N

Folha 8 - - CULTURA -

o meio de uma tem­pes­ta­de pér­fi­da os agen­tes cul­tu­rais, ar­tis­tas e a mi­nis­tra da tu­te­la pro­ta­go­ni­za­ram uma ima­cu­la­da bal­búr­dia so­bre o es­ta­do ac­tu­al da CUL­TU­RA NA­CI­O­NAL. Sem pre­ten­são ve­ro­sí­mil de pro­cu­rar cul­pa­dos ou vi­ti­mas, fi­cou as­sen­te a urgência em se re­pen­sar as pri­o­ri­da­des e a es­tra­té­gia mi­nis­te­ri­al pa­ra a ex­pan­são das dis­ci­pli­nas ar­tís­ti­cas, a va­lo­ri­za­ção dos agen­tes cul­tu­rais, bem co­mo um con­jun­to de ini­ci­a­ti­vas que se en­con­tram es­tag­na­das a mais de du­as dé­ca­das. Nes­te que­si­to mo­men­tâ­neo é im­pe­ri­o­so que e sal­vo me­lhor per­cep­ção ar­tís­ti­ca ao lon­go do ano de 2019, se in­cre­men­te: 1º o Fun­do de sub­ven­ção ao li­vro (apro­va­do em 2018) de mo­do a per­mi­tir a re­du­ção do cus­to do li­vro, di­mi­nuir a li­te­ra­cia e fo­men­tar a di­fu­são e aces­so ao li­vro nas zo­nas mais re­mo­tas de An­go­la; 2º re­ac­ti­var as bol­sas de cri­a­ção ar­tís­ti­ca; 3º re­a­bi­li­ta­ção dos mu­seus e sa­las de ci­ne­ma es­pa­lha­das pe­lo país, de mo­do a fo­men­tar o tu­ris­mo cul­tu­ral; 4º em co­la­bo­ra­ção com o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção ela­bo­rar o Pla­no Na­ci­o­nal de Lei­tu­ra; 5º cons­tru­ção de sa­las de te­a­tro, de ex­po­si­ções, ci­ne­ma, lei­tu­ra, ou em resumo CA­SAS DE CUL­TU­RA MU­NI­CI­PAL que po­dem al­ber­gar as vá­ri­as dis­ci­pli­nas ar­tís­ti­cas; 6º En­con­tros de con­cer­ta­ção cul­tu­ral. De des­ta­car que as seis ini­ci­a­ti­vas apre­sen­ta­das são su­ges­tões e não cons­tam de al­gum pro­gra­ma mi­nis­te­ri­al vi­gen­te. O Dia da Cul­tu­ra Na­ci­o­nal de An­go­la foi ins­ti­tuí­do em 1986, após o dis­cur­so pro­nun­ci­a­do pe­lo pri­mei­ro Pre­si­den­te an­go­la­no, António Agos­ti­nho Ne­to, em 1979, na to­ma­da de pos­se dos cor­pos ge­ren­tes da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos (UEA). “No con­tex­to an­go­la­no, a ex­pres­são cul­tu­ral re­sul­ta se­não de có­pia, e por en­quan­to pe­lo me- nos do re­sul­ta­do de uma acul­tu­ra­ção se­cu­lar, pre­ten­den­do re­flec­tir a evo­lu­ção ma­te­ri­al do po­vo, que de in­de­pen­den­te se tor­nou sub­mis­so e com­ple­ta­men­te de­pen­den­te pa­ra vol­tar a ser in­de­pen­den­te em no­vas con­di­ções. Há que re­cor­rer de no­vo à nos­sa re­a­li­da­de, sem chau­vi­nis­mos, e sem re­nun­ci­ar­mos à nos­sa vo­ca­ção uni­ver­sa­lis­ta,” as­se­ve­rou Agos­ti­nho Ne­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.