Wa ji­bah oh lu­nhu­ki wen­du­dia wem­ba

[Pro­vér­bi­os kim­bun­du – por­tu­guês - II]

Jornal Cultura - - Navegações - Abí­lio Ma­nu­el

– Wa ji­bah oh lu­nhu­ki wen­du­dia wem­ba (Qu­em mata uma abe­lha é por­que vai co­mer mel; se ma­ta­res o teu pai nun­ca mais vais ter pai) – Ki­a­di ki­di­be­ta ta­tu u wa­nu­na (Dois lu­tam e o ter­cei­ro aco­de) – Kws­seu­ka kua ym­bia ya la­ta ki wi ka­tu­la a ji­ku ya­tu­le o kus­seu­ka (O ferver de uma pa­ne­la de la­ta, quan­do ti­rar do fo­go pa­ra de ferver; a ver­da­de de­ve ser di­ta no mo­men­to cer­to)

– Mei­ah a ku­lun­du­la kia za­la mbin­da (A ca­ba­ça cheia de água se des­pe­jar na ou­tra es­ta já não en­che; coi­sa de man­dar nun­ca che­ga com­ple­ta) – Heie uzu­e­la ngom­be ni yfu (Tu que po­des fa­lar pa­ra ma­tar o boi; só tu po­des de­ter­mi­nar a so­lu­ção do pro­ble­ma)

– Nza­ji ni ya­di un’xii kia u vu­tu­ki­le din­gi (Se a faís­ca atin­gir uma ár­vo­re já não re­pe­te ne­la; o pro­ble­ma não se re­sol­ve por du­as ve­zes) – Kia ma­te­ka ni ku­to­ta kiu­ah ni ku­to­ta (O que co­me­çou mal sem­pre ter­mi­na mal) – Ku­a­la ni akwa lun­ga ni akua tam­bi( Tem as pes­so­as que as­sis­tem ao óbi­to e os que têm o óbi­to; há pes­so­as que ar­ran­jam pro­ble­mas e os que re­sol­vem os pro­ble­mas) – Kui­za oh nvula kui­za oh ki­xi­bu ku­lun­gu­lu­ke (Ve­nha a chu­va, ve­nha o ca­cim­bo, há sem­pre mu­dan­ças; as pes­so­as já vol­tam pa­ra trás, sem­pre pa­ra a fren­te)

– Wen­da ka­be­ke­la­ke u mo­na ki­an­dia kia njim­bu­la ki­ki­mo­ne­ka (Qu­em an­da so­zi­nho vê o que o mata, não tem qu­em vai trans­mi­tir a sua mor­te; uma pes­soa quan­do es­tá a fa­zer uma vi­a­gem de­ve ter um acom­pa­nhan­te)

– A ku­ba­na oh ku­ta­la a ku­ba­na ku­dia (Qu­em te dá um ani­mal pa­ra es­fo­lar te deu co­mi­da; a pes­soa que te dá tra­ba­lho é por­que gos­ta de ti) – A ku­ba­na o kus­su­ku­la a ku­ba­na ku­ze­la (Qu­em te deu pa­ra la­var deu-te pa­ra icar lim­po; aque­le que te deu pa­ra guar­dar al­go, é por­que tu tam­bém vais be­ne ici­ar do mes­mo)

– Mo­na nho­ca ni mu­e­ne nho­ca (O ilho de co­bra tam­bém é co­bra; o ilho do teu ini­mi­go tam­bém é ini­mi­go)

Abí­lio Ma­nu­el nas­ceu em Ma­lan­je, em 1962, de uma fa­mí­lia cam­po­ne­sa. Vi­veu a sua in­fân­cia em Kiwa­ba Nzo­ji com os avós que lhe trans­mi­ti­ram o kim­bun­du. Fez es­tu­dos se­cun­dá­ri­os até à 8ªa clas­se. Pos­sui o gos­to pe­la lei­tu­ra. É me­câ­ni­co de frio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.