Al­da La­ra: tex­tos dis­per­sos

Jornal Cultura - - Letras - Ana Paula Ber­nar­do

Na sequên­cia da apre­sen­ta­ção dos pri­mei­ros es­cri­tos de Al­da La­ra, na ru­bri­ca Tex­tos Dis­per­sos, da edi­ção do nº42 des­te jor­nal, pro­po­mos ago­ra a lei­tu­ra de um ar­ti­go des­ta sau­do­sa au­to­ra, “O Pro is­si­o­na­lis­mo da Mu­lher no Sul de An­go­la”, pu­bli­ca­do em Lis­boa, noJor­nal Ma­ga­zi­ne da Mu­lher, em 1950, al­guns me­ses de­pois de Al­da ter com­ple­ta­do 20 anos de ida­de.

A re­fe­ri­da pu­bli­ca­ção, men­sal, foi fun­da­da e di­ri­gi­da pe­la tam­bém ben­gue­len­se, jor­na­lis­ta e es­cri­to­ra, Lília da Fonseca. Es­te men­sá­rio as­su­mi­a­se, à par­ti­da, co­mo um pro­jec­to cu­jo ob­jec­ti­vo era cri­ar um pe­rió­di­co de­di­ca­do aos pro­ble­mas e in­te­res­ses das mu­lhe­res, abran­gen­te, de­si­ni­bi­do e ac­tu­a­li­za­do. No edi­to­ri­al do pri­mei­ro nú­me­ro po­de--se ler que “es­ta não pre­ten­de ser ape­nas uma re­vis­ta de mo­das, cu­li­ná­ria, tra­ta­men­tos de be­le­za, pro­ces­sos de ti­rar nó­do­as”, por­que “re­le­gar o poder de com­pre­en­são e in­te­res­se da mu­lher ape­nas pa­ra es­tes as­sun­tos es­pe­cí icos, é des­pres­ti­giá-la na sua qua­li­da­de de ser pen­san­te e, o que ain­da é mais, es­ta­be­le­cer uma te­o­ria de­sar­ti­cu­la­da da re­a­li­da­de que vivemos.”

A re­vis­ta, pu­bli­ca­da de 1950 a 1956, num to­tal de 52 nú­me­ros, re lec­ti­rá so­bre a vi­da da mu­lher em vá­ri­os do­mí­ni­os. Su­bli­nha­rá a evo­lu­ção e va­lor da sua par­ti­ci­pa­ção ao lon­go dos tem­pos - o seu pa­pel no mun­do la­bo­ral, na co­o­pe­ra­ção e ma­nu­ten­ção do lar, a sua con­di­ção de tra­ve mes­tra da fa­mí­lia - a sua cons­tân­cia na lu­ta pe­la vi­da, na edu­ca­ção dos ilhos, na ex­pres­são de no­vos an­sei­os co­mo de ide­ais de sem­pre. Nes­te sen­ti­do, a tá­bua de ma­té­ri­as do Jor­nal Ma­ga­zi­ne da Mu­lher in­cluía ru­bri­cas tão di­ver­sas co­moA Mu­lher Atra­vés dos Tem­pos, En­tre­vis­tas, Re­por­ta­gem, Bi­o­gra ias, Pá­gi­na de Áfri­ca, Edu­ca­ção, Li­te­ra­tu­ra, Ci­ne­ma, Fi­gu­ri­nos, Be­le­za e Pen­te­a­dos, As­sun­tos Prá­ti­cos e do Lar que, no es­sen­ci­al, se fo­ram man­ten­do, com pe­que­nas va­ri­an­tes, du­ran­te os seis anos da sua pu­bli­ca­ção.

Res­sal­ta­mos, a pro­pó­si­to, as cons­tan­tes pre­o­cu­pa­ções des­te pro­jec­to edi­to­ri­al pa­ra com as vi­vên­ci­as hu­ma­nas, não só em Por­tu­gal e na Eu­ro­pa, co­mo nas la­ti­tu­des afri­ca­nas. As­si­na­la­mos, por exem­plo, o des­ta­que da­do em nú­me­ros es­pe­ci­ais in­tei­ra­men­te de­di­ca­dos à igu­ra fe­mi­ni­na na Gui­né. Nos vá­ri­os ar­ti­gos que com­põem es­tes nú­me­ros, é da­da ên­fa­se, en­tão pou­co usu­al, ao lu­gar de re­le­vo ocu­pa­do pe­las mu­lhe­res Man­ja­ca, Man­din­ga e Fe­lu­pe acen­tu­an­do-se, des­te mo­do, o seu pa­pel, de­ter­mi­nan­te nas to­ma­das de de­ci­são e na ges­tão da vi­da des­sas co­mu­ni­da­des, bem co­mo a sua te­na­ci­da­de pe­ran­te as ad­ver­si­da­des. Es­se dos­siê con­tou com di­ver­sos co­la­bo­ra­do­res.

