Or­lan­do Sér­gio:

É pri­o­ri­tá­rio ha­ver um Te­a­tro Na­ci­o­nal

Jornal Cultura - - Primeira Página - Tex­to: Ma­ta­di Ma­ko­la

“Ain­da fal­ta mai­or cultura nos in­ter­ve­ni­en­tes do te­a­tro. Fal­ta co­nhe­ci­men­to do te­a­tro mun­di­al e da es­tru­tu­ra dra­má­ti­ca uni­ver­sal. Há ain­da um gran­de ca­mi­nho a per­cor­rer

Te­ve uma das in­ter­pre­ta­ções me­nos atí­pi­cas e mais bem con­se­gui­das do il­me “Njin­ga­Rai­nha de An­go­la”. Or­lan­do Sér­gio é uma da­que­las per­so­na­li­da­des do te­a­tro que mui­to sa­tis­fa­to­ri­a­men­te atin­ge a per­so­na­gem. De idei­as for­tes, cri­ti­ca os gru­pos de te­a­tro que ain­da se fa­zem pre­sas “tran­qui­las” das ten­dên­ci­as das úl­ti­mas três dé­ca­das por não per­ce­be­rem que a re­a­li­da­de es­té­ti­ca é di­nâ­mi­ca.

De Malange, sai com três anos e só vol­ta aos de­zas­se­te. E lem­bra que fa­zia por lá umas vi­a­gens de com­boio. Vol­tou de com­boio, e so­zi­nho. Mas Malange, o que tem é mais das pes­so­as de lá, pe­lo gos­to re­par­ti­do do fun­ge de bom­bó com men­ge­le­ka.

Pe­lo mo­do ele­va­da­men­te na­tu­ral co­mo abor­da as su­as in­ter­pre­ta­ções, nu­tre gran­de es­ti­ma pe­lo ac­tor bri­tâ­ni­co Anthony Hop­kins, que con­se­guiu in­ter­pre­tar de for­ma de­si­gual o Dr. HYPERLINK "http://pt.wi­ki­pe­dia.org/wi­ki/Han­ni­bal_Lec­ter" \o "Han­ni­bal Lec­ter" Han­ni­bal Lec­ter no acla­ma­do il­me “. O es­pec­tá­cu­lo “Os Bichos”, da com­pa­nhia por­tu­gue­sa Ban­do – que já as­sis­tiu vá­ri­as ve­zes em vá­ri­os lu­ga­res, é o seu pre­fe­ri­do até ago­ra.

Com a pe­ça “Quem me De­ra Ser On­da” foi con­si­de­ra­do o me­lhor ac­tor de 2001. Des­ta pe­ça, lem­bra: “O tex­to é pres­tá­vel. O es­pec­tá­cu­lo foi mui­to ale­gre. Eram ain­da tem­pos de guer­ra e não era fá­cil, tu­do era pos­sí­vel, até a luz ir a meio do es­pec­tá­cu­lo. A en­ce­na­ção foi fei­ta em Lis­boa e de­pois re­mon­ta­da em Lu­an­da, no Elin­ga”.

A par­ti­ci­pa­ção em “Con­ver­sas no Quin­tal” tam­bém é ou­tro gran­de mar­co. Foi, por­tan­to, a sé­rie que o abriu ao gran­de pú­bli­co an­go­la­no, tan­to que ain­da nos di­as que cor­rem o ac­tor é por vá­ri­as ve­zes cha­ma­do de Moi­sés Adão, o “boss do quin­tal”.

Os no­mes de Mi­guel Hurst e Raúl do Ro­sá­rio apa­re­cem sem­pre no seu tra­jec­to. Em 2010 acon­te­ce a pe­ça O Si­lên­cio

dos Ino­cen­tes” “Va­mos lá vi­si­tar o Rui”, que con­si­de­rou ser “um es­pec­tá­cu­lo mui­to for­mal”. De­pois “Wo­za Al­bert”, uma pe­ça em­ble­má­ti­ca sul-afri­ca­na em que ac­tua com Raúl do Ro­sá­rio. Ten­tou tam­bém os pro­jec­tos Mu­kan­ge, que por ra­zões de más con­di­ções do Ci­ne Te­a­tro Na­ci­o­nal não fo­ram le­va­dos a ca­bo. “Mi

nha Ter­ra, Mi­nha Mãe” foi a gran­de pri­mei­ra no­ve­la em que ac­tua. Deu pa­ra apren­der e ter as con­di­ções que um ac­tor me­re­cia e adap­tar-se a um rit­mo de tra­ba­lho de uma in­dús­tria exi­gen­te co­mo a dra­ma­tur­gia bra­si­lei­ra, em que o ac­tor tem que es­tar sem­pre pre­pa­ra­do pa­ra res­pon­der.

