VO PRI­VI­LE­GIA PADROEIRA CO­LO­NI­AL MAN­TEN­DO NEOCOLONIALISMO RE­LI­GI­O­SO

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WIL­LI­AM TONET kui­[email protected]­mail.com

O pre­sen­te tex­to não vi­sa cau­sar polémica, ape­nas re­me­mo­rar a ver­da­dei­ra his­tó­ria de um lo­cal, ca­da vez mais em­ble­má­ti­co ca­to­li­ca­men­te. Não foi sem­pre as­sim. Cus­tou o pão que o diabo amas­sou a mui­tos dos nos­sos an­te­pas­sa­dos, por ve­zes, sob o olhar cúmplice de mui­tos pa­dres, im­buí­dos de um na­ci­o­na­lis­mo ex­tre­mis­ta. Os anos pas­sam e o tem­po tra­ta de sa­rar mui­tas fe­ri­das, daí ser mis­ter di­zer-se a ver­da­de, ain­da que se­ja du­ra, pois ela e só ela li­ber­ta. Ho­je, pe­gan­do nos ins­tru­men­tos da Igre­ja Ca­tó­li­ca, len­do o Di­rei­to Ca­nó­ni­co e a Cons­ti­tui­ção do Vaticano, in­tri­gam-me as ra­zões do cle­ro an­go­la­no não exi­gir mais in­de­pen­dên­cia, mais li­ber­da­de, me­nos ne­o­co­lo­ni­za­ção re­li­gi­o­sa, ten­do su­por­te ju­rí­di­co ecle­siás­ti­co, prin­ci­pal­men­te ago­ra no con­su­la­do do Pa­pa Fran­cis­co. Sou ca­tó­li­co, amo a igre­ja, mas amo mui­to mais a ver­da­de. Por es­ta ra­zão, sou de­fen­sor de que an­tes de se cons­truir o Santuário da Nos­sa Se­nho­ra da Conceição, tam­bém de­no­mi­na­do da Muxima, ou em si­mul­tâ­neo, ver er­gui­do uma ACA­DE­MIA OU MU­SEU SO­BRE A ES­CRA­VA­TU­RA AUTÓCTONE AN­GO­LA­NA, pa­ra se po­der con­tar a ver­da­dei­ra his­tó­ria dos nos­sos an­te­pas­sa­dos, sem a qual nun­ca se­re­mos dig­nos da nos­sa iden­ti­da­de, fo­ra da vi­são do mun­do oci­den­tal.