Pa­ra além des­sas pre­o­cu­pa­ções, acres­ce o fac­to de o au­men­to mas­si­vo da po­pu­la­ção eu­ro­peia em An­go­la, a par­tir da dé­ca­da de 1940, acen­tu­a­da de­pois do inal da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, ser um ele­men­to que, nes­te en­qua­dra­men­to, não se po­de dei­xar de le­var em li­nha em con­ta. Na­que­le con­tex­to tem­po­ral, o pa­pel do ele­men­to fe­mi­ni­no nas mu­dan­ças en­tão em cur­so as­su­miu-se nu­ma a ir­ma­ção gra­du­al­men­te cres­cen­te. O nú­me­ro avul­ta­do de ho­mens mor­tos na Guer­ra per­mi­tiu mar­car, de for­ma ca­da vez mais ac­ti­va, a in­ter­ven­ção das mu­lhe­res na so­ci­e­da­de. Além dis­so, o acrés­ci­mo do nú­me­ro de mu­lhe­res com aces­so à ins­tru­ção fa­vo­re­ceu uma ac­tu­a­ção com mai­or no­to­ri­e­da­de.

Em evi­den­te iden­ti ica­ção com an­sei­os e pro­pó­si­tos da li­nha edi­to­ri­al atrás enun­ci­a­da, Al­da La­ra co­la­bo­ra num dos pri­mei­ros nú­me­ros do Jor­nal Ma­ga­zi­ne da Mu­lher, nu­ma edi­ção de De­zem­bro. Nes­te ar­ti­go, as po­si­ções por ela as­su­mi­das con­tra­ri­am a ideia que, na en­tão Me­tró­po­le, co­mum­men­te, se vei­cu­la­va so­bre o pa­pel da mu­lher nas an­ti­gas co­ló­ni­as por­tu­gue­sas, no­me­a­da­men­te em An­go­la. Op­tan­do por um re­gis­to en­tre o in­for­ma­ti­vo e o opi­na­ti­vo, apre­sen­ta da­dos re­la­ti­vos à par­ti­ci­pa­ção su­pos­ta­men­te me­nor da mu­lher an­go­la­na, quer quan­to à per­cen­ta­gem de in­ter­ve­ni­en­tes en­vol­vi­das, quer quan­to à sua dis­tri­bui­ção no ter­re­no, por ra­mo de ac­ti­vi­da­de e ti­po­lo­gi­as de de­sem­pe­nho la­bo­ral. Al­da acen­tua mu­dan­ças ocor­ri­das nas atri­bui­ções so­ci­ais da mu­lher no Sul da An­go­la en­tre a dé­ca­da de 1940 e 1950, apon­ta cau­sas e pers­pec­ti­va o futuro a dez anos, re­la­ti­va­men­te ao mi­nis­té­rio da mu­lher na so­ci­e­da­de an­go­la­na.

E sem es­ca­mo­te­ar a pre­men­te ques­tão das de­si­gual­da­des no aces­so ao mun­do do tra­ba­lho, Al­da La­ra não des­va­lo­ri­za a im­por­tân­cia da li­da do­més­ti­ca ou da plan­ta­ção e co­lhei­ta de pro­du­tos agrí­co­las, ta­re­fas ne­ces­sá­ri­as à sub­sis­tên­cia da fa­mí­lia e ge­ral­men­te a car­go da mu­lher ne­gra, sem aces­so à es­co­la. Da agri­cul­tu­ra à in­dús­tria, pas­san­do pe­lo sec­tor ter­ciá­rio, Al­da apre­sen­ta ele­men­tos con­cre­tos da in­ser­ção da mu­lher no mun­do la­bo­ral, nos mais di­ver­sos do­mí­ni­os.

Mas, ple­na­men­te cons­ci­en­te da es­tra­ti ica­ção e dis­cre­pân­ci­as so­ci­ais que afec­ta­vam a mu­lher, o ape­lo inal do tex­to é di­ri­gi­do a to­das as que, nas­ci­das em An­go­la, bran­cas, ne­gras e mes­ti­ças, es­tu­da­vam na Eu­ro­pa, ad­qui­rin­do co­nhe­ci­men­tos e com­pe­tên­ci­as nas vá­ri­as áre­as do sa­ber. O seu de­se­jo era que es­tes sa­be­res fos­sem, num futuro pró­xi­mo, pos­tos ao ser­vi­ço da po­pu­la­ção an­go­la­na.

