PRO­VE­NI­EN­TES DO PAR­LA­MEN­TO

Folha 8 - - CRONICA - A fi­ló­so­fa ale­mã Han­nah Arendt (n. 1906 – m. 1975), quan­do abor­dou os mo­vi­men­tos de uni­fi­ca­ção ét­ni­ca an­te­ri­o­res à pri­mei­ra gran­de guer­ra em seu li­vro “As ori­gens do to­ta­li­ta­ris­mo” des­ta­cou a pou­ca opo­si­ção aos go­ver­nos da Rús­sia e Aus­tro-hun­gria, de tal

Sem trans­mis­são das ses­sões par­la­men­ta­res, des­co­nhe­ce­mos o de­sem­pe­nho dos de­pu­ta­dos an­go­la­nos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, pe­lo que nos te­mos ques­ti­o­na­do qual a pres­ta­ção de ca­da par­la­men­tar, so­bre­tu­do da­que­les que es­tão no he­mi­ci­clo há lon­gos anos, mui­tos des­de 1992. Po­rém te­mos as­sis­ti­do al­guns es­for­ços in­di­vi­du­ais de trans­mis­são via Fa­ce­bo­ok, co­mo se tem destacado o de­pu­ta­do pe­la ban­ca­da da UNITA Da­vid Men­des. A par­tir do seu te­le­mó­vel faz um li­ve, e as­sim dá-nos a ou­vir a sua ar­gu­men­ta­ção so­bre o te­ma em dis­cus­são, mui­tas ve­zes so­bre ma­té­ri­as de di­rei­to que bem com­pre­en­de en­quan­to destacado ad­vo­ga­do. Mas tam­bém ti­ve­mos re­cen­te­men­te a opor­tu­ni­da­de de ou­vir o de­pu­ta­do pe­lo MPLA Mon­tei­ro Pin­to Ka­pun­ga, nu­ma ma­ni­fes­ta­ção de apa­ren­te le­gis­la­dor pre­o­cu­pa­do. Ka­pun­ga apa­re­ceu a re­bo­que da dis­cus­são so­bre a pro­pos­ta de có­di­go pe­nal que de­cor­re no par­la­men­to, e a sua de­cla­ra­ção in­ci­diu so­bre a pe­na má­xi­ma pre­vis­ta: 25 e 30 anos. O de­pu­ta­do é categórico: “quem ti­ra a vi­da de ou­tra pes­soa, lhe de­ve ser apli­ca­da a mes­ma medida”. Ka­pun­ga sim­ples­men­te exi­ge que se­ja im­ple­men­ta­da a pe­na de mor­te no có­di­go pe­nal, e pa­ra is­so fa­lou in­clu­si­ve na re­a­li­za­ção de um re­fe­ren­do na­ci­o­nal, is­to de­vi­do “ao ele­va­do ín­di­ce de vi­o­lên­cia que se re­gis­ta no país”. Um pa­rên­te­sis: pe­la pri­mei­ra vez ou­vi um de­pu­ta­do do MPLA fa­lar so­bre o uso do re­fe­ren­do cons­ti­tu­ci­o­nal, mas tal­vez fos­se útil pro­por um re­fe­ren­do pa­ra Ca­bin­da. Con­vém fa­zer uma bre­ve abor­da­gem cons­ti­tu­ci­o­nal pa­ra es­cla­re­cer o de­pu­ta­do. A CRA proí­be a pe­na de mor­te no seu ar­ti­go 59º. Es­sa dis­po­si­ção não é iso­la­da, pois, en­quan­to par­te das ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais, en­qua­dra-se no di­rei­to à vi­da fri­sa­do no ar­ti­go 30º, por­que “o Es­ta­do res­pei­ta e pro­te­ge a vi­da da pes­soa hu­ma­na, que é in­vi­o­lá­vel”. En­qua­dra­men­to fei­to, es­ta­mos em con­di­ções de afir­mar com cer­te­za ju­rí­di­ca que o de­pu­ta­do Ka­pun­ga des­co­nhe­ce a via a se­guir pa­ra a in­tro­du­ção da pe­na de mor­te na or­dem ju­rí­di­ca in­ter­na, que pas­sa­ria por uma re­vi­são da cons­ti­tui­ção, qu­es­tão que, aliás, o seu che­fe do par­ti­do não de­se­ja por sen­tir-se tão bem aco­mo­da­do com os po­de­res im­pe­ri­ais. En­tre­tan­to im­por­ta re­lem­brar o re­tro­ces­so mes­mo em ter- mos ju­rí­di­co-cons­ti­tu­ci­o­nal que se­ria se as­sim fos­se: es­ta­ría­mos a re­gre­dir pa­ra an­tes de 1992. A lei cons­ti­tu­ci­o­nal pas­sa­da tam­bém proi­bia a pe­na de mor­te no nº 2 do ar­ti­go 22º, e o nº 1 era exac­ta­men­te a ga­ran­tia de que o Es­ta­do res­pei­ta e pro­te­ge a vi­da. Es­tá cla­ro que o de­pu­ta­do des­co­nhe­ce, ou fin­ge des­co­nhe­cer, os pro­ce­di­men­tos pa­ra fa­zer vin­gar a sua pre­ten­são. Se sou­bes­se não iria su­ge­rir a in­tro­du­ção no có­di­go pe­nal pois se­ria uma in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de e ime­di­a­ta­men­te uma nor­ma nu­la, sem apli­ca­ção. De­ma­go­gia pu­ra. É is­to mes­mo, pois Ka­pun­ga es­tá a ape­lar aos