SIPAIO PRE­SI­DEN­TE EN­TEN­DE QUE A ERCA É (APE­NAS) DE­LE

Folha 8 - - DESTAQUE -

O sipaio Pre­si­den­te da su­cur­sal do MPLA pa­ra a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, que dá pe­lo no­me de En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al An­go­la­na (ERCA), Ade­li­no Mar­ques de Al­mei­da, quer – e vai con­se­guir – afas­tar da ins­ti­tui­ção o jor­na­lis­ta Car­los Al­ber­to. Cri­me? Pen­sar li­vre­men­te, não es­con­der o que pen­sa e ter co­lu­na ver­te­bral. TEX­TO DE NOR­BER­TO HOSSI

Car­los Al­ber­to diz: “O Re­gi­nal­do já abriu o jo­go! Ti­nha avi­sa­do que o meu ano de 2019 co­me­ça­ria com tur­bu­lên­ci­as. Vou con­ti­nu­ar no si­lên­cio, so­bre de­ta­lhes, mas fa­ço só um pe­que­no de­sa­ba­fo: agra­de­ço a co­e­rên­cia, ho­nes­ti­da­de e so­li­da­ri­e­da­de do Con­se­lhei­ro Re­gi­nal­do Sil­va, um ver­da­dei­ro pa­tri­o­ta e dos pou­cos jor­na­lis­tas ver­ti­cais da sua ge­ra­ção a quem eu ti­ro o cha­péu. De­pois de eu ter si­do expulso da RNA, TPA e LAC, ago­ra a pro­pos­ta de ex­pul­são (mais uma na mi­nha “bri­lhan­te” car­rei­ra) vem da En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al An­go­la­na (ERCA). Só não es­tou proi­bi­do de en­trar nas ins­ta­la­ções da ERCA, co­mo acon­te­ceu na RNA, TPA e LAC, on­de fui pra­ti­ca­men­te es­cor­ra­ça­do, por­que a de­ci­são da per­da de man­da­to na ERCA per­ten­ce, ain­da, se­gun­do a lei, à As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Quan­do fui expulso da LAC, dis­se, na en­tre­vis­ta à Rá­dio Des­per­tar, que eu era al­vo de uma per­se­gui­ção de al­tas fi­gu­ras do MPLA (que eu sei quem são e por que fa­zem o que fa­zem), que nun­ca acei­ta­ram que eu fi­zes­se um jor­na­lis­mo li­vre, ho­nes­to, ver­da­dei­ro e plu­ral. Gra­ças à UNITA, che­guei à ERCA, mes­mo sen­do apar­ti­dá­rio (eles dis­traí­ram-se, acho!), e ho­je vi­vo, ou­tra vez, aque­le sen­ti­men­to que de tan­to co­nhe­cer já nem me dói. A dis­cri­mi­na­ção e ex­clu­são na nos­sa pró­pria ter­ra dói. A per­gun­ta que não se ca­la mes­mo é: on­de es­tá a “no­va” An­go­la, se­nhor pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca João Lou­ren­ço? Fo­ra de An­go­la ou den­tro de An­go­la? O MPLA já me en­ga­nou al­gu­mas ve­zes. Nun­ca mais me vai en­ga­nar. Não me en­ga­nou em 2012 e em 2017 e não me vai en­ga­nar em 2022, pois per­ce­bi de­ta­lhes. Não vo­to em quem dis­cri­mi­na (ex­clui) an­go­la­nos, com­pa­tri­o­tas, só por pen­sa­rem di­fe­ren­te. An­go­la não per­ten­ce ao MPLA. An­go­la é nos­sa. An­go­la é de to­dos. Va­mos à lu­ta!» Ade­li­no Mar­que de Al­mei­da, um ar­cai­co sipaio do MPLA, ofi­ci­al­men­te ga­lar­do­a­do com o car­go de “ana­lis­ta po­lí­ti­co” e a ca­te­go­ria de “jor­na­lis­ta” é o pre­si­den­te da ERCA. To­dos po­de­mos es­tar des­can­sa­dos por­que o che­fe man­da e ele de­bi­ta. A cul­pa não é de­le, é de quem o es­co­lheu. Nu­ma das su­as em­ble­má­ti­cas di­a­tri­bes, Ade­li­no de Al­mei­da des­co­briu que a “Open So­ci­ety” apli­cou em An­go­la 14,5 mi­lhões de dó­la­res pa­ra fi­nan­ci­ar ac­ções de de­so­be­di­ên­cia ci­vil e su­ble­va­ção con­tra as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do. Quem me­lhor do que al­guém des­te ga­ba­ri­to pa­ra pre­si­dir à ERCA? Es­tão a pen­sar em quem? No Ben­to Kan­gam­ba? Em 2015, Ade­li­no de Al­mei­da, ao in­ter­vir no de­ba­te so­bre o te­ma “A Lei e o ci­da­dão”, emi­ti­do pe­la Te­le­vi­são Pú­bli­ca do MPLA e pe­la Rá­dio Na­ci­o­nal do MPLA, mos­trou que pa­ra o re­gi­me a Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca con­ti­nua vá­li­da, já não só no