As in­for­ma­ções de que ho­je dis­po­mos, con­sen­tem a a ir­ma­ção de que es­se de­síg­nio se ma­ni­fes­tou, pos­te­ri­or­men­te, na sua to­ma­da de de­ci­são. Ter­mi­na­do o cur­so de Me­di­ci­na, em Coim­bra, vol­tou pa­ra An­go­la cum­prin­do uma von­ta­de ex­pres­sa cer­ca de dez anos an­tes, ti­rar um cur­so que pu­des­se ser útil no seu país. Des­te exer­cí­cio de ob­ser­va­ção da re­a­li­da­de cir­cun­dan­te e pen­sa­men­to atu­ra­do so­bre o mun­do, no tem­po em que vi­veu, re­sul­ta ar­gu­men­ta­ção con­sis­ten­te e rei­te­ra­da so­bre al­gu­mas das in­qui­e­tu­des e an­sei­os des­ta mu­lher, a que se jun­ta o seu exem­plo de di­li­gên­cia e so­li­dá­rio hu­ma­nis­mo.

na mai­or par­te dos ca­sos mal fa­lam o por­tu­guês. Es­se tra­ba­lho con­sis­te prin­ci­pal­men­te na co­lhei­ta de pro­du­tos agrí­co­las do Sul, tais co­mo, o al­go­dão o fei­jão, a mas­sam­ba­la, e ou­tros. Igual­men­te se empregam na pre­pa­ra­ção da ibra. E aqui as mu­lhe­res ne­gras cor­tam as fo­lhas ao si­sal, con­du­zem-no, es­ten­dem-no e se­cam-no. Só na «Fa­zen­da Au­ro­ra» (ex­ten­sa fa­zen­da de si­sal, a 30 km da Vi­la Tei­xei­ra da Sil­va), as mu­lhe­res re­pre­sen­tam 10% do pessoal. E nas vá­ri­as cul­tu­ras do al­go­dão, 50% dos cul­ti­va­do­res in­dí­ge­nas são mu­lhe­res.

Por ou­tro la­do, à me­di­da que o ní­vel de ins­tru­ção pas­sa de nu­lo a po­si­ti­vo, en­con­tra­mos mu­lhe­res que, sa­ben­do já ler e es­cre­ver, se empregam nas fá­bri­cas. Nes­te ca­so dei­xa de ha­ver pre­do­mí­nio ex­clu­si­vo das mu­lhe­res ne­gras, pa­ra se en­con­tra­rem já tra­ba­lhan­do, la­do a la­do com elas, mes­ti­ças e bran­cas. É prin­ci­pal­men­te na re­gião de Mo­çâ­me­des e Sá da Ban­dei­ra que is­to se dá. Aí as mu­lhe­res em­pre­gam­se, nas fá­bri­cas de cou­ros, co­mo «ajun­ta­dei­ras» e, nas fá­bri­cas de con­ser­vas, co­mo «en­la­ta­dei­ras». Pa­ra exem­pli icar, pos­so ci­tar as mu­lhe­res que se empregam na fá­bri­ca de «Sea- bra de Azevedo», tra­ba­lhan­do co­mo ajun­ta­dei­ras, e que re­pre­sen­tam, em tem­po nor­mal de tra­ba­lho, cer­ca de 20% do pessoal. Is­to pas­sa-se em Sá da Ban­dei­ra, en­quan­to em Mo­çâ­me­des en­con­tra­mos mu­lhe­res tra­ba­lhan­do co­mo en­la­ta­dei­ras nas fá­bri­cas de con­ser­vas, prin­ci­pal­men­te na fá­bri­ca de J. Pa­trí­cio Cor­reia, on­de re­pre­sen­tam cer­ca de 30% do pessoal.

Em fa­ce des­tes nú­me­ros, quer re­fe­rin­do-nos ape­nas ao tra­ba­lho agrí­co­la, quer ao tra­ba­lho nas fá­bri­cas, po­de­re­mos já por aqui cal­cu­lar a im­por­tân­cia que, num futuro pró­xi­mo, te­rá a mão de obra fe­mi­ni­na nos tra­ba­lhos da co­ló­nia que a fo­rem so­li­ci­tan­do.