ex­tin­tos mais bai­xos dos ci­da­dãos, ins­ti­gan­do pa­ra ob­ter apoi­os ao seu dis­cur­so re­tró­gra­do. A pe­na de mor­te cons­ti­tui ac­tu­al­men­te um re­tro­ces­so ci­vi­li­za­ci­o­nal, quan­do até paí­ses co­mo os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca es­tão a abo­lir tal prá­ti­ca. Vol­tan­do ao de­pu­ta­do pe­la UNITA. Na sua apre­ci­a­ção à pro­pos­ta de lei de ba­se das pri­va­ti­za­ções, Da­vid Men­des co­me­ça lo­go por afir­mar que os be­ne­fi­ciá­ri­os das pri­va­ti­za­ções se­rão os es­tran­gei­ros, e ci­ta os “mais de 170 mil” por­tu­gue­ses em An­go­la que, se­gun­do ele, “que­rem to­mar a nos­sa eco­no­mia”. Es­sa de­cla­ra­ção, crua co­mo es­tá, é lamentável, mas o que adi­an­te dis­se é ain­da mais cho­can­te. Mas nos ape­gue­mos pri­mei­ro a es­se tre­cho. Os por­tu­gue­ses que es­tão em An­go­la, à sua mai­o­ria, es­tão ob­vi­a­men­te por ques­tões eco­nó­mi­cas, e is­so é o mais com­pre­en­sí­vel, na­tu­ral, e por is­so mes­mo humano, tan­to que imi­grar é um di­rei­to humano (art. 13º, DUDH). E imi­gra-se por vá­ri­as ra­zões, sen­do uma de­las, e a prin­ci­pal nos mo­vi­men­tos mi­gra­tó­ri­os pa­ra a Áfri­ca, a bus­ca pe­lo bem-es­tar eco­nó­mi­co. A bus­ca pe­lo bem-es­tar so­ci­al, pro­tec­ção da vi­da, li­ber­da­des e se­gu­ran­ça pes­so­al são ou­tras ra­zões pa­ra imi­grar, e têm si­do es­ses os mo­ti­vos ve­ri­fi­ca­dos so­bre­tu­do nas mi­gra­ções de Áfri­ca pa­ra a Eu­ro­pa e ou­tros lu­ga­res. Ape­li­dan­do de “abe­lhas” os es­tran­gei­ros em ge­ral, e os por­tu­gue­ses em es­pe­ci­al, Da­vid Men­des dis­se que, na au­sên­cia dos ma­rim­bon­dos que es­tão a ser de­ti­dos, es­tas “abe­lhas” vão ocu­par o lu­gar. A pro­pos­ta que apre­sen­tou de pri­va­ti­za­ção de ac­ções da So­nan­gol a fa­vor dos an­ti­gos com­ba­ten­tes, por exem­plo, é in­te­res­san­te pa­ra uma dis­cus­são, po­rém per­deu tem­po a vo­ci­fe­rar que “não sou con­tra os por­tu­gue­ses, mas es­tou farto dos por­tu­gue­ses em An­go­la”. Um par­la­men­to não de­ve ser­vir pa­ra is­so. Não es­tá pa­ra ata­car po­vos co­mo se es­ti­ves­se a fa­zer uma de­cla­ra­ção de guer­ra. Não é pa­ra des­pre­zar pes­so­as que ten­tam cons­truir seus ne­gó­ci­os em qual­quer pon­to e cum­prin­do as leis do país que os aco­lheu, ge­ran­do em­pre­go ou tra­ba­lhan­do pa­ra em­pre­sas na­ci­o­nais e, mais im­por­tan­te, ge­ran­do re­cei­tas pa­ra o Es­ta­do com o pa­ga­men­to de im­pos­tos. Não quer is­to di­zer que não há es­tran­gei­ros que não cum­prem as leis, em con­luio com ci­da­dãos cri­mi­no­sos – e a an­te­ri­or lei do in­ves­ti­men­to pri­va­do era em si um es­que­ma le­gal de par­ce­ri­as cri­mi­no­sas. E co­mo há, ca­be ao de­pu­ta­do, se os co­nhe­ce, apon­tar es­sas pes­so­as, efec­tu­ar queixa-cri­me, le­var às bar­ras do tri­bu­nal. Por exem­plo, po­de­ria co­me­çar pe­lo pri­mo do ex-pri­mei­ro-mi­nis­tro Jo­sé Só­cra­tes, in­di­ví­duo que a jus­ti­ça por­tu­gue­sa gos­ta­ria imen­so de ou­vir, ou apon­tar os ne­gó­ci­os de Ri­car­do Sal­ga­do e Ál­va­ro So­bri­nho. Ape­gar-se em ca­sos con­cre­tos, e não in­si­nu­ar uma cons­pi­ra­ção por­tu­gue­sa pa­ra “to­mar a nos­sa eco­no­mia”. E o in­ver­so tam­bém é ver­da­de, pois até te­mos um dig­nís­si­mo ex-vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca que cor­rom­peu um ma­gis­tra­do por­tu­guês, mas nem por is­so al­gum de­pu­ta­do por­tu­guês dis­se na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca que não gos­ta dos an­go­la­nos por­que que­rem to­mar e cor­rom­per as ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas do seu país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.