A gran­de da­ma da ar­te

N’Go­né Fall

Jornal Cultura - - Primeira Página -

N’Go­né Fall

A gran­de da­ma da ar­te

AEs­co­la de Al­tos Es­tu­dos em Ci­ên­ci­as So­ci­ais re­ce­be N’Go­né Fall, edi­to­ra e co­mis­sá­ria de ex­po­si­ções. São ain­da pou­co nu­me­ro­sas as mu­lhe­res do con­ti­nen­te re­co­nhe­ci­das na es­fe­ra ar­tís­ti­ca. Re­tra­to e en­tre­vis­ta a uma in­te­lec­tu­al, uma pre­cur­so­ra, um co­ra­ção de­di­ca­do à ar­te.

A eru­di­ção de N'Go­né Fall é im­pres­si­o­nan­te. Di­plo­ma­da pe­la Es­co­la Es­pe­ci­al de Ar­qui­tec­tu­ra, foi igual­men­te che­fe de re­dac­ção da re­vis­ta de ar­te con­tem­po­râ­nea Re­vue Noi­re, que de­di­cou um nú­me­ro com­ple­to a An­go­la e aos seus ar­tis­tas. As bi­e­nais de Ba­ma­ko e de Da­kar de­vem mui­to ao seu olhar a ia­do, e ao seu es­pí­ri­to vi­vo, exi­gen­te e in­tran­si­gen­te. Re­cor­rem aos seus ta­len­tos, no­me­a­da­men­te co­mo con­sul­to­ra em en­ge­nha­ria cul­tu­ral, de­vem-se a ela pla­nos de ori­en­ta­ção es­tra­té­gi­ca, es­tu­dos de pro­gra­ma­ção e re­la­tó­ri­os de ava­li­a­ção pa­ra ins­ti­tui­ções cul­tu­rais na­ci­o­nais e internacionais.

N’Go­né Fall é mui­to ac­ti­va no co­nhe­ci­men­to e na promoção do con­ti­nen­te e dos seus ar­tis­tas pas­sa­dos e con­tem­po­râ­ne­os. Qu­em hon­ra Áfri­ca par­ti­lha os seus co­nhe­ci­men­tos, N'Go­né Fall foi pro­fes­so­ra na Uni­ver­si­da­de Senghor de Ale­xan­dria, no Egip­to.

Quan­do es­ta­mos ao seu la­do, fa­zer pro­va de hu­mil­da­de é tan­to uma ques­tão de so­bre­vi­vên­cia co­mo de eti­que­ta. Ou­vi-la é mui­to mais in­te­li­gen­te e in­te­res­san­te do que a mai­o­ria dos meus pen­sa­men­tos. A vos­sa cor­res­pon­den­te em Pa­ris tem um com­ple­xo de in­fe­ri­o­ri­da­de, mas sen­te-se so­bre­tu­do mui­to intimidada por es­tar fa­ce a fa­ce com uma mu­lher, uma se­ne­ga­le­sa, tão re­a­li­za­da, ins­pi­ra­do­ra e ins­pi­ra­da. É igual­men­te co-fun­da­do­ra do co­lec­ti­vo GawLab, uma pla­ta­for­ma de pes­qui­sa e de pro­du­ção no do­mí­nio das tec­no­lo­gi­as nu­mé­ri­cas apli­ca­da a cri­a­ção ar­tís­ti­ca. O seu com­pro­mis­so com a ar­te con­tem­po­râ­nea e os ar­tis­tas afri­ca­nos ali­men­ta re le­xões po­lí­ti­cas e so­ci­o­ló­gi­cas.

Pa­ra Cul­tu­ra, ou­sei fa­zer-lhe al­gu­mas per­gun­tas por oca­sião de um se­mi­ná­rio re­a­li­za­do num bas­tião da eli­te in­te­lec­tu­al pa­ri­si­en­se.

Con­sa­grou um nú­me­ro da Re­vue Noi­re a An­go­la em 1998, mas, des­de aí, pou­ca coi­sa.

Por­que é que tão ra­ra­men­te se evo­ca a ri­que­za ar­tís­ti­ca do mun­do lu­so­a­fri­ca­no no mun­do fran­có­fo­no?

N’Go­né Fall: Ocu­pei-me do nú­me­ro so­bre An­go­la. Pas­sei lá 3 se­ma­nas em 1998.

