O QUE É AN­GO­LA? UNI OU MULTIRRACIAL? LAI­CO OU RE­LI­GI­O­SO? PARTIDOCRATA OU MULTIPARTIDÁRIA?

Folha 8 - - DESTAQUE -

OPo­vo, se­den­to do que é bá­si­co e ele­men­tar: li­ber­da­de, co­mi­da, edu­ca­ção, saú­de e água, não sa­be, mes­mo e so­bre­tu­do de­pois de 11 de No­vem­bro de 1975, da­ta da In­de­pen­dên­cia partidocrata, pro­cla­ma­da pe­lo pre­si­den­te do­fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI), ao in­vés do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o que é An­go­la. Em 2019, pe­se o ale­ga­do mul­ti­par­ti­da­ris­mo, com o par­ti­do do re­gi­me ele­va­do a pri­mei­ro ór­gão do Es­ta­do, em 43 anos, em fun­ção da fo­me e dis­cri­mi­na­ção, a mai­o­ria autóctone des­con­se­gue afir­mar se a An­go­la ac­tu­al é uma ex­ten­são da an­te­ri­or pro­vín­cia ul­tra­ma­ri­na de Portugal, uma cou­ta­da das em­pre­sas pe­tro­lí­fe­ras, con­ces­são do Es­ta­do do Vaticano ou fu­tu­ro pro­tec­to­ra­do do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI). Nes­te oce­a­no a res­pos­ta emer­ge, va­ga, in­con­sis­ten­te, im­pre­ci­sa, pe­lo re­tro­ces­so na vi­da de mi­lhões, pe­se se­rem, ac­tu­al­men­te (43 anos) ne­gros que es­tão à fren­te dos des­ti­nos de An­go­la, sem go­ver­no, mas ca­pi­ta­ne­a­dos por um Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo que abo­ca­nha to­dos os ór­gãos de so­be­ra­nia, sub­ver­ten­do a se­pa­ra­ção de po­de­res, tor­nan­do-se nes­sa ati­pi­ci­da­de de­ten­tor de po­der ab­so­lu­to, su­pe­ri­or ou equi­pa­ra­do ao das mai­o­res di­ta­du­ras do pla­ne­ta. Es­ta re­a­li­da­de, ao que pa­re­ce, não sai­rá do tri­lho, nes­te e no pró­xi­mo man­da­to, por, de­cla­ra­da­men­te, não exis­tir von­ta­de po­lí­ti­ca de João Lou­ren­ço al­te­rar a ac­tu­al Cons­ti­tui­ção atí­pi­ca (já o afir­mou pu­bli­ca­men­te), jo­ga­da na la­ma, por um ana­cró­ni­co Acór­dão do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal (um tri­bu­nal de es­pe­ci­a­li­da­de), sem com­pe­tên­cia, pa­ra al­te­rar, tão pou­co adul­te­rar (que o fez, do­lo­sa­men­te), nor­mas ju­rí­di­co-cons­ti­tu­ci­o­nais, não sen­do de­ten­tor de man­da­to do so­be­ra­no e ór­gão de so­be­ra­nia. As­sim, a ac­tu­al Lei Mãe (CRA) e es­te Acór­dão (im­pe­de a fis­ca­li­za­ção da As­sem­bleia Na­ci­o­nal (par­la­men­to) ao Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo), são um hi­no ao po­der ab­so­lu­to de um ho­mem só e um ris­co a al­ter­nân­cia de­mo­crá­ti­ca, pois tal co­mo di­zia Fre­de­ric Bas­ti­at: “Quan­do o sa­que se tor­na um mo­do de vi­da pa­ra um gru­po de ho­mens, eles cri­am pa­ra si pró­pri­os, no

Quan­do o sa­que se tor­na um mo­do de vi­da pa­ra um gru­po de ho­mens, eles cri­am pa­ra si pró­pri­os, no de­cor­rer do tem­po, um sis­te­ma ju­rí­di­co que o au­to­ri­za e um có­di­go mo­ral que o glo­ri­fi­ca”

