FLEC/FAC DE SEIS SOL­DA­DOS DAS FAA

Folha 8 - - POLÍTICA -

Omo­vi­men­to in­de­pen­den­tis­ta de Ca­bin­da in­di­cou no 09.01.19 ter en­tra­do no dia 08, em confrontos com as tro­pas an­go­la­nas no en­cla­ve, que cau­sa­ram a mor­te a 12 pes­so­as, qua­tro de­las ci­vis, jun­to à al­deia e Tchi­min­zi, na re­gião de Mas­sa­bi. No “co­mu­ni­ca­do de guer­ra”, as­si­na­do por Che Li­bi­ka Nku­lu, o Es­ta­do-mai­or Ge­ne­ral da Fren­te de Li­ber­ta­ção do Es­ta­do de Ca­bin­da/for­ças Ar­ma­das de Ca­bin­da (FLEC/FLAC) in­di­ca que uma pa­tru­lha da ala mi­li­tar do mo­vi­men­to in­de­pen­den­tis­ta foi “al­vo de uma em­bos­ca­da das for­ças ocu­pan­tes” an­go­la­nas. “A FLEC/FAC la­men­ta a mor­te de dois mi­li­ta­res das FAC du­ran­te a ac­ção, la­men­tan­do igual­men­te a mor­te de qua­tro ci­vis no de­cor­rer do con­fron­to. Da par­te das for­ças ata­can­tes, seis sol­da­dos an­go­la­nos per­de­ram a vi­da”, lê-se no do­cu­men­to. A FLEC, atra­vés do seu “bra­ço ar­ma­do”, as FAC, lu­ta pe­la in­de­pen­dên­cia do ter­ri­tó­rio ale­gan­do que o en­cla­ve era um pro­tec­to­ra­do por­tu­guês, tal co­mo fi­cou es­ta­be­le­ci­do no Tra- ta­do de Si­mu­lam­bu­co, as­si­na­do em 1885, e não par­te in­te­gran­te do ter­ri­tó­rio an­go­la­no. Cri­a­da em 1963, a or­ga­ni­za­ção in­de­pen­den­tis­ta di­vi­diu-se e mul­ti­pli­cou-se em di­fe­ren­tes fac­ções, efé­me­ras, com a FLEC/FAC a man­ter-se co­mo o úni­co mo­vi­men­to que ale­ga man­ter uma “re­sis­tên­cia ar­ma­da” con­tra a ad­mi­nis­tra­ção de Luanda. Em­ma­nu­el Nzi­ta é o ac­tu­al pre­si­den­te da FLEC/FAC e su­ce­deu a Nzi­ta Ti­a­go, lí­der his­tó­ri­co do mo­vi­men­to in­de­pen­den­tis­ta Ca­bin­da, que mor­reu a 3 de Ju­nho de 2016, aos 88 anos.

MI­LI­TA­RES DA FLEC/FLAC

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.