Óscar Ri­bas­mais uma vez in­jus­ti­ça­do

Jornal Cultura - - Letras - Nor­ber­to Cos­ta

A pro­pó­si­to dos “11 clás­si­cos da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na”

Ti­ve a hon­ra de es­tar pre­sen­te no lan­ça­men­to do pro­jec­to dos 11 clás­si­cos da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na na con­cor­ri­da ce­ri­mó­nia na Me­di­a­te­ca de Lu­an­da, cu­jo pa­no de fun­do ins­ti­tu­ci­o­nal foi mar­ca­do, cu­ri­o­sa e es­tra­nha­men­te, com as­si­na­la­da au­sên­cia dos ti­tu­la­res dos pe­lou­ros em ques­tão: o livro e a lei­tu­ra, no­me­a­da­men­te os le­gí­ti­mos re­pre­sen­tan­tes do MED e o MIN­CULT.

On­ze au­to­res e 11 li­vros, cor­res­pon­den­do ao mês e dia da di­pan­da, foi a fór­mu­la má­gi­ca e ex­tra­li­te­rá­ria en­con­tra­da pe­la equi­pa de pe­ri­tos do pro­jec­to pa­ra ca­ta­lo­gar a li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, em ma­té­ria de nú­me­ro de clás­si­cos e res­pec­ti­va obra (pre­ten­sa­men­te) mais re­pre­sen­ta­ti­va.

Nes­tes ter­mos, por mais ge­ne­ro­sa e lou­vá­vel que se­ja a ideia no sen­ti­do de es­ti­mu­lar o gos­to pe­la lei­tu­ra e o de­sen­vol­vi­men­to do sen­so crí­ti­co dos po­ten­ci­ais lei­to­res da re­co­lha, os or­ga­ni­za­do­res pe­ca­ram não só por ex­ces­so co­mo por de­fei­to, co­lo­can­do-se vá­ri­as ques­tões a pro­pó­si­to.

Os “ideó­lo­gos” do pro­jec­to va­lo­ra­ram mais al­guns au­to­res, em de­tri­men­to de ou­tros mais re­pre­sen­ta­ti­vos da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, co­mo é o ca­so, por exem­plo do pros­cri­to Mário An­tó­nio, o mais pro ícuo e pro­lí­fe­ro da ge­ra­ção da “Men­sa­gem”, Viriato da Cruz e mes­mo Mário Pin­to de An­dra­de. Es­te úl­ti­mo o pri­mei­ro po­e­ta da mo­der­ni­da­de li­te­rá­ria an­go­la­na a es­cre­ver um po­e­ma em Kim­bun­du, in­ti­tu­la­do Muim­bu ua Sa­ba­lu, sem pre­juí­zo do seu con­to “Ême mu­e­ne eme nga­na”!?

Acres­ce di­zer que, mes­mo ain­da en­tre os an­to­lo­gi­a­dos ica­mos por sa­ber qual o cri­té­rio clás­si­co que le­vou a ca­ta­lo­gar o an­te­ces­sor da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, Jo­sé Maia Fer­rei­ra, acres­ci­do da fra­gi­li­da­de es­tru­tu­ral da sua poé­ti­ca, pa­ra além da ain­da “não ter­ri­to­ri­a­li­za­ção sim­bó­li­ca do es­pa­ço do que é ho­je An­go­la”, pa­ra lá da ixa­ção do ima­gi­ná­rio por­tu­guês que a in­cor­po­ra, sen­do que o “cor­pus” de tex­tos e au­to­res da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na en­quan­to um to­do, só ocor­re em inais do séc. XIX e prin­cí­pi­os do séc. XX com a ge­ra­ção do bem acha­do Cor­dei­ro da Mata, e en­con­tra a sua con­so­li­da­ção na fa­se de “qua­se não li­te­ra­tu­ra” de 1930/194548 com os se­lec­ci­o­na­dos As­sis Jú­ni­or e Cas­tro Soromenho, que am­bos jun­tos em ter­mos de en­ver­ga­du­ra li­te­rá­ria - em nosso mo­des­to en­ten­der - não su­pe­ram o pe­so es­pe­cí ico de um dos mais re­pre­sen­ta­ti­vos, se­não o mais pro­nun­ci­a­do íco­ne, en­tre os au­to­res an­go­la­nos e mem­bro da sua ge­ra­ção, Óscar Ri­bas, cu­ja por­ten­to­sa obra é so­be­ja­men­te co­nhe­ci­da do gran­de pú­bli­co e mais uma vez in­jus­ti­ça­do co­mo na an­to­lo­gia dos con­tos já re­cen­se­a­da aqui nes­tas pá­gi­nas, re­e­di­tan­do uma re­ma­ta­da negligência se­não mes­mo uma gra­vo­sa omis­são, que põe mais uma vez em cau­sa os cri­té­ri­os as­saz sub­jec­ti­vos que pre­si­di­ram à pre­sen­te re­co­lha que, se­gun­do os seus men­to­res, pa­ra o ano ha­ve­rá mais uma no­va for­na­da de clás­si­cos. Hi­la­ri­an­te, não!?

