“O Es­pi­nho da Ro­sa” foi a sen­sa­ção

FIC Lu­an­da

Jornal Cultura - - Primeira Página - Nor­ber­to Cos­ta

Ter­mi­nou, dia 21 de No­vem­bro, a 6ª edi­ção do Festival In­ter­na­ci­o­nal de Ci­ne­ma de Lu­an­da (FIC Lu­an­da). Nas no­me­a­ções es­tran­gei­ras, “O Es­pi­nho da Ro­sa” , uma pro­du­ção gui­ne­en­se do re­a­li­za­dor Fe­li­pe Hen­ri­ques, foi con­si­de­ra­da a me­lhor lon­ga-me­tra­gem, de­ci­são es­ta que o cor­po de ju­ra­do sus­ten­tou por reu­nir “num uni­ver­so de qua­ren­ta il­mes os re­qui­si­tos ne­ces­sá­ri­os com mui­ta qua­li­da­de que obri­gou o cor­po de ju­ra­do a um tra­ba­lho in­ten­so e ri­go­ro­so”. Cer­ta­men­te a “sen­sa­ção” do Festival In­ter­na­ci­o­nal de Lu­an­da ao ser um dos il­mes mais acla­ma­dos.

O FIC en­cer­rou com o workshop so­bre “Di­rec­ção de ac­to­res, a promoção de il­mes e do ci­ne­ma an­go­la­no no ex­te­ri­or e em fes­ti­vais internacionais”, além de téc­ni­cas de mon­ta­gem, no­me­a­da­men­te “ ina­li­za­ção e pós-pro­du­ção de cur­ta me­tra­gem”.

Um par­ti­ci­pan­te ao workshop re­fe­riu que a ac­ção for­ma­ti­va foi boa, mas te­ve mais ên­fa­se no úl­ti­mo te­ma, quan­do de­ve­ria ocu­par-se tam­bém da ex­pe­ri­ên­cia de ou­tros países na promoção e divulgação de il­mes, acres­cen­tan­do que a abor­da­gem à di­rec­ção de ac­to­res foi ao de le­ve.

Pedro Ra­ma­lho­so, o di­rec­tor do Ins­ti­tu­to An­go­la­no de Ci­ne­ma, Au­di­o­vi­su­al e Mul­ti­mé­dia (IACAM), des­ta­cou, na aber­tu­ra do festival, ocor­ri­da no dia 15/11, que o jú­ri te­ve a “mis­são es­pi­nho­sa” de se­lec­ci­o­nar os cer­ca de 50 fil­mes con­cor­ren­tes, num con­jun­to de 150.

Os par­ti­ci­pan­tes vi­e­ram da Gui­néBis­sau, Mo­çam­bi­que, Gui­né-Co­na­cry e Na­mí­bia. Da Eu­ro­pa vi­e­ram il­mes de Por­tu­gal, No­ru­e­ga, França e Ho­lan­da. Da Amé­ri­ca che­ga­ram dos Es­ta­dos Uni­dos, Cu­ba e Bra­sil.

A mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ro­sa Cruz e Sil­va, su­bli­nhou que “o Exe­cu­ti­vo vai con­ti­nu­ar a apos­tar em ac­ções de promoção da cul­tu­ra e das ar­tes” e re­fe­riu que o FIC Lu­an­da é “uma opor­tu­ni­da­de ra­ra de for­ta­le­cer os la­ços cul­tu­rais com os países par­ti­ci­pan­tes e os seus pro is­si­o­nais, es­ti­mu­lan­do, as­sim, o in­ter­câm­bio cul­tu­ral en­tre os ci­ne­as­tas es­tran­gei­ros e an­go­la­nos”.

