QUAN­DO A IN­JUS­TI­ÇA ABA­LA O AMOR DA VI­DA É PRE­CI­SO RE­SIS­TIR

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DE WIL­LI­AM TONET

No dia 8.1.19 rom­pi, de­fi­ni­ti­va­men­te, com a úl­ti­ma tá­bua de li­ga­ção à ou­tra mar­gem do rio da es­pe­ran­ça, num 2019 es­pi­ri­tu­al­men­te me­lhor, tu­do de­vi­do uma “pic­tu­re fa­ke news”. Tal co­mo em 2018, co­lo­ca­ram-me em lu­gar nun­ca pi­sa­do com pes­so­as pró­xi­mas, com re­cur­so às téc­ni­cas do pho­toshop (até po­dem, um dia, co­lo­car-me co­mo as­tro­nau­ta do sa­té­li­te que de­sa­pa­re­ceu), vi­san­do pas­sar a ima­gem de uma har­mo­ni­o­sa re­la­ção, quan­do tu­do não pas­sa de mais um jo­go, igual ao dos po­lí­ti­cos de bai­xo co­tur­no. Sa­ca­na­gem... Nou­tro ex­tre­mo, uma su­pos­ta ami­ga re­la­ta, con­ver­sa mi­nha com uma mu­lher, com quem nun­ca ti­ve in­ti­mi­da­de, por des­co­nhe­ci­da, so­bre da­dos da fa­mí­lia, le­van­do-os a acre­di­tar, na montagem de mais uma men­ti­ra, afas­tan­do o con­tra­di­tó­rio. Apre­sen­ta­ção de um bor­de­re­aux, pa­ra pa­ga­men­to, atra­vés da con­ta de um ter­cei­ro, ser­viu pa­ra atri­bui­ção de re­la­ção, com pes­soa, que não te­nho, mas que atra­vés de vá­ri­as en­ge­nha­ri­as, dis­se­mi­na nas re­des so­ci­ais es­ta te­se, fa­zen­do crer nas pes­so­as in­cau­tas, uma re­a­li­da­de for­ja­da nas bibliotecas da Po­lí­cia Se­cre­ta... E o gra­ve é que quem mais de­via es­tar do meu la­do, nes­ta ho­ra, le­gí­ti­ma ou ile­gi­ti­ma­men­te, se pre­ci­pi­ta, acre­di­tan­do na cam­pa­nha, co­lo­can­do uma lon­ge­va re­la­ção, no ver­me­lho... A se­re­ni­da­de e o tem­po se­rão os me­lho­res juí­zes, pa­ra o emer­gir da jus­ti­ça, lo­go não per­de­rei o fo­co da to­le­rân­cia e res­pei­to de quem pre­fe­re a rup­tu­ra, ar­ma dos fra­cos, acre­di­tan­do em men­ti­ras. Es­tou ha­bi­tu­a­do às in­jus­ti­ças, às ca­lú­ni­as e às der­ro- tas, que ser­vem de an­tí­do­to às vi­tó­ri­as por­que, ho­je co­mo on­tem, so­bre­vi­ve­rei, mais uma vez, cru­zan­do a fron­tei­ra do ama­nhã. O iso­la­men­to nem sem­pre é um mal e a pro­va ti­ve-a nas Fes­tas de Na­tal (qual­quer dia ain­da apa­re­cem fo­tos, co­lo­can­do-me no pre­sé­pio do Ne­va­da), pas­sa­do so­zi­nho, ten­do ser­vi­do pa­ra re­fle­xão e es­tu­do, da­do os com­pro­mis­sos aca­dé­mi­cos no fi­nal de De­zem­bro e prin­cí­pio de Ja­nei­ro, na UBA. Não te­nho o há­bi­to de par­ti­lhar, ques­tões me­no­res, mas é das mi­nú­ci­as, que amiú­de se des- trói a vi­da e a car­rei­ra de mui­tas pes­so­as, até dos mais for­tes, se de­sis­ti­rem de lu­tar pe­la ver­da­de. Eu não dei­xa­rei nun­ca de lu­tar, ain­da que fi­que so­zi­nho no de­ser­to, ba­ten­do-me a fa­vor da jus­ti­ça, mes­mo que es­ta tar­de e nun­ca ve­nha a as­sis­ti-la. Mas, tam­bém, nun­ca in­sis­ti­rei que al­guém fi­que, con­tra­ri­a­do ao meu la­do, pe­lo con­trá­rio es­can­ca­ra­rei as por­tas. De­se­jo fe­li­ci­da­des e su­ces­so a to­dos que, pre­fe­rin­do cre­di­bi­li­zar as men­ti­ras e ca­lú­ni­as, aba­lam as re­la­ções ín­ti­mas, de ami­za­de e pro­fis­si­o­nais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.