Já ago­ra que mo­lha­mos a so­pa, uma ques­tão se nos co­lo­ca: qu­an­tos clás­si­cos ha­ve­rão na li­te­ra­tu­ra an­go­la­na?! Ou se­rá uma fu­ga em fren­te fa­ce à re­ma­ta­da in­con­gruên­cia ou an­te a in­ter­pre­ta­ção er­ró­nea do nosso ri­co e di­ver­si ica­do “pro­ces­sus” li­te­rá­rio?!

Com qu­an­tos clás­si­cos se faz uma li­te­ra­tu­ra?

Aqui che­ga­dos, uma ques­tão não se que­re­rá ca­lar: com qu­an­tos clás­si­cos se faz uma li­te­ra­tu­ra? Aqui ou nou­tra qual­quer par­ti­da do mun­do?

O nú­me­ro mes­mo pou­co ri­go­ro­so dos 11 clás­si­cos re­ve­la que uma li­te­ra­tu­ra não se faz com tan­tos clás­si­cos as­sim. Ain­da as­sim, que di­zer dos clás­si­cos dou­tras li­te­ra­tu­ras afri­ca­nas, cu­jo per­cur­so é si­mi­lar ao da nos­sa e não só!?

Em boa e sã ver­da­de, cin­gin­do-se ape­nas aos Cin­co PALOP, e sal­va­guar­das as de­vi­das pro­por­ções, a li­te­ra­tu­ra san­to­men­se não se sen­te con­for­ta­da ape­nas com qu­a­tro ou cin­co au­to­res co­mo os seus clás­si­cos, de­sig­na­da­men­te Fran­cis­co Stockler, Cos­ta Ale­gre, Fran­cis­co Ten­rei­ro, To­más Me­dei­ros e mes­mo Al­da Es­pí­ri­to Santo!? No ca­so mo­çam­bi­ca­no, a li­te­ra­tu­ra do país ir­mão do Ín­di­co não se sen­ti­rá bem de saú­de es­pi­ri­tu­al com ape­nas os clás­si­cos Rui de No­ro­nha, Jo­sé Cra­vei­ri­nha, Noé­mia de Sou­sa, Mia Cou­to, Luís Ber­nar­do Honwa­na ou mes­mo Or­lan­do Men­des ou um Mu­ti­ma­ti Ber­nar­bé João e, já ago­ra, o nosso co­e­tâ­neo Un­gu­lha­ni Ba ka Cos­sa? A li­te­ra­tu­ra ca­bo­ver­di­a­na, das mais pu­jan- tes en­tre as li­te­ra­tu­ras afri­ca­nas, não pas­sa­rá bem ape­nas com os clás­si­cos Jo­sé Lo­pes, Pedro Car­do­so, Ja­nuá­rio Lei­te, Bal­ta­zar Lo­pes, Ma­nu­el Lo­pes e um po­e­ta co­mo Jor­ge Bar­bo­sa ou o ro­man­cis­ta Tei­xei­ra de Sou­sa, o po­e­ta An­tó­nio Nu­nes, que so­nhou com Ca­bo-Ver­de fei­to jar­dim ven­ci­da a es­ti­a­gem ama­nhã, o no­ve­lis­ta Au­ré­lio Gon­çal­ves, ou os po­e­tas João Vá­rio e Cor­si­no For­tes, ape­nas pa­ra ci­tar es­tes clás­si­cos da li­te­ra­tu­ra do ar­qui­pé­la­go, di­vi­di­dos pe­lo dra­ma eva­si­o­nis­ta en­tre quer- icar e ter-de-par­tir ou vi­ce-ver­sa. Em úl­ti­mo tur­no, e guar­da­das as de­vi­das pro­por­ções, a li­te­ra­tu­ra da Gui­né-Bis­sau, a mais ca­ren­te en­tre as cin­co e de “ar­ran­ca­da tar­dia”, com o jor­nal “Pró-Gui­né, em 1924, se­rá me­nos ri­ca com a con­tri­bui­ção de­ci­si­va ape­nas dos três ou qu­a­tro clás­si­cos

