Po­e­sia do jazz

Am­bro­se Akin­mu­si­re

Jornal Cultura - - Primeira Página - Jo­sé Luís Men­don­ça

Um po­e­ma de jazz per­cor­re a noi­te co­mo se fos­se uma tar­de de do­min­go, clí­max eró­ti­co, vi­a­gem in­ter­con­ti­nen­tal so­bre on­das salgadas, exér­ci­to de sen­ti­men­tos con­quis­tan­do as mar­gens do Ser, dor, di­ges­tão do va­zio, ca­os me­tá­li­co.

Na­tu­re­za mor­ta, sangue se­co de um deus ine­xis­ten­te na pon­ta do trom­pe­te má­gi­co de Am­bro­se Akin­mu­si­re. E se to­cas­se no Car­na­val de Lu­an­da?

Quan­tas ve­zes Ha­rish Ragha­van car­re­gou aque­le bai­xo às cos­tas até apren­der a sa­car-lhe aque­le som do nosso chin­gu­fu? Diá­lo­go com o pi­a­no de Sam Har­ris. Triá­lo­go – sa­xo, bai­xo e ba­te­ria. Vai­da­de de areia lim­pa no fun­do do rio: o bai­xo a so­lo. O trom­pe­te en­tre a san­grar e sai, dei­xan­do lu­gar ao pi­a­nís­si­mo vi­brar.

Quan­do en­tra um ras­ta, en­tra uma lo­res­ta nu­ma sa­la. A lo­res­ta che­ga ao cen­tro da al­ma hu­ma­na com a sua re­si­na ca­pi­lar e a sau­da­de de ter­mos si­do pás­sa­ros pri­ma­tas. Ape­te­ce co­mer fru­tos sil­ves­tres. Que ca­em da ár­vo­re mi­to­ló­gi­ca de sons: era bom que o jazz fos­se tam­bém ao lá­bio do mus­se­que.

Es­te quin­te­to de jazz com Akin­mu­si­re (trom­pe­te), Wal­ter Smith (sax te­nor), Ha­rish Ragha­van (bai­xo), Sam Har­ris (pi­a­no) e Mar­cus Gil­mo­re (ba­te­ria) veio a Lu­an­da sau­dar a da­ta na­ci­o­nal, diz Je­ró­ni­mo Be­lo que, de co­mum com o ín­dio apa­che seu xa­rá, pos­sui o dom da per­sis­tên­cia, co­no­ta Am­bro­se Akin­mu­si­re com uma enor­me cons­ci­ên­cia da tra­di­ção jaz­zís­ti­ca nor­te­a­me­ri­ca­na e des­ven­da que as eli­tes afri­ca­nas es­tão ca­da vez mais dis­tan­ci­a­das do jazz, ao con­trá­rio do pas­sa­do. Akin­mu­si­re é ilho de pai ni­ge­ri­a­no e es­ta é a sua pri­mei­ra per­for­man­ce em ter­ras dos seus an­te­pas­sa­dos.

De­pois vêm diá­lo­gos en­tre o trom­pe­te e o sa­xo. Du­as aves que se aga­sa­lham mu­tu­a­men­te.

E o pi­a­no de Sam Har­ris é uma pai­sa­gem ur­ba­na após a chu­va, quan­do há uma re­ab­sor­ção da hu­mi­da­de pe­la nos­tal­gia do sem-tem­po, na fron­tei­ra en­tre a in­dús­tria au­to­mó­vel e a co­lhei­ta do al­go­dão. Tudo é bran­co co­mo o so­fri­men­to dos ne­gros do Ala­ba­ma, com a al­ma re­tra­ça­da de blu­es e es­se sol que des­pon­ta na bo­ca do trom­pe­te de Am­bro­se Akin­mu­si­re. O jazz é um po­e­ma. Se lê com os ou­vi­dos da al­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.