Os países lu­só­fo­nos tor­na­ram-se in­de­pen­den­tes por vol­ta de 1976, mui­to de­pois da mai­o­ria dos ou­tros países (17 em 1960). Es­ses países atra­ves­sa­ram a guer­ra da in­de­pen­dên­cia, de­pois uma guer­ra ci­vil, e, pa­ra al­guns de­les na Áfri­ca Aus­tral, uma guer­ra con­tra o re­gi­me do Apartheid da Áfri­ca do Sul. Tudo is­to ex­pli­ca a es­cas­sez das re­des e das co­la­bo­ra­ções ar­tís­ti­cas e cul­tu­rais com o res­to do con­ti­nen­te. As coi­sas mu­dam, de­va­gar, mas mu­dam. Co­nhe­ço um pou­co a jo­vem ge­ra­ção, mas me­nos bem do que as das ou­tras re­giões. Há in­di­vi­du­a­li­da­des que emer­gem em An­go­la e em Mo­çam­bi­que. A lín­gua cons­ti­tui um freio.

A ar­te po­de re­al­men­te con­tri­buir pa­ra o diá­lo­go in­ter­cul­tu­ral?

N’Go­né Fall: A ar­te po­de con­tri­buir pa­ra o diá­lo­go in­ter­cul­tu­ral. Os ar­tis­tas são ba­ró­me­tros das nos­sas so­ci­e­da­des. De­bru­çam­se so­bre ques­tões lo­cais, re­gi­o­nais, con­ti­nen­tais e internacionais. De­bru­çam-se so­bre ques­tões li­ga­das ao so­ci­al, ao po­lí­ti­co, à eco­no­mia, à ra­ça, ao es­pi­ri­tu­al, etc. Os seus olha­res, os seus pon­tos de vis­ta, sus­ci­tam ques­tões e con­vi­dam à re le­xão. Em ca­da nú­me­ro da Re­vue Noi­re, con­sa­grá­mos uma aten­ção par­ti­cu­lar aos fo­tó­gra­fos (an­ti­gos e mo­der­nos) por­que exis­tia a von­ta­de de es­cre­ver a história da ar­te e da fo­to­gra ia da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na, o que nós ize­mos:

An­to­lo­gia da fo­to­gra ia em 1998 (edi­ção fran­ce­sa, in­gle­sa e por­tu­gue­sa)

An­to­lo­gia da ar­te em 2011 (edi­ção fran­ce­sa e in­gle­sa)

E os cu­ra­do­res, teó­ri­cos e crí­ti­cos de ar­te con­tri­bu­em igual­men­te pa­ra es­te diá­lo­go, atra­vés dos pro­jec­tos que im­ple­men­tam, dos tex­tos que pu­bli­cam.

Após es­te "mas­ter­class", N'Go­né Fall pre­ten­de pro­mo­ver a cau­sa dos ar­tis­tas de Áfri­ca des­ta­can­do os seus es­for­ços e pro­ces­sos cri­a­ti­vos. Não é fá­cil ima­gi­nar tan­to ar­dor, pai­xão e até mes­mo ac­ti­vis­mo nes­ta pe­que­na mu­lher. Um per­so­na­gem for­te, uma ca­ne­ta a ia­da, de qu­em a ar­te afri­ca­na con­tem­po­râ­nea di icil­men­te po­de­ria es­tar à mar­gem.

Pré­mi­os li­te­rá­ri­os 2013. Um ano par­ti­cu­lar­men­te bom pa­ra a li­te­ra­tu­ra afri­ca­na.

A ca­ma­ro­ne­sa Léo­no­ra Mi­a­no re­ce­be o Pré­mio Fe­mi­na pe­lo seu romance La Sai­son de l’om­bre pu­bli­ca­do pe­la Edi­to­ra Gras­set, on­de a es­cri­to­ra nar­ra a do­lo­ro­sa re­cor­da­ção do trá ico ne­grei­ro na Áfri­ca Cen­tral e Equa­to­ri­al.

O pré­mio Mé­di­cis 2013 foi atri­buí­do a Ma­rie Darrieussecq pe­lo seu romance, Il faut beaucoup ai­mer les hom­mes, cons­truí­do em tor­no de uma história de amor en­tre um afri­ca­no e uma eu­ro­peia.

Lau­ren Ekué

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.