Amíl­car Ca­bral , Vas­co Ca­bral e Hél­der Pro­en­ça ou um Jo­sé Car­los Shwartz, dos “mo­men­tos pri­mei­ros da cons­tru­ção”!?

Nes­ta ve­re­da, alar­gan­do a nos­sa vi­são ana­lí­ti­ca pa­ra o res­to do Con­ti­nen­te, a li­te­ra­tu­ra con­go­le­sa ica­rá me­nos po­bre com os seus ra­ros clás­si­cos co­mo Tchaya U’tam­si, o po­e­ta “aco­co­ra­do na sua cons­ci­ên­cia”, o ro­man­cis­ta Henri Lo­pes, ou a L. se­ne­ga­le­sa, com o ce­le­bér­ri­mo po­e­ta da Ne­gri­tu­de, Le­o­pold Se­dar Senghor, ou no ca­so a da Gui­né Co­nac­kri, com Aliu­o­ne Fan­tou­ré, au­tor do Cír­cu­lo dos Tró­pi­cos e agra­ci­a­do com um pré­mio de li­te­ra­tu­ra afri­ca­na, em França, no ca­so dos países afri­ca­nos fran­có­fo­nos; ou as li­te­ra­tu­ras an­gló­fo­nas, co­mo a ni­ge­ri­a­na ica­rão me­nos re­quin­ta­das com ape­nas dois ou três clás­si­cos, co­mo Wo­le Soyin­ka, Ci­pryam Ekwensy ou o ce­le­bra­do Chi­nua Che­be de “O mun­do se des­pe­da­ça”(?!) e já ago­ra a que­ni­a­na ica­rá me­nos fa­mo­sa na ma­té­ria, com o seu mais pro­nun­ci­a­do clás­si­co e que es­cre­veu um romance na sua lín­gua ma­ter­na, o ki­kuyo, de sua gra­ça o pro­fes­sor que re­cu­sa­ra cá­te­dra em Londres, o fa­mo­so Ngu­gi Wa Thyon­go?

Le­gi­ti­mi­da­de dis­cur­si­va

En im, não nos pa­re­ce que se­ja re­le­van­te o cri­té­rio nu­mé­ri­co, mais sim a le­gi­ti­mi­da­de dis­cur­si­va em ma­té­ria de clas­si­cis­mo. Em ho­me­na­gem à nos­sa his­to­ri­o­gra ia li­te­rá­ria há que fa­zer ape­lo à ob­jec­ti­vi­da­de e à ver­da­de his­tó­ri­ca da nos­sa pro­du­ção tex­tu­al, sob pe­na de pro­du­zir­mos uma boa sú­mu­la, mas não uma re­co­lha ho­nes­ta, não re­sis­tin­do ao tes­te da ver­da­dei­ra História da Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na na ho­ra da sua ela­bo- ra­ção, sen­do que os cri­té­ri­os pa­ra a atri­bui­ção de um tal es­ta­tu­to a um ou ou­tro au­tor com me­nos me­re­ci­men­to, não se­ja fei­to em de­tri­men­to de es­tou­tro ou aque­lou­tro clás­si­co dig­no de re­gis­to e que dis­pen­sa des­de lo­go co­men­tá­ri­os.

