O FE­NÓ­ME­NO DA COR­RUP­ÇÃO

AN­GO­LA

Folha 8 - - DESPORTO -

a tra­di­ção po­lí­ti­ca, so­ci­al, eco­nó­mi­ca e cul­tu­ral dos Po­vos Ban­tu cons­ti­tuin­tes do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal de An­go­la não há re­fe­rên­ci­as à prá­ti­ca da cor­rup­ção no pe­río­do da Áfri­ca Pré-co­lo­ni­al. No Con­ti­nen­te Afri­ca­no, a evo­lu­ção de gru­pos so­ci­ais clâ­ni­cos pa­ra co­mu­ni­da­de na­ci­o­nal, se­guiu o mes­mo pa­drão de ou­tros po­vos, em­bo­ra in­flu­en­ci­a­das pe­las for­mas de or­ga­ni­za­ção ins­ti­tu­ci­o­nal da po­lí­ti­ca, da eco­no­mia, da so­ci­e­da­de e da cul­tu­ra com es­pe­ci­fi­ci­da­des pró­pri­as. A im­po­si­ção dos co­nhe­ci­men­tos so­bre a mi­ne­ra­ção, fun­di­ção e tra­ba­lho de fer­ro, a agri­cul­tu­ra fun­da­da na tec­no­lo­gia in­tro­du­zi­da pe­lo do­mi­nio so­bre os me­tais, o trá­fi­co co­mer­ci­al e ou­tras ocor­rên­ci­as de de­sen­vol­vi­men­to da so­ci­e­da­de po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca, so­ci­al e cul­tu­ral le­vou as so­ci­e­da­des pré-co­lo­ni­ais de An­go­la a no­vas for­mas de or­ga­ni­za­ção. Nes­te pe­río­do o fe­nó­me­no da es­cra­va­tu­ra que te­ria ini­ci­a­do com a cor­rup­ção das ins­ti­tui­ções des­tes rei­nos, foi re­sol­vi­do de for­ma di­fe­ren­te do fe­nó­me­no de es­cra­va­tu­ra ex­tra­con­ti­nen­tal fei­ta pe­los po­vos ára­bes e eu­ro­peus. Aqui, os es­cra­vos eram in­te­gra­dos na co­mu­ni­da­de co­mo fa­mí­li­as com a ob­ten­ção de di­rei­tos de pos­se da ter­ra, de ca­sa­men­to, de par­ti­ci­pa­ção nas “Om­ba­la” co­mo “on­gan­jis”, de se­rem sol­da­dos do rei­no e ou­tros di­rei­tos. Os Reis vi­vi­am do tri­bu­to de to­dos súb­di­tos do rei­no, as elí­tes po­lí­ti­cas, eco­nó­mi­cas, so­ci­ais e cul­tu­rais tam­bém vi­vi­am des­ses tri­bu­tos dos súb­di­tos a si agre­ga­dos. A cor­rup­ção era um fe­nó­me­no des­co­nhe­ci­do nes­tas so­ci­e­da­des e de for­ma ge­né­ri­ca em re­la­ção a to­dos ban­tus, Cathe­ri­ne Co­query-vi­dro­vit­ch em “A Des­co­ber­ta de Áfri­ca” e Jo­seph Ki-zer­bo em “His­tó­ria da Áfri­ca Ne­gra” tes­te­mu­nha­ram es­ta con­clu­são atra­vés da pro­fun­da in­ves­ti­ga­ção que fi­ze­ram. Na Áfri­ca Pós-co­lo­ni­al, a cor­rup­ção só co­me­ça a ser denunciada a par­tir dos anos no­ven­ta do sé­cu­lo XX. As aná­li­ses ex­plo­ra­tó­ri­as le­va­das a ca­bo até aqui mos­tram que a va­riá­vel le­ga­do co­lo­ni­al apa­re­ce sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te re­la­ci­o­na­da com os ní­veis de cor­rup­ção, ao pas­so que não exis­te qual­quer re­la­ção com os ní­veis de po­bre­za hu­ma­na, ape­sar de es­tas aná­li­ses ne­ces­si­ta­rem de es­tu­dos mais apro­fu­da­dos no fu­tu­ro. Pre­sen­te­men­te, o fe­nó­me­no da cor­rup­ção pas­sou da Agen­da Na­ci­o­nal pa­ra Agen­da Glo­bal e de acor­do com Ana Ma­ria Du­ar­te Fra­de no li­vro “A Cor­rup­ção no Es­ta­do Pós-co­lo­ni­al em Áfri­ca – Du­as Vi­sões Li­te­rá­ri­as”, na in­tro­du­ção nos diz o se­guin­te: “A cor­rup­ção não co­nhe­ce fron­tei­ras ge­o­grá­fi­cas nem his­tó­ri­cas. O fe­nó­me­no atin­ge to­das as so­ci­e­da­des e po­de­rá pôr em cau­sa o pró­prio sis­te­ma de­mo­crá­ti­co. O su­frá­gio, mes­mo quan­do, efec­ti­va­men­te, é uni­ver­sal e di­rec­to, po­de não ter em con­ta cer­tas re­a­li­da­des ocul­tas que con­tri­bu­em pa­ra adul­te­rar a jus­ti­ça dos seus re­sul­ta­dos. O fi­nan­ci­a­men­to dos par­ti­dos po­lí­ti­cos, os jobs for the boys, a pro­mis­cui­da­de en­tre o mun­do do fu­te­bol e o po­der lo­cal, o apa­re­ci­men­to de po­de­ro­sas