Se­gui­da­men­te te­mos a con­si­de­rar o pro is­si­o­na­lis­mo cor­res­pon­den­te a um ní­vel de ins­tru­ção mé­dia.Nes­te sec­tor en­con­tra­mos ra­ros ele­men­tos ne­gros e pre­do­mi­nan­te­men­te de mes­ti­ças e bran­cas. São prin­ci­pal­men­te aque­las ra­pa­ri­gas que, uma vez ad­qui­ri­do o cur­so dos li­ceus, ou co­nhe­ci­men­tos que o subs­ti­tu­am, in­va­dem o Sul da Co­ló­nia, mas prin­ci­pal­men­te a Pro­vín­cia de Ben­gue­la, pa­ra se­rem dac­ti­ló­gra­fas, pro­fes­so­ras primárias, en­fer­mei­ras, ana­lis­tas, em­pre­ga­das dos es­ta­be­le­ci­men­tos pú­bli­cos (Zo­na es­co­lar, Ad­mi­nis­tra­ção, Fa­zen­da, etc.), «cai­xas» e mo­dis­tas.

Pa­ra ci­tar nú­me­ros, po­de­rei di­zer que, na ci­da­de de Ben­gue­la, as ra­pa­ri­gas em­pre­ga­das nos Cor­rei­os e Te­lé­gra­fos, re­pre­sen­tam, já ho­je, cer­ca de 10% do pessoal. E is­to pa­ra não fa­lar no ca­so do pro­fes­so­ra­do, on­de o nú­me­ro de ele­men­tos fe­mi­ni­nos em­pre­ga­dos quer nas es­co­las das ci­da­des, quer nos pos­tos es­co­la­res, é su­pe­ri­or ao dos ele­men­tos mas­cu­li­nos. Pos­so mes­mo a ir­mar que, nos pró­xi­mos anos, o en­si­no da cri­an­ça em An­go­la, de­ve es­tar qua­se ex­clu­si­va­men­te de­pen­den­te da Mu­lher.

Fi­nal­men­te, fa­lan­do de pro is­si­o­na­lis­mo cor­res­pon­den­te a um ní­vel de ins­tru­ção su­pe­ri­or, qu­e­ro re­fe­rir-me aqui, àque­las pro­fes­so­ras li­ce­ais que têm en­si­na­do, quer no Li­ceu Na­ci­o­nal Di­o­go Cão – úni­co do Sul de An­go­la – quer nos Co­lé­gi­os par­ti­cu­la­res, e mui­tas ve­zes até em sua pró­pria ca­sa, to­das pro­por­ci­o­nan­do à ju­ven­tu­de fe­mi­ni­na do Sul de An­go­la uma ins­tru­ção e uma edu­ca­ção que du­ran­te anos e anos fal­tou por com­ple­to. Qu­e­ro re­fe­rir-me tam­bém às pou­cas mé­di­cas que têm aparecido por es­sas pa­ra­gens, e às pou­cas far­ma­cêu­ti­cas que por aí se têm ixa­do. To­das es­sas mu­lhe­res, to­das es­sas dou­to­ras, têm re­pre­sen­ta­do o pro is­si­o­na­lis­mo da mu­lher no Sul de An­go­la, no seu mais al­to ní­vel, aque­le que cor­res­pon­de a uma ins­tru­ção su­pe­ri­or. Mas re­fe­rin­do-me a elas, não qu­e­ro icar por aqui, pois são ain­da ele­men­tos im­por­ta­dos da Me­tró­po­le por fac­to­res es­tra­nhos à Co­ló­nia, se­jam eles de or­dem eco­nó­mi­ca ou so­ci­al. Por isso, vou além de­las não ten­do, por ou­tro la­do, na­da mais a que me re­fe­rir, ma­te­ri­al­men­te, se­não a es­sas mu­lhe­res. Mas te­nho-o es­pi­ri­tu­al­men­te. Aqui ica por­tan­to es­sa mi­nha ou­tra re­fe­rên­cia a um pro is­si­o­na­lis­mo que ain­da não exis­te ho­je, mas há-de vir a exis­tir nos pró­xi­mos dez anos (creio sin­ce­ra­men­te!) e que diz res­pei­to àque­las ra­pa­ri­gas, se­jam bran­cas, ne­gras ou mes­ti­ças que, nas­ci­das em An­go­la, ho­je a re­pre­sen­tam em to­das as Fa­cul­da­des da Me­tró­po­le, e vi­rão um dia a pôr a sua vi­da ao ser­vi­ço da Co­ló­nia, co­mo pin­to­ras, es­cri­to­ras, jor­na­lis­tas, mé­di­cas, Dou­to­ras em Di­rei­to, Ci­ên­ci­as ou Agro­no­mia, nu­ma lu­ta de­sin­te­res­sa­da e sin­ce­ra por uma An­go­la mai­or.

Lis­boa, No­vem­bro de 1950

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.