re­mo­ção da co­lu­na ver­te­bral mas tam­bém, e so­bre­tu­do, na subs­ti­tui­ção da mas­sa cin­zen­ta. De acor­do com o ago­ra mui ilus­tre, com­pe­ten­te e qua­se ge­ne­ral da ERCA, “es­te fi­nan­ci­a­men­to ser­viu pa­ra a As­so­ci­a­ção Paz, Jus­ti­ça e De­mo­cra­cia tra­zer a An­go­la uma eu­ro­de­pu­ta­da (Ana Go­mes, co­le­ga do MPLA na In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta) pa­ra se imis­cuir nos as­sun­tos in­ter­nos do Es­ta­do An­go­la­no, nu­ma al­tu­ra em que as au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais es­ta­vam a ana­li­sar a si­tu­a­ção dos 15 jo­vens de­ti­dos acu­sa­dos de su­ble­va­ção à or­dem pú­bli­ca”. Na óp­ti­ca do re­gi­me, apre­sen­ta­da pe­lo ven­trí­lo­quo Ade­li­no de Al­mei­da, de­ve-se con­tex­tu­a­li­zar o di­rei­to de ma­ni­fes­ta­ção e reu­nião con­sa­gra­dos na Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca (que ele ain­da con­si­de­ra ser a Po­pu­lar) de An­go­la à re­a­li­da­de do país. “Nós emer­gi­mos de uma si­tu­a­ção de guer­ra mui­to di­fí­cil e to­dos nós es­ta­mos lem­bra­dos em que circunstâncias é que foi pos­sí­vel es­ta­be­le­cer a paz no país, as­sim co­mo es­ta­be­le­cer as ba­ses pa­ra a cons­tru­ção de um es­ta­do de­mo­crá­ti­co e de di­rei­to, e to­dos nós es­ta­mos de acor­do que es­tes va­lo­res es­sen­ci­ais da de­mo­cra­cia de­vem ser pre­ser­va­dos”, su­bli­nhou – na al­tu­ra – sua ex­ce­lên­cia o ago­ra emé­ri­to pre­si­den­te do ór­gão com o qual o MPLA quer amor­da­çar a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Com es­se en­qua­dra­men­to, ex­pli­cou Ade­li­no de Al­mei­da que o pro­ble­ma aqui é o ca­rác­ter que as ma­ni­fes­ta­ções to­mam, as quais ten­dem a con­tes­tar o tem­po de per­ma­nên­cia do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca no car­go, fac­to que ape­nas po­de ser fei­to atra­vés do vo­to po­pu­lar, em ac­to elei­to­ral. Na­da con­tan­do pa­ra es­ta te­se o fac­to de o Pre­si­den­te da al­tu­ra es­tar no po­der de­ze­nas de anos sem nun­ca ter si­do no­mi­nal­men­te elei­to. Mas os al­tos ser­vi­ços apre­sen­ta­dos na sua can­di­da­tu­ra a che­fe de pos­to (da ERCA) têm ou­tras su­cu­len­tas te­ses. En­quan­to de­pu­ta­do do MPLA, Ade­li­no de Al­mei­da afir­mou nu­ma en­tre­vis­ta pu­bli­ca­da em 2 de De­zem­bro de 2006 pe­lo Prav­da (on­de mais é que po­de­ria ser?) que a li­de­ran­ça da UNITA ca­re­cia de su­fi­ci­en­te nor­te, de tal ma­nei­ra que pro­fe­re de­cla­ra­ções con­tra­di­tó­ri­as. Ade­li­no de Al­mei­da re­a­gia às afir­ma­ções con­tun­den­tes do pre­si­den­te da UNITA, Isaías Sa­ma­ku­va, pro­fe­ri­das con­tra o MPLA e as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do que, na ver­da­de, eram e con­ti­nu­am a ser uma e a mes­ma coi­sa. Na al­tu­ra, Isaías Sa­ma­ku­va, de­pois de ques­ti­o­nar a isen­ção da Co­mis­são In­ter­mi­nis­te­ri­al pa­ra o Pro­ces­so Elei­to­ral (CIPE), acu­sou o MPLA de sub­ver­são da de­mo­cra­cia e da so­be­ra­nia po­pu­lar, se­ja por via de emen­das cons­ti­tu­ci­o­nais, acór­dãos ju­di­ci­ais ou ou­tros ar­ti­fí­ci­os ju­rí­di­cos, e che­gou mes­mo a com­pa­rar (elo­gi­o­sa­men­te, re­co­nhe­ça-se) o Go­ver­no com o re­gi­me fas­cis­ta co­lo­ni­al de Oli­vei­ra Sa­la­zar. Pa­ra Ade­li­no de Al­mei­da, es­tas afir­ma­ções, “ab­sur­das, cons­ti­tu­em pu­ras ma­no­bras pa­ra des­vi­ar a aten­ção do es­sen­ci­al, nu­ma al­tu­ra em que o MPLA se mo­bi­li­za­va ao ní­vel de to­do o país pa­ra dis­cu­tir com os am­plos sec­to­res so­ci­ais e po­lí­ti­cos a Agen­da Na­ci­o­nal de Con­sen­so”. (...)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.