or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas à es­ca­la glo­bal ge­ram ou­tras for­mas de re­pre­sen­ta­ção, me­ca­nis­mos de po­der e de con­tra­po­der que se so­bre­põem ao mo­do nor­mal e le­gí­ti­mo do exer­cí­cio da so­be­ra­nia”. É exac­ta­men­te o que es­tá acon­te­cer em An­go­la. Por­que a cor­rup­ção das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do vi­sou a cons­ti­tui­ção do gru­po do­mi­nan­te e a sub­ver­são do “Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to” com a cor­rup­ção das elí­tes di­ri­gen­tes nos par­ti­dos na opo­si­ção e sua in­fil­tra­ção co­mo vi­a­bi­li­za- do­res do do­mí­nio po­lí­ti­co, eco­nó­mi­co, so­ci­al e cul­tu­ral do MPLA que pas­sou a ga­nhar to­das as elei­ções de for­ma fa­ci­li­ta­da e ne­go­ci­a­da. Os opo­si­to­res a es­ta si­tu­a­ção den­tro des­ses par­ti­dos pas­sa­ram a ser per­se­gui­dos ao pon­to de al­guns se­rem mor­tos e ou­tros em pe­ri­go per­ma­nen­te. O cor­rup­tor em An­go­la per­se­guiu fins de he­ge­mo­nia po­lí­ti­ca, o cor­rom­pi­do cum­priu fins de des­trui­ção de ins­ti­tui­ções na­ci­o­na­lis­tas (FNLA, MPLA e UNITA) e o po­vo a vi­ti­ma. Por is­so, a lu­ta con­tra a cor­rup­ção ur­ge le­vá-la a ca­bo com to­da se­ri­e­da­de e ener­gia que o as­sun­to me­re­ce. A nos­sa or­dem ins­ti­tuin­te e cons­ti­tuin­te de­via con­si­de­rar o cri­me da cor­rup­ção co­mo um cri­me ina­fi­an­çá­vel e im­pres­cri­tí­vel, mas sem a ba­na­li­za­ção des­ses con­cei­tos pa­ra se evi­tar a in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca. As ins­ti­tui­ções de di­rei­to de­vem em pri­mei­ro lu­gar ser mo­ra­li­za­das e au­men­ta­das por mais ser­vi­do­res pú­bli­cos não cor­rom­pi­dos. Em se­gun­do lu­gar me­lho­rar a le­gis­la­ção an­ti­cor­rup­ção. Em ter­cei­ro lu­gar in­ves­tir nos qua­dros e in- fra­es­tru­tu­ras do sis­te­ma car­ce­rá­rio. Em quar­to lu­gar adop­tar po­lí­ti­cas e es­tra­té­gi­as de es­ta­do ali­nha­das com as me­lho­res prá­ti­cas de com­ba­te a cor­rup­ção de for­ma a se po­der apro­fun­dar o es­cla­re­ci­men­to de to­dos os ac­tos de cor­rup­ção em An­go­la e sem es­con­der na­da e nin­guém. Em tu­do is­so, de­ve-se con­si­de­rar as pes­so­as vi­sa­das co­mo ino­cen­tes an­tes de se pro­var o con­trá­rio e es­sas pes­so­as de­vem se co­lo­car vo­lun­ta­ri­a­men­te pron­tas a es­cla­re­cer as acu­sa­ções de que são al­vos e não es­con­der-se nas ins­ti­tui­ções (Par­ti­dos Po­lí­ti­cos, As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Go­ver­no, Po­der Ju­di­ci­al, Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca) por­que seus ac­tos são ac­tos pes­so­ais e não das ins­tiui­ções on­de se en­con­tram. Na lu­ta con­tra a cor­rup­ção as es­tru­tu­ras das FAA, da Po­li­cia Na­ci­o­nal e da Se­gu­ran­ça do Es­ta­do não se­jam ins­tru­men­ta­li­za­das pa­ra fins pes­so­ais ou de gru­po. Es­tas ins­ti­tui­ções são o úni­co ga­ran­te da so­be­ra­nia e da paz em An­go­la. O es­pí­ri­to de con­so­li­da­ção do sis­te­ma de­mo­crá­ti­co e de di­rei­to em An­go­la não tem re­tor­no. A ca­mi­nha­da foi lon­ga e tor­tu­o­sa. Os sau­do­sis­tas per­ten­cem ao pas­sa­do. Os que se es­con­dem nos cha­vões da lu­ta dos Mais Ve­lhos que na­da têm ha­ver com eles são os opor­tu­nis­tas da de­ca­pi­ta­ção da me­mó­ria na­ci­o­nal. Sem pas­sa­do não se cons­trói o fu­tu­ro e sem fu­tu­ro não se­re­mos An­go­la que que­re­mos con­ti­nu­ar a ser. Re­sol­va­mos os nos­sos pro­ble­mas nós mes­mos, mas sem ran­co­res ou res­sen­ti­men­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.