Ex­tra­po­lan­do, em re­la­ção à ve­lha Eu­ro­pa, Por­tu­gal te­rá as­sim tan­tos clás­si­cos ou se re­cor­tam ape­nas os no­mes de Ca­mões, Gar­ret, Jun­quei­ra, Eça de Qu­ei­rós, do dis­pu­ta­do os “Mai­as”, Fer­nan­do Pes­soa, o dis­cre­to Mi­guel Tor­ga, um Aqui­li­no Ri­bei­ro, e já ago­ra ci­ta­mos tam­bém o ce­le­bra­do Jo­sé Sa­ra­ma­go ou mes­mo o es­cri­tor e mé­di­co-psi­qua­tra, Lo­bo An­tu­nes, que om­bre­a­va de jac­to com o No­bel por­tu­guês. Ain­da no ca­so eu­ro­peu, a li­te­ra­tu­ra russa te­rá no seu bo­jo mais do que os de­dos de uma mão em ma­té­ria de clás­si­cos: Dos­toi­evs­ki, Leão Tols­toi, Mai­a­kovs­ki, Proust e pou­co mais, in­cluin­do o pré­mio No­bel na­tu­ra­li­za­do nor­te-ame­ri­ca­no, Brods­ki, em me­a­dos dos anos 80? E a li­te­ra­tu­ra in­gle­sa idem, não te­rá ape­nas um Ska­kes­pe­a­re, um Eli­ot e pou­co mais? Na Ale­ma­nha, um Gunther Grass se­ria ne­gli­gen­ci­a­do na ho­ra de co­lec­ci­o­nar os clás­si­cos do séc. XX, co­mo ocor­reu en­tre nós com o in­vi­su­al!?

Sal­tan­do pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na, a ter­ra do cul­ti­va­do re­a­lis­mo má­gi­co, on­de os clás­si­cos não abun­dam co­mo co­gu­me­los no tem­po da chu­va, te­re­mos um ar­gen­ti­no co­mo Cór­ta­zar, um pe­ru­a­no co­mo Var­gas Lho­sa, ou um Ga­bo, con­for­me tam­bém é co­nhe­ci­do o au­tor do cé­le­bre “Cem anos de so­li­dão”, Gabriel Gar­cia Mar­quez e su­as res­pec­ti­vas “Pu­tas tris­tes” da rua da amar­gu­ra. Par­ti­cu­la­ri- zan­do, no ca­so da li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra que nos é pró­xi­ma, in lu­en­ci­an­do os nos­sos po­e­tas “men­sa­gei­ros” e con­tis­tas da “Cul­tu­ra”, não ter­mos ape­nas um Ma­cha­do de As­sis, Gre­gó­rio de Ma­tos, Cas­tro Al­ves, Car­los Drum­mond de An­da­dre, Ma­nu­el Ban­dei­ra, Gra­ça Ara­nha, um Graciliano Ra­mos, um nor­des­ti­no Jo­sé Lins do Re­go ou mes­mo um Jor­ge Ama­do ou João Ubal­do Ri­bei­ro. Co­mo se vê: pre­cur­so­res, mo­der­nis­tas e nor­des­ti­nos não en­chem os de­dos de du­as mãos chei­as. Um ou­tro ca­so que nos é pró­xi­mo é o de Cu­ba, on­de um dos po­e­tas in lu­en­ci­ou a emer­gên­cia das li­te­ra­tu­ras afri­ca­nas de lín­gua por­tu­gue­sa, com o seu cân­ti­co à cu­ba­ni­da­de, “son­go­ro co­son­go” ou a ho­me­na­gem ao “ne­gro bu­e­no”. Re iro-me à li­te­ra­tu­ra cu­ba­na, on­de se des­ta­cam Ma­ri­a­té­gui, Ale­jo Car­pen­ti­er, Guil­lén e pou­co mais.