de­cor­rer do tem­po, um sis­te­ma ju­rí­di­co que o au­to­ri­za e um có­di­go mo­ral que o glo­ri­fi­ca”. A en­cru­zi­lha­da em que se en­con­tram os an­go­la­nos, na vi­ra­da do ano, não se­rá di­fe­ren­te da an­te­ri­or, on­de a mo­la mes­tra, cin­giu-se ape­nas nu­ma mão cheia de ilu­sões óp­ti­cas, com exo­ne­ra­ções e pri­sões se­lec­ti­vas, ale­ga­do com­ba­te à cor­rup­ção, ao ne­po­tis­mo e ca­rac­te­ri­za­ção dos maus co­mo “ma­rim­bon­dos”, co­mo se não fi­zes­sem par­te to­dos da mes­ma or­ga­ni­za­ção ide­o­ló­gi­ca, res­pon­sá­vel por to­dos os des­va­ri­os. En­tre o Na­tal e o Ano No­vo o “ca­baz” foi um raquí­ti­co fo­go de ar­ti­fí­cio na Mar­gi­nal de Luanda e de­mais pro­vín­ci­as, trans­fi­gu­ra­dos, pa­ra des­gra­ça co­lec­ti­va, no re­tor­no aos ca­se­bres (ra­ros os de­ten­to­res de ca­sa ou man­sões), a crónica “es­pe­ran­ça ido­sa” dos ma­les (1975-2018); fal­ta de água, nas tor­nei­ras e de luz, nos in­ter­rup­to­res, quan­do Deus nos ba­fe­jou com uma das mai­o­res ba­ci­as hi­dro­grá­fi­cas do mun­do e um pla­no pa­ra a elec­tri­fi­ca­ção e dis­tri­bui­ção de água do­mi­ci­li­ar se es­pe­ra­va co­mo pren­da da no­va au­ro­ra. Mas, pa­ra pi­o­rar a sar­ra­bu­lha­da partidocrata, no dia 2 de Ja­nei­ro, não hou­ve sub­trac­ção dos dí­gi­tos, prin­ci­pal­men­te, nos pre­ços dos pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca, pe­lo con­trá­rio, o to­ma­te, pão, sal, fei­jão, fu­ba, óleo, ar­roz, mas­sa, não sai­rão tão ce­do da li­nha ver­me­lha, nu­ma abjecta par­ce­ria com a in­fla­ção im­pos­ta con­tra os po­bres, pe­lo BNA (Ban­co Na­ci­o­nal… do re­gi­me) e Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças. Com ope­ra­ções cos­mé­ti­cas, in­ca­pa­zes de pro­du­zir efei­tos prá­ti­cos, que não a “mas­tur­ba­ção men­tal” de uns pou­cos in­cau­tos que acre­di­tam num vi­rar de pá­gi­na, com sim­ples pa­li­a­ti­vos, an­co­ra­dos nu­ma car­ran­cu­da, par­ci­al e ob­tu­sa ide­o­lo­gia partidocrata, quan­do os ci­da- dãos ca­re­cem de uma luz no fun­do do tú­nel, ca­paz de ilu­mi­nar e aque­cer co­ra­ções, mui­tos dos quais, mais de qua­tro dé­ca­das de­pois, não sa­bem dis­tin­guir a di­fe­ren­ça en­tre co­lo­ni­za­ção e in­de­pen­dên­cia. Por tu­do is­so era mis­ter, de­pois das elei­ções de 2017, mais que a pa­ra­fer­ná­lia co­mu­ni­ca­ci­o­nal, de des­ca­rac­te­ri­za­ção de quem es­ten­deu o bas­tão, pa­ra con­ti­nui­da­de da ma­ra­to­na. Uma re­vo­lu­ção pon­de­ra­da e ri­go­ro­sa, na éti­ca dos agen­tes pú­bli­cos im­pu­nha-se por par­te do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, pa­ra o dis­tin­guir do condutor da car­ro­ça de lo­en­gos, com a im­plan­ta­ção de no­vos mé­to­dos nas pri­o­ri­da­des e apro­va­ção de em­prei­ta­das pú­bli­cas. Os eco­no­mis­tas e ges­to­res mais avi­sa­dos sem­pre ti­ve­ram uma pul­ga atrás da ore­lha, em re­la­ção à ca­pa­ci­da­de da ac­tu­al equi­pa eco­nó­mi­ca re­ver­ter o es­ta­do ca­la­mi­to­so do de­sen­vol­vi- men­to. Mui­tos exi­gem a re­vo­ga­ção dos úl­ti­mos