Njin­ga, Césaire e Man­de­la

Jornal Cultura - - Eco De Angola -

Pa­ra fa­zer a paz com um ini­mi­go de­ve­mos tra­ba­lhar com es­se ini­mi­go, e es­se ini­mi­go tor­na­se um par­cei­ro nosso.”

Nelson Man­de­la

1A rai­nha Njin­ga Mban­di, o po­e­ta Aimé Césaire e o pre­si­den­te Nelson Man­de­la, os três já des­pi­dos do far­do da car­ne que lhes pren­dia a al­ma à Ter­ra, es­tão ali­nha­dos no con­cei­to de pe­re­ni­da­de his­tó­ri­ca pe­lo io lon­ge­vo da con­cór­dia.

Es­tas três igu­ras his­tó­ri­cas pos­su­em em co­mum o dom da con­cór­dia, no sen­ti­do de con­quis­tar um es­pa­ço de tré­guas es­tra­té­gi­cas com os cha­ma­dos ini­mi­gos his­tó­ri­cos no con­tex­to do En­con­tro das Ci­vi­li­za­ções. Por per­ten­ce­rem ou des­cen­de­rem da­que­la fran­ja da Hu­ma­ni­da­de que a Fi­lo­so ia e a Re­li­gião Oci­den­tal con­si­de­ra­ram de ‘me­nos evo­luí­da’ e de ‘ra­ça in­fe­ri­or’ a ser ci­vi­li­za­da atra­vés da opres­são e da ex­plo­ra­ção, Njin­ga, Césaire e Man­de­la pa­re­ce te­rem nas­ci­do os três com o mes­mo poder na­tu­ral de en­fren­tar o opres­sor atra­vés do es­ta­be­le­ci­men­to de acor­dos mú­tu­os e até ce­dên­ci­as pa­ra o con­se­gui­men­to de um va­lor mais al­to pa­ra os seus po­vos: a es­ta­bi­li­da­de so­ci­al. Mas, não nos ilu­da­mos quan­to a qual­quer ten­ta­ti­va de bran­que­a­men­to da História. Os três fo­ram ina­mo­ví­veis quan­do se tra­ta­va da uni­da­de dos seus po­vos. Por es­sa via, fo­ram ‘agra­ci­a­dos’ pe­lo des­ti­no com um tem­po de lon­ge­vi­da­de que pou­cos ou­tros lí­de­res al­can­ça­ram.

2Es­tas re le­xões sur­gem no mo­men­to em que aca­ba de se re­a­li­zar em Lu­an­da o se­mi­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal so­bre Njn­ga a Mban­de e Aimé Césaire, di­as de­pois da mor­te do lí­der his­tó­ri­co sul-afri­ca­no, Nelson Man­de­la. A po­e­ta Te­re­sin­ka Pe­rei­ra diz no seu po­e­ma ‘Man­de­la não Mor­reu’, “A vi­da de Man­de­la/ abar­ca to­do o amor/ em que res­pi­ra/ o Con­ti­nen­te Afri­ca­no/ e to­do o mun­do/ que apren­deu a con­vi­ver/ em um ar­co­íris de co­res/ so­le­ne­men­te dan­do va­lor/ a uma hu­ma­ni­da­de sem/ pre­con­cei­tos de ra­ça.”

Por seu tur­no, Er­nest Pé­pin can­ta: “E por uma vez ven­ce­mos os car­ce­rei­ros/ Eis que a luz se le­van­ta do­cil­men­te/ O mi­la­gre já se cum­priu/ Ama­nhe­ceu so­bre o per­dão dos jus­tos.”

Pa­ra além de lon­ge­vi­da­de ter­re­na, os três íco­nes da Li­ber­da­de se li­ber­ta­ram da lei da mor­te, pas­san­do a con­vi­ver, co­mo Je­sus Cris­to – que tam­bém foi um má­xi­mo de­fen­sor da con­cór­dia – na eter­ni­da­de do pen­sa­men­to diá­rio dos vi­vos, que somos nós. Pois o gran­de de­sa io que her­da­mos de Njin­ga, Césaire e Man­de­la é o de con­ti­nu­ar­mos a vi­ver nes­te con­ti­nen­te, nes­te mun­do, trans­for­man­do-nos ca­da um de nós na pró­pria ma­te­ri­a­li­za­ção vi­va do prin­cí­pio da ilo­so ia afri­ca­na ‘Ubun­tu’ que pre­ga a "hu­ma­ni­da­de pa­ra com os ou­tros".

3Es­ta é uma Fi­lo­so ia prag­má­ti­ca, que ou­sa­ria cha­mar de Man­de­lis­mo e que des­ta­ca a con­sen­su­a­li­da­de e o hu­ma­nis­mo. Se es­tas três igu­ras têm o res­pei­to e a ve­ne­ra­ção uni­ver­sal que têm, en­tão Ubun­tu pro­vou ser um ca­mi­nho vá­li­do pa­ra a nos­sa a ir­ma­ção na are­na mun­di­al.

Co­mo a ir­mou Man­de­la na sua obra ‘Um Lon­go Ca­mi­nho pa­ra a Li­ber­da­de’: “a re­com­pen­sa da vir­tu­de e da ge­ne­ro­si­da­de po­de che­gar por mei­os im­pos­sí­veis de ima­gi­nar.”

Jo­sé Luís Men­don­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.