Ahis­tó­ria da Nos­sa Se­nho­ra da Conceição re­mon­ta ao sé­cu­lo pas­sa­do, quan­do as tro­pas co­lo­ni­ais por­tu­gue­sas ocu­pa­ram a vi­la da Muxima, em 1589, de­ci­din­do cons­truir dois im­por­tan­tes e em­ble­má­ti­cos imó­veis; uma for­ta­le­za mi­li­tar, pa­ra de­fe­sa e con­so­li­da­ção das po­si­ções e uma igre­ja ca­tó­li­ca ma­ri­a­na, de­no­mi­na­da, Nos­sa Se­nho­ra da Conceição, padroeira dos mi­li­ta­res lu­sos, por acre­di­ta­rem nos mi­la­gres, que os pro­te­gia nos com­ba­tes con­tra as tro­pas ini­mi­gas (ho­lan­de­ses) e a re­sis­tên­ci­as dos po­vos au­tóc­to­nes que os re­li­gi­o­sos e au­to­ri­da­des co­lo­ni­ais, in­clu­si­ve, nas ho­mi­li­as, con­ver­sas de ta­ber­na e escritos, os tra­ta­vam pe­jo­ra­ti­va­men­te de “pre­tos”; se­res in­fe­ri­o­res; por­ta­do­res de es­pí­ri­tos di­a­bó­li­cos. Na obra Portugal Mis­si­o­ná­rio, pu­bli­ca­ção co­me­mo­ra­ti­va da Reu­nião Mis­si­o­ná­ria, efec­tu­a­da no Co­lé­gio Ser­na­che do Bon­jar­dim, em 31 de Ju­lho e 1, 2 e 3 de Agos­to de 1928, na pág.ª 28, lê-se o se­guin­te: “Os por­tu­gue­ses ti­ve­ram, co­mo ne­nhum ou­tro po­vo, a in­tui­ção su­bli­me do va­lor das Mis­sões, e, por is­so mes­mo, de­las ti­ra­ram os pri­mei­ros e mais bri­lhan­tes fru­tos. É cer­to, po­rém, - e is­so nun­ca é de­mais fri­sá-lo – que não se lan­ça­ram nes­sa cru­za­da por me­ro cál­cu­lo e mes­qui­nhas con­ve­ni­ên­ci­as. A fé cris­tã e as Mis­sões fo­ram sem­pre o ele­men­to pre­pon­de­ran­te da sua ori­en­ta­ção na con­quis­ta e na ci­vi­li­za­ção dos po­vos abo­rí­ge­nes”. E na se­guin­te afir­ma: “E a eter­na per­se­gui­da, a igre­ja, es­que­cen­do in­jus­ti­ças pas­sa­das e sor­rin­do do pre­ten­di­do fa­vor, con­ti­nua se­re­na e fir­me na sua ben­di­ta cru­za­da de paz e de amor, le­van­do a luz di­vi­na do Evan­ge­lho aos co­ra­ções ru­des dos afri­ca­nos”. E quan­do se fa­la da ne­ces­si­da­de de evi­tar a ne­o­co­lo­ni­za­ção re­li­gi­o­sa, não sig­ni­fi­ca a re­cu­sa da fé Ca­tó­li­ca mas ex­pur­gar maus en­ten­di­dos e vi­sões de an­ta­nho, co­mo es­ta des­ca­rac­te­ri­zan­te pé­ro­la, na pág.ª 30: “Nin­guém o duvide: o fac­tor re­li­gi­o­so é in­dis­pen­sá­vel em to­da a par­te e de um mo­do es­pe­ci­al en­tre os in­dí­ge­nas afri­ca­nos, pro­fun­da­men­te deís­tas”. António Enes, mis­si­o­ná­rio afir­ma­va que “quan­do fos­se pos­sí­vel subs­ti­tuir os pa­dres ou por mo­ra­lis­tas, ou por mes­tres-es­co­la, per­der-se-iam na subs­ti­tui­ção os es­pe­ci­ais mei­os de ac­ção so­bre os in­dí­ge­nas de que só dis­põe quem lhes fa­la em no­me dos po­de­res so­bre­na­tu­rais”. E Frei­re de An­dra­de, tam­bém da As­so­ci­a­ção Mis­si­o­ná­ria, no seu prag­ma­tis­mo ver­teu as se­guin­tes pa­la­vras: “te­mos de acei­tar os factos, e eles di­zem-nos que as Mis­sões re­li­gi­o­sas dis­põem de mei­os es­pe­ci­ais pa­ra com os in­dí­ge­nas”. Nes­ta vi­são re­a­lis­ta a obra re­me­mo­ra; “por tal mo­do a ac­ção mis­si­o­ná­ria por­tu­gue­sa e ca­tó­li­ca an­dou sem­pre li­ga­da com os in­te­res­ses da nos­sa Pá­tria, nas co­ló­ni­as, que o gran­de Mou­zi­nho de Al­bu­quer­que es­cre­veu es­te testemunho fri­san­te e cla­ro: pa­ra o pre­to, ser ca­tó­li­co é ser por­tu­guês”. In fi­ne na pág.ª 31 os au­to­res con­si­de­ram que a re­li­gião é a mes­ma: ela foi sem­pre o ele­men­to pro­pul­sor da ci­vi­li­za­ção, e se ou­tro­ra po­de de­fron­tar-se com os bár­ba­ros e ado­çar-lhes os seus cos­tu­mes, tra­zen­do-os a uma vi­da me­lhor, ho­je, com os sel­va­gens, con­ti­nua a sua mis­são de guia e mes­tra con­su­ma­da”. Nes­sa ló­gi­ca, a Igre­ja era a se­gun­da ar­ma mais im­por­tan­te, na con­so­li­da­ção do im­pé­rio co­lo­ni­al, com a fun­ção de atra­vés do ópio do cru­ci­fi­xo, mol­dar a men­te dos au­tóc­to­nes à sub­mis­são, ao ho­mem bran­co. E, pa­ra a con­su­ma­ção des­sa es­tra­té­gia, os pa­dres ca­pe­lões (pa­dres mi­li­ta­res, mui­tos ti­nham a cruz no pei­to e a ar­ma de­bai­xo da ba­ti­na, quan­do es­ti­ves­sem di­an­te de um autóctone pre­to) in­cu­ti­am a ideia dos an­go­la­nos te­rem no cor­po, um es­pí­ri­to de­mo­nía­co, cu­ja ex­pul­são se con­su­ma­va com a acei­ta­ção, quer da su­pe­ri­o­ri­da­de do co­lo­ni­za­dor bran­co, bem co­mo do bap­tis­mo obri­ga­tó­rio, prin­ci­pal­men­te dos es­cra­vos, an­tes de em­bar­ca­rem nos na­vi­os ne­grei­ros, pa­ra a Amé­ri­ca. Com o de­cor­rer dos anos, prin­ci­pal­men­te de­pois de Luanda (in­cluin­do a vi­la da Muxima) ter si­do re­con­quis­ta­da aos ho­lan­de­ses, em 1648 (ha­via si­do ocu­pa­da em 1641), a es­tá­tua da padroeira foi le­va­da de vol­ta à igre­ja e na co­me­mo­ra­ção, foi per­mi­ti­do que os au­tóc­to­nes bap­ti­za­dos e já in­te­gra­dos co­mo as­si­mi­la­dos (tra­ba­lhan­do co­mo ser­ven­tes, com os co­lo­ni­a­lis­tas) as­sis­tis­sem, no la­do de fo­ra das igre­ja às ho­mi­li­as e nos co­men­tá­ri­os es­tes di­zi­am; Se­nho­ra da Muxima, re­fe­rên­cia não à pes­soa fí­si­ca ou es­pi­ri­tu­al, mas à lo­ca­li­da­de. De­pois foi-se con­so­li­dan­do a re­fe­rên­cia pa­ra pas­sar a ima­gem de ser uma padroeira an­go­la­na, o que não cor­res­pon­de a ver­da­de, tan­to que ape­sar da de­vo­ção de uma par­te dos cren­tes católicos, a pró­pria CEAST não a con­si­de­ra co­mo tal (padroeira). Ape­sar des­te pa­ra­do­xo, a Ro­ma­ria de Nos­sa Se­nho­ra da Conceição, vul­go da Muxima, é uma fes­ta ca­tó­li­ca anu­al ocor­ri­da en­tre o fi­nal de Agos­to e três pri­mei­ros di­as de Se­tem­bro, que mes­cla tra­di­ções do ca­to­li­cis­mo oci­den­tal ro­ma­no, com ele­men­tos da re­li­gi­o­si­da­de tra­di­ci­o­nal an­go­la­na.

PEREGRINAÇÃO AO SANTUÁRIO DA MUXIMA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.