Der­ri­são cul­tu­ral

Jornal Cultura - - Primeira Página -

1Nos di­as que cor­rem, sal­vas ra­ras ex­cep­ções, as­sis­te­se a uma gri­tan­te fal­ta de cri­a­ti­vi­da­de no mun­do da Cultura an­go­la­na, prin­ci­pal­men­te no seio dos no­vos au­to­res. Es­ta cons­ta­ta­ção é abran­gen­te aos gé­ne­ros e mo­da­li­da­des das Ar­tes que se a ir­mam atra­vés de um re­gis­to ísi­co pe­re­ne: mú­si­ca, li­te­ra­tu­ra e pin­tu­ra e é um fe­nó­me­no re­sul­tan­te do des­co­nhe­ci­men­to do de­sa io da cri­a­ção ar­tís­ti­ca que é o de­sa io MO­RAL. Sem uma cons­ci­ên­cia éti­ca ele­va­da, nin­guém se po­de a ir­mar co­mo ar­tis­ta ver­da­dei­ro à fa­ce da Ter­ra. A fal­ta des­sa de­ter­mi­na­ção éti­ca en­fer­ma a cultura an­go­la­na de uma do­en­ça que, se não for cu­ra­da a tem­po, tor­nar­se-á cró­ni­ca, pois os sin­to­mas de usur­pa­ção, fal­si ica­ção e pirataria apon­tam já pa­ra um qua­dro clí­ni­co de der­ri­são.

2Há mui­to tem­po que vi­rou mo­da o pú­bli­co aplau­dir o lan­ça­men­to de dis­cos in­tei­ra­men­te pla­gi­a­dos de mú­si­cos in­ter­na­ci­o­nais e até an­go­la­nos, as­sim co­mo vi­rou uso de gen­te sem ima­gi­na­ção de­sin­te­grar tex­tu­al­men­te ou tra­du­zir obras li­te­rá­ri­as co­mo sen­do ori­gi­nais, e pin­to­res nos im­pin­gi­rem tex­tu­ras óv­ni­cas mul­ti­pli­ca­das até ao in ini­to, sob a ca­pa de pin­tu­ra mo­der­na. Che­gou-se ao pon­to de se apre­sen­tar um ma­nu­al in­ti­tu­la­do “O In­glês sem Mes­tre”, co­mo sen­do da au­to­ria de um es­cri­tor.

Pa­re­ce que nes­tes tem­pos que cor­rem até a Cultura se dei­xou in­va­dir pe­la lei do mer­can­ti­lis­mo mais ra­pa­ce, on­de o nar­ci­sis­mo exa­ge­ra­do e o cul­to da au­to-pro­mo­ção atra­vés dos mé­dia é o mo­te de ini­dor dos com­por­ta­men­tos. Co­mo se lê qua­se na­da, nós, os es­cri­to­res, exis­ti­mos por­que os mé­dia as­sim nos de inem. Não há aná­li­se de­mo­ra­da de li­vros, nin­guém se de­tém so­bre as pa­la­vras pa­ra­le­las e as ac­ções que os au­to­res pro­nun­ci­am e exe­cu­tam e é as­sim que se cri­am mi­tos en­ro­la­dos no cul­to da per­so­na­li­da­de. Ó hu­mil­da­de dos gran­des po­e­tas, on­de é que an­das?

Na se­ma­na em que de­cor­ria a pri­mei­ra Fei­ra do li­vro da CPLP, acon­te­ceu um fac­to iné­di­to na his­tó­ria da UEA: apre­sen­ta-se a obra “Con­tin­gên­cia: afec­tos, re­vol­tas e ter­nu­ra” co­mo sen­do de um au­tor, no ca­so Akiz Ne­to, e quem au­to­gra­fa o mes­mo é o ver­da­dei­ro au­tor, o po­e­ta Jo­fre Ro­cha. Uma co­lec­tâ­nea de po­e­mas po­de, sim, ter um pre­fá­cio e ter ori­gem nu­ma se­lec­ção de ou­tro au­tor, mas es­te ou­tro au­tor não é o es­cri­tor ori­gi­nal e por­tan­to o seu no­me não po­de vir no to­po da ca­pa. Tem de es­tar ins­cri­to no in­te­ri­or, co­mo au­tor do pre­fá­cio e da se­lec­ção dos tex­tos. Tam­bém o seu no­me não po­de cons­tar das pá­gi­nas in­te­ri­o­res, so­bre­pos­to a ca­da po­e­ma. Is­so re­pre­sen­ta o des­pre­zo pe­lo tra­ba­lho ár­duo do ver­da­dei­ro au­tor. E quan­do da­mos pal­ma­das nas cos­tas e tro­ca­mos sor­ri­sos na ho­ra dos lan­ça­men­tos é a der­ri­são com­ple­ta.

3Pa­ra es­tor­var a con­ti­nui­da­de des­tes en­sai­os de pirataria des­ca­ra­da, em to­dos os do­mí­ni­os da Cultura Na­ci­o­nal, as as­so­ci­a­ções cul­tu­rais (UEA, UNAP, UNAC) em con­jun­to com a SA­DIA (So­ci­e­da­de An­go­la­na dos Di­rei­tos de Au­tor) pre­ci­sam de se sen­tar e cri­ar me­ca­nis­mos de de­fe­sa do pro­du­to cul­tu­ral ori­gi­nal, se­ja ele na­ci­o­nal ou es­tran­gei­ro.

Não po­de­mos con­ti­nu­ar can­tan­do e rin­do e as­sis­tin­do à que­da do mu­ro in­trans­po­ní­vel da éti­ca e da mo­ral no ven­tre fér­til da Cultura, pa­ri­dei­ra de va­lo­res uni­ver­sais.

Jo­sé Luís Men­don­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.