As pri­mei­ras pe­ças no pós-in­de­pen­dên­cia e a pro is­si­o­na­li­za­ção

Co­me­ça a fa­zer te­a­tro num mo­men­to mui­to par­ti­cu­lar da his­tó­ria de An­go­la: foi en­tre o 25 de Abril e a al­tu­ra da in­de­pen­dên­cia que se ins­ta­lou ne­le a gran­de von­ta­de de fa­zer te­a­tro. Ain­da es­tu­dan­te do en­tão li­ceu Pau­lo Di­as de No­vais, hou­ve uma gre­ve de es­tu­dan­tes si­mul­ta­ne­a­men­te aos tu­mul­tos da in­de­pen­dên­cia e muitos ti­ve­ram que se ins­ta­lar nos mus­se­ques. Era pre­ci­so en­tre­ter es­tas pes­so­as, e o te­a­tro foi uma so­lu­ção. Foi nes­te pe­río­do que to­ma con­tac­to com Jo­sé Me­na Abran­tes, que pas­sa­va mui­tas ve­zes por lá, che­gan­do mes­mo a mon­tar um es­pec­tá­cu­lo com­pos­to de dois ac­to­res e ou­tras pe­que­nas pe­ças ba­se­a­das em ma­té­ri­as que sai­am nos jor­nais da épo­ca.

Um pou­co pa­ra 75 en­tra pa­ra o Tchin­gandjy, em­bo­ra não no pe­río­do gé­ne­se do gru­po que es­tre­ou o pri­mei­ro es­pec­tá­cu­lo da An­go­la in­de­pen­den­te, ain­da no tem­po do te­a­tro de ca­riz po­lí­ti­co. En­tra pa­ra o gru­po de­pois des­se es­pec­tá­cu­lo, quan­do já fa­zi­am ou­tro es­pec­tá­cu­lo so­bre a his­tó­ria de An­go­la, que era na al­tu­ra uma pre­o­cu­pa­ção re­cor­ren­te. Com o apoio de uma pro is­si­o­nal Bra­si­lei­ra (Te­re­sa…), o es­pec­tá­cu­lo foi es­tre­a­do na For­ta­le­za do São Pe­dro da Bar­ra e che­gou até ao Fes­ti­val de Ar­tes Ne­gras, na Ni­gé­ria. De­pois fez vá­ri­os es­pec­tá­cu­los iti­ne­ran­tes, mui­to co­muns na épo­ca de for­te agi­ta­ção. Po­li­ti­za­do, o gru­po foi ex­tin­to. Vol­ta ao te­a­tro ao re­to­mar um es­pec­tá­cu­lo que já es­ta­va mon­ta­do “.O Xi­len­ge”.

Tem­pos de­pois in­gres­sa na Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na, cu­jo re­tra­to o mar­ca por­que “ha­via por lá gen­te mui­to par­ti­cu­lar, que além de se in­te­res­sar por me­di­ci­na – que era um cur­so mui­to du­ro – fa­zia jor­nal e muitos de­ba­tes…” Foi nes­ta at­mos­fe­ra es­tu­dan­til que de­ci­dem fa­zer tam­bém um gru­po de te­a­tro, até por­que muitos es­tu­dan­tes já sa­bi­am que Or­lan­do era ac­tor. Faz o pri­mei­ro es­pec­tá­cu­lo “O Al­fre­do fi­li­pou”, que era uma his­tó­ria