Ro­sa Cruz e Sil­va fri­sou que “es­ta apos­ta ser­ve pa­ra que o ci­ne­ma na­ci­o­nal dê va­zão à ca­pa­ci­da­de cri­a­do­ra dos pro is­si­o­nais an­go­la­nos e pos­sa ofe­re­cer mo­men­tos de en­tre­te­ni­men­to e divulgação do sa­ber aos ci­da­dãos, com es­pe­ci­al re­al­ce pa­ra os jo­vens”, ao mes­mo tem­po que o FIC Lu­an­da “ser­ve, igual­men­te, pa­ra a promoção da in­dús­tria do ci­ne­ma e dos au­di­o­vi­su­ais, sen­do uma opor­tu­ni­da­de pa­ra pro­por­ci­o­nar ao pú­bli­co in­te­res­sa­do na Sé­ti­ma Ar­te a pos­si­bi­li­da­de de ver il­mes pre­mi­a­dos in­ter­na­ci­o­nal­men­te e que não fo­ram exi­bi­dos nas nos­sas sa­las de ci­ne­ma”.

Du­ran­te o cer­ta­me fo­ram apre­sen­ta­dos il­mes dos mais di­ver­sos ma­ti­zes e nu­an­ces, co­mo do­cu­men­tá­ri­os e ic­ção, cur­tas e lon­gas me­tra­gens, que for­ne­ce­ram di­ver­sos es­tá­gi­os his­tó­ri­cos, bem co­mo a dis­pa­ri­da­de eco­nó­mi­ca à es­ca­la pla­ne­tá­ria, além da di­ver­si­da­de so­ci­al, cul­tu­ral e até es­pi­ri­tu­al das di­ver­sas co­mu­ni­da­des, em que se ba­se­a­ram as ce­nas que com­põem os en­re­dos dos il­mes.

A ti­pi­ci­da­de do am­bi­en­te ísi­co, so­ci­al e hu­ma­no da Amé­ri­ca La­ti­na, por exem­plo, o dra­ma da es­cra­va­tu­ra no Bra­sil, tra­du­zi­do no il­me “A Cruz de Ca­bin­da”, no­me do pro­ta­go­nis­ta que era, pro­va­vel­men­te, des­cen­den­te de es­cra­vos oriun­dos de An­go­la, o ca­lor tro­pi­cal da Áfri­ca e su­as tra­di­ções, a po­li­ga­mia e o frio da Eu­ro­pa em cri­se que ten­ta a re­ge­ne­ra­ção, sem pre­juí­zo da for­ça ci­ne­ma­to­grá ica dos EUA.

É de re­al­çar o não me­nos es­pec­ta­cu­lar e emo­ci­o­nan­te il­me o “Gran­de Ki­la­pi”, de Ze­zê Gam­boa, que pren­deu a aten­ção do pú­bli­co que acor­reu ao Ci­ne Atlân­ti­co na ses­são inau­gu­ral, ape­sar de ocu­par ape­nas me­ta­de da vas­ta sa­la.

No­ta do­mi­nan­te nes­ta edi­ção do FIC Lu­an­da que irá mar­car, de ini­ti­va­men­te, a história do ci­ne­ma an­go­la­no, em ter­mos, pe­lo me­nos, da re­cep­ção, foi a ino­va­ção in­tro­du­zi­da, con­sa­gra­da às ma­ti­nées in­fan­tis, com ob­jec­ti­vo di­dác­ti­co, ex­ten­si­vas a lo­cais da pe­ri­fe­ria da ca­pi­tal.

A tor­ren­te de il­mes que o pú­bli­co as­sis­tiu no FIC Lu­an­da con­cor­re pa­ra o cul­ti­vo do bom gos­to es­té­ti­co, pe­lo que há que po­ten­ci­ar fu­tu­ros in­te­res­sa­dos no cul­ti­vo da Sé­ti­ma Ar­te em An­go­la. As po­ten­ci­a­li­da­des cri­a­ti­vas es­tão es­tri­ba­das nos jo­vens que se ha­bi­li­tam ac­tu­al­men­te no do­cu­men­tá­rio, ain­da que sem a qua­li­da­de téc­ni­ca re­que­ri­da.

