EXE­CU­TI­VO ES­TÁ LI­GA­DO AO ACOR­DO DA CON­COR­DA­TA?

Folha 8 - - DESTAQUE -

Éim­por­tan­te sa­ber o que são Acor­dos Con­cor­da­ta , as­si­na­dos en­tre a San­ta Sé (Es­ta­do do Vaticano) e ou­tros Es­ta­dos com quem tem re­la­ções di­plo­má­ti­cas. Eles, são con­si­de­ra­dos uma ba­se pa­ra a re­cep­ção de sub­sí­di­os, pri­vi­lé­gi­os e re­co­nhe­ci­men­tos dos go­ver­nos dos Es­ta­dos, as es­tru­tu­ras e mem­bros da Igre­ja Ca­tó­li­ca. Os mem­bros da cú­ria ro­ma­na pas­sam a ter li­vre cir­cu­la­ção e não invasão, pe­las au­to­ri­da­des pú­bli­cas, das su­as de­pen­dên­ci­as e re­si­dên­ci­as, sal­vo em ques­tões de cri­mes co­muns. Em mui­tos ca­sos, a Con­cor­da­ta, co­mo Tra­ta­do in­ter­na­ci­o­nal, vi­de CRA (Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca de An­go­la), art.º 13.º, che­ga a su­plan­tá-la, ao fu­gir o ri­tu­al de­mo­crá­ti­co, ao ne­gar a fis­ca­li­za­ção, por par­te dos par­la­men­ta­res. O Vaticano é con­si­de­ra­do um Es­ta­do, por si­nal, dos mais pe­que­nos do mun­do, com 4 km2 e uma po­pu­la­ção es­ti­ma­da em 800 pes­so­as, não con­tan­do com ne­nhu­ma ma­ter­ni­da­de, nem in­fan­tá­rio, no in­te­ri­or das su­as fron­tei­ras, mas com uma in­fluên­cia mun­di­al po­de­ro­sís­si­ma. Daí os acor­dos ru­bri­ca­dos com es­ta se­cu­lar ins­ti­tui­ção te­rem uma ri­gi­dez co­mo a dos tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais, prin­ci­pal­men­te pe­la di­men­são es­pi­ri­tu­al cris­tã. A Con­cor­da­ta, en­quan­to prá­ti­ca de tra­di­ção da Igre­ja Ca­tó­li­ca tem mo­bi­li­za­do ou­tras igre­jas, pe­se não te­rem ou se­rem con­si­de­ra- dos paí­ses, no es­ta­be­le­ci­men­to de acor­dos com os Es­ta­dos, on­de são in­flu­en­tes, co­mo a Igre­ja Lu­te­ra­na, na Ale­ma­nha, a Igre­ja Or­to­do­xa, na Bi­e­lo-rús­sia e Geór­gia e mais re­cen­te­men­te, com a in­de­pen­dên­cia da Igre­ja Or­to­do­xa da Ucrâ­nia. Na re­a­li­da­de, em mui­tas oca­siões, es­tes acor­dos apri­si­o­nam os Go­ver­nos, por cons­ti­tuí­rem uma “fa­ca­da es­pi­ri­tu­al”, na lai­ci­da­de dos Es­ta­dos, cu­jas cons- ti­tui­ções, im­põe uma cla­ra se­pa­ra­ção en­tre a igre­ja e o Es­ta­do. “Es­sa ero­são da se­pa­ra­ção Igre­ja-es­ta­do é pe­ri­go­sa, pois é uma via de mão úni­ca. Afi­nal, em um país de­mo­crá­ti­co, sem­pre exis­te a pos­si­bi­li­da­de de al­gum pri­vi­lé­gio ser re­vo­ga­do, se as circunstâncias mu­da­rem. Mas é con­sa­bi­do ser ob­jec­ti­vo da con­cor­da­ta a ga­ran­tia dos pri­vi­lé­gi­os da Igre­ja, re­mo­ven­do-os do con­tro­lo de­mo­crá­ti­co. Is­to é fei­to por meio de um con­tra­to que não po­de ser al­te­ra­do, ex­cep­to por con­sen­ti­men­to mú­tuo. To­das as ou­tras leis es­tão sob o con­tro­lo do Par­la­men­to, po­den­do ser mo­di­fi­ca­das, ex­cep­to a Con­cor­da­ta, por uma das par­tes ser a Igre­ja, que di­fi­cil­men­te es­ta­rá dis­pos­ta a abrir mão de al­gum dos seus pri­vi­lé­gi­os. Um car­de­al ad­mi­tiu fran­ca­men­te que a van­ta­gem das con­cor­da­tas re­si­de exac­ta­men­te nes­sa in­de- pen­dên­cia do con­tro­lo de­mo­crá­ti­co”, dis­se um al­to ma­gis­tra­do ecle­siás­ti­co. Tal­vez es­ta ra­zão se­ja a jus­ti­fi­ca­ti­va do che­que do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço a Igre­ja Ca­tó­li­ca, pa­ra a cons­tru­ção, em fa­se de cri­se, do Santuário de Nos­sa Se­nho­ra da Conceição, tam­bém co­nhe­ci­da por Nos­sa Se­nho­ra da Muxima, de­pois da pro­mes­sa fei­ta, an­tes pe­lo ex-pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, ao Pa­pa Ben­to XVI, aquan­do da sua vi­si­ta a An­go­la. “Ori­gi­nal­men­te, as con­cor­da­tas eram acor­dos en­tre dois mo­nar­cas: o Pa­pa que go­ver­na­va os Es­ta­dos Pa­pais e o rei de ou­tro país. João Pau­lo II con­se­guiu fa­zer um acor­do des­se ti­po com o rei Has­san II, do Mar­ro­cos, em 1983-1984. Em ca­sos as­sim, não há um Par­la­men­to pa­ra cri­ar di­fi­cul­da­des. Ho­je, en­tre­tan­to, com pou­cos reis e di­ta­do­res em ce­na, con­cluir uma con­cor­da­ta não é tão fá­cil, de mo­do que o Vaticano foi obrigado a de­sen­vol­ver mui­tas for­mas de fa­zer as con­cor­da­tas se­rem apro­va­das por par­la­men­ta­res cép­ti­cos”. Portugal tem um acor­do de Con­cor­da­ta com o Vaticano, se­rá es­te, que ins­pi­rou e en­ga­jou o Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, na afec­ta­ção de cer­ca de 300 mi­lhões de dó­la­res? Se fos­se em tem­po de bo­om fi­nan­cei­ro, creio que não cau­sa­ria tan­ta in­dig­na­ção ge­ral, co­mo ocor­re, nu­ma nu­ma al­tu­ra que exis­tem 20 mi­lhões de po­bres, a mai­o­ria nas­ce com fo­me, cres­ce com fo­me e mor­re com fo­me. Ve­ja­mos al­guns pon­tos que fa­zem par­te da ru­bri­ca­da com Portugal:

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.