Cri­té­rio ex­tra-li­te­rá­rio

O cri­té­rio nu­mé­ri­co do 11/11, co­mo se vê, é ex­tra-li­te­rá­rio, pois por mais no­bre que se­ja a da­ta, não po­de so­bre­por­se ao qua­li ica­ti­vo da qua­li­da­de imor­re­doi­ra que, ten­den­ci­al­men­te, se com­pa­gi­na no clás­si­co e na sua re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de sim­bó­li­ca e tex­tu­al que mar­cam es­co­las es­té­ti­cas e atra­ves­sam épo­cas li­te­rá­ri­as, sen­do igual­men­te dis­pu­ta­do por uma mul­ti­dão de lei­to­res lo­cal e glo­bal­men­te, con­for­me, aliás, re­co­nhe­cem os or­ga­ni­za­do­res da co­lec­ção.

No fun­do, no fun­do, in­de­pen­den­te­men­te de cri­té­ri­os ou­tros uti­li­za­dos, in­cluin­do po­lí­ti­cos, pois não ve­mos co­mo An­tó­nio Ja­cin­to re­pre­sen­ta­rá mais na Men­sa­gem do que Mário An­tó­nio, Viriato da Cruz ou mes­mo Mário Pin­to de An­dra­de. Ade­mais: mes­mo na ge­ra­ção de 80, não ve­mos co­mo Mai­mo­na é o mais re­pre­sen­ta­ti­vo! Das aná­li­ses que vi­mos fa­zen­do ao lon­go dos anos, ve­ri icá­mos que, den­tro da no­va va­ga de au­to­res an­go­la­nos emer­gi­da nos anos 80 ain­da es­ta­rá por de­can­tar-se, em ter­mos de re­pre­sen­ta­ção sim­bó­li­ca, no tem­po e no es­pa­ço, qual de­les se­rá o mais clás­si­co en­tre os de­mais “no­vís­si­mos”, - pa­ter­na­lis­mos à par­te. En­tão, qual é o cri­té­rio ob­jec­ti­vo que pre­si­diu à pre­sen­te re­co­lha que pre­ten­deu se­lec­ci­o­nar 11 au­to­res e aca­bou in­jus­ti­çan­do au­to­res dos mais re­pre­sen­ta­ti­vos da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na? Con­ve­nha­mos, não per­ce­be­mos co­mo os or­ga­ni­za­do­res con­se­gui­ram in­tro­du­zir um au­tor da no­va va­ga, em de­tri­men­to dos po­e­tas “Men­sa­gei­ros” já re­fe­ren­ci­a­dos. Ou a de­sig­na­ção te­rá si­do bas­tan­te for­ça­da, e, por ar­ras­ta­men­to, te­rá for­ça­do o re­sul­ta­do inal, que dei­xa a de­se­jar, sen­do uma re­co­lha que não é su ici­en­te­men­te re­pre­sen­ta­ti­va do pe­so da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na no pa­no­ra­ma cul­tu­ral an­go­la­no e, qui­çá, afri­ca­no, sen­do cer­to que o ima­gi­ná­rio re­gi­o­nal que bus­cam os po­e­tas can­tar e pro­sa­do­res re­tra­tar é lo­cal, mas tam­bém uni­ver­sal – o con­se­gui­men­to des­sa di­men­são hu­ma­na é que tor­na es­te tex­to tam­bém um clás­si­co da li­te­ra­tu­ra, não sen­do por isso ne­gli­gen­ciá­vel na ho­ra de uma re­co­lha co­mo a que pre­si­diu es­te bre­ve e des­pre­ten­si­o­so dis­cor­rer. A (re)ler a gen­te se en­ten­de. Amén!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.