des­pa­chos presidenciais que au­to­ri­zam uma sé­rie de obras ino­por­tu­nas, que não vão ge­rar em­pre­go se­gu­ro, nem re­tor­no de in­ves­ti­men­to, lo­go de­ve­ria apos­tar-se em pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to on­de o re­tor­no de ca­pi­tal é um fac­to e a ma­nu­ten­ção de em­pre­gos di­rec­tos e in­di­rec­tos, uma ga­ran­tia ab­so­lu­ta. João Lou­ren­ço se­guin­do em sen­ti­do con­trá­rio ao pro­gra­ma elei­to­ral do MPLA e mal acon­se­lha­do, cor­re o ris­co de es­bar­rar na pri­mei­ra es­qui­na, com­pro­me­ten­do as pro­mes­sas de uma for­ma di­fe­ren­te de ge­rir os bens pú­bli­cos com im­par­ci­a­li­da­de, que o exer­cí­cio im­põe, evi­tan­do a re­pe­ti­ção de afec­ta­ção di­rec­ta, “pri­vi­le­gi­an­do os seus”, nas em­prei­ta­das (má prá­ti­ca), sem a re­a­li­za­ção de ver­da­dei­ros con­cur­sos pú­bli­cos. Mas, quan­do des­pa­chos presidenciais con­fe­rem a dis­cri­ci­o­na­ri­e­da­de de es­co­lha ao Ga­bi­ne­te de Obras Es­pe­ci­ais (na de­pen­dên­cia ver­ti­cal do ga­bi­ne­te do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca), pa­ra a ce­le­bra­ção de con­tra­tos di­rec­tos, com em­pre­sas, pre­vi­a­men­te se­lec­ci­o­na­das, “dos nos­sos ca­ma­ra­das”, na ló­gi­ca da “po­lis-cor­rup­ti­on”, que ape­nas tro­ca 6 (seis) por meia dú­zia (6). Te­rá si­do por am­né­sia ou in­du­zi­do em er­ro, que o Pre­si­den­te João Ma­nu­el Gon­çal­ves Lou­ren­ço, sem con­cur­so pú­bli­co, afec­tou du­as obras mi­li­o­ná­ri­as à em­pre­sa OMATAPALO, de um “com­pa­nhon de rou­te”, Luís Ma­nu­el da Fon­se­ca Nu­nes, mem­bro do bu­re­au po­lí­ti­co do MPLA e ac­tu­al go­ver­na­dor da Huí­la (que de­tém, sem con­cur­so pú­bli­co, o mo­no­pó­lio das obras na­que­la pro­vín­cia, nu­ma cla­ra pro­mis­cui­da­de do agen­te pú­bli­co |dia| e agen­te pri­va­do |noi­te|), pa­ra a re­mo­de­la­ção e re­cons­tru­ção dos hos­pi­tais Sa­na­tó­rio e Amé­ri­co Bo­a­vi­da, em Luanda, ava­li­a­das em mais de 38 mi­lhões de dó­la­res (fon­te das Fi­nan­ças), de­mons­tran­do ter “MU­DA­DO O QUE NA­DA MU­DA”. No dia 20 de No­vem­bro de 2018, por sua vez, au­to­ri­za a re­mo­de­la­ção e am­pli­a­ção do edi­fí­cio do Con­se­lho de Mi­nis­tros, que à luz da Cons­ti­tui­ção atí­pi­ca, art.º 134.º, é um ór­gão au­xi­li­ar, lo­go com re­le­vân­cia re­la­ti­va (aco­lhe reu­niões dos mem­bros do ga­bi­ne­te pre­si­den­ci­al, pa­ra to­ma­rem ci­ên­cia do seu pen­sa­men­to e po­lí­ti­cas), obras ava­li­a­das em USD 19.615.573,17 (de­za­no­ve mi­lhões, seis­cen­tos e quin­ze mil, qui­nhen­tos e se­ten­ta e três dó­la­res e de­zas­se­te cên­ti­mos) equi­va­len­te em Kwan­zas a 6.082.671.547,00. Com mais es­ta me­ga­ló­ma­na op­ção, mi­lhões de cri­an­ças man­te­rão adi­a­do o so­nho de ler e es­cre­ver, tra­ba­lha­do­res, de re­ce­ber sa­lá­ri­os atra­sa­dos, an­ti­gos com­ba­ten­tes, as pen­sões de­vi­das e de­sem­pre­ga­dos, em­pre­go.

PRE­SI­DEN­TE JOÃO LOU­REN­ÇO

FUN­DO MO­NE­TÁ­RIO IN­TER­NA­CI­O­NAL (FMI)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.