A frequên­cia, so­bre­tu­do dos jo­vens ci­ne­as­tas e ci­né ilos an­go­la­nos, ao pal­co on­de de­cor­reu o FIC Lu­an­da ul­tra­pas­sou a ex­pec­ta­ti­va dos or­ga­ni­za­do­res, con­for­me es­tes re­co­nhe­ce­ram com or­gu­lho.

“An­go­la Ano Ze­ro” dis­tin­gui­do

No ge­ral, o jú­ri - pre­si­di­do por Djal­ma Luís Félix Lou­ren­ço, di­re­tor do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Au­di­o­vi­su­al e Ci­ne­ma de Mo­çam­bi­que, te­ve a men­sa­gem, o ar­gu­men­to, a tri­lha so­no­ra, a pro­du­ção e a re­a­li­za­ção co­mo prin­ci­pais ele­men­tos.

Dos na­ci­o­nais, “An­go­la Ano Ze­ro”, do re­a­li­za­dor Ever M. Pa­lá­cio, foi o me­lhor do­cu­men­tá­rio na­ci­o­nal; “A Pro­mes­sa”, do re­a­li­za­dor Mi­chel M. An­tó­nio, foi a me­lhor cur­ta-me­tra­gem na­ci­o­nal. O jú­ri não atri­bui o pré­mio de me­lhor lon­ga-me­tra­gem na­ci­o­nal. Quan­to a es­te va­zio, Djal­ma Luís Félix Lou­ren­ço jus­ti­fi­cou que “os fil­mes na­ci­o­nais que con­cor­ri­am não ofe­re­ci­am as qua­li­da­des exi­gi­das, so­bre­tu­do na men­sa­gem, pro­du­ção e re­a­li­za­ção, e su­ge­re tam­bém à or­ga­ni­za­ção do FIC “uma me­lhor ri­go­ro­si­da­de na se­le­ção dos fil­mes das pró­xi­mas edi­ções”.

De “O Es­pi­nho da Ro­sa”, de Fe­li­pe Fer­nan­des ( já com o ga­lar­dão em mão) pu­de­mos sa­ber que o il­me é um dra­ma que abor­da de for­ma mor­daz a história de uma me­ni­na que é vá­ri­as ve­zes mo­les­ta­da pe­lo pai. Quan­to ao tí­tu­lo, o re­a­li­za­dor ex­pli­cou que o es­co­lheu por se tra­tar de uma vin­gan­ça que a me­ni­na faz de­pois da sua mor­te, cau­sa­da por uma ten­ta­ti­va de abor­to.

“Tan­go Ne­gro”, do re­a­li­za­dor Dom Pedro, foi o me­lhor do­cu­men­tá­rio es­tran­gei­ro; “Try”, do re­a­li­za­dor na­mi­bi­a­no Jo­el Hai­ka­li, foi a me­lhor cur­ta­me­tra­gem es­tran­gei­ra.

“O Gran­de Ki­lapy”, do re­a­li­za­dor an­go­la­no Ze­zé Gam­boa, foi o “pré­mio es­pe­ci­al do jú­ri. “Ka­pos­so­ca es­tá Bo­ni­to”, dos re­a­li­za­do­res Ma­nu­el Ser­ra­no e Car­la Chas­co (Es­pa­nha-Aan­go­la), “Ro­ad to Man­dahil”, do re­a­li­za­dor zam­bi­a­no Jo­nes Na­si­le­le, “Im­pu­ni­da­de Cri­mi­no­sa”, do re­a­li­za­dor mo­çam­bi­ca­no Sol de Car­va­lho, e “Rio Lo­co”, do an­go­la­no Ngu­xi dos Santos, re­ce­be­ram men­ções hon­ro­sas.

Dom Pedro, Ro­sa Cruz e Sil­va e Fe­li­pe Hen­ri­ques

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.