de um ma­lu­co. O es­pec­tá­cu­lo si­tu­a­va a guer­ra co­mo a cau­sa prin­ci­pal da lou­cu­ra. Foi es­se es­pec­tá­cu­lo que fun­dou o gru­po de te­a­tro da­que­la Fa­cul­da­de. De­pois, pes­so­al­men­te, con­vi­da o Me­na Abran­tes a par­ti­ci­par de ou­tro es­pec­tá­cu­lo, que fu­gia um pou­co da apo­lo­gia política e se ba­se­a­va mais em ques­tões de iden­ti­da­de cul­tu­ral e His­tó­ria atra­vés de con­tos nha­ne­cas. A pe­ça in­ti­tu­la­va-se “Ond­ja­la”, mas ain­da não era um te­a­tro de ar­te pe­la ar­te. A mis­são da­que­la ge­ra­ção no sen­ti­do de tra­tar com en­ga­ja­men­to as te­má­ti­cas de iden­ti­da­de e for­ma­ção dos no­vos mi­tos da na­ção e de co­mu­nhão dos con­tos tra­di­ci­o­nais com o mo­der­no con­ti­nu­a­va.

Foi um es­pec­tá­cu­lo mui­to bem con­se­gui­do. Com boa re­cor­da­ção, che­ga a clas­si­fi­car o resultado es­té­ti­co des­sa pe­ça co­mo um dos mais bem se­gui­dos que já fez com o di­rec­tor Me­na Abran­tes. De­pois mon­tam a pe­ça “A re­vol­ta

da ca­sa dos ído­los” , mas aí o gru­po já era de­sig­na­do por Elin­ga-Te­a­tro, um pou­co tam­bém por­que a Fa­cul­da­de não se pre­dis­pu­nha a apoi­ar fi­nan­cei­ra­men­te um gru­po de te­a­tro. A pe­ça es­tre­ou no Ci­ne Te­a­tro Na­ci­o­nal e che­gou a fa­zer par­te du­ma amos­tra de te­a­tro em Itá­lia. “Os Ve­lhos não de­vem na­mo­rar” foi ou­tra mon­ta­gem em que par­ti­ci­pa na­que­le pe­río­do de tran­si­ção pa­ra um te­a­tro mais vol­ta­do pa­ra si e es­te­ti­ca­men­te exi­gen­te.

Por­tu­gal

Ru­ma pa­ra Por­tu­gal. Lá, por vá­ri­as ra­zões de ín­do­le pes­so­al, aban­do­na a me­di­ci­na e de­ci­di ser ac­tor a tem­po in­tei­ro. Nun­ca che­gou a exer­cer a me­di­ci­na, mas a re­co­nhe­ce: “Pron­tos, ica aque­la mar­ca, por­que no fundo o meu ra­ci­o­cí­nio es­tá mar­ca­do por aque­la es­co­la. E iz qua­tro anos de me­di­ci­na nu­ma fa­se da vi­da em que a pes­soa tam­bém ain­da é mol­dá­vel”.

En­tra no Con­ser­va­tó­rio de Lis­boa gra­ças à sua frequên­cia uni­ver­si­tá­ria, vis­to que já ti­nha ex­ce­di­do a ida­de de in­gres­sar. Lá faz o pri­mei­ro es­pec­tá­cu­lo com uma com­pa­nhia pro is­si­o­nal, “A Mis­são”, de Hei­ner Mül­ler; e de­pois de vá­ri­os exer­cí­ci­os na es­co­la com vá­ri­os ex­trac­tos das pe­ças de Sha­kes­pe­a­re, che­ga a ser o pri­mei­ro ac­tor ne­gro em Por­tu­gal a in­ter­pre­tar Ote­lo, o que o tor­nou uma re­fe­rên­cia e lhe ga­ran­tiu vi­si­bi­li­da­de no te­a­tro e nas ar­tes por­tu­gue­sas da épo­ca. Te­ve mui­ta di­vul­ga­ção, tam­bém pe­la sua di icul­da­de em con­se­guir atin­gir os vá­ri­os es­ta­dos de al­ma que a pe­ça exi­ge.

De­se­nha­va-se as­sim o tra­jec­to pa­ra uma car­rei­ra pro is­si­o­nal. Fa­zia du­as a três pe­ças por ano e il­ma­va obras de vá­ri­os au­to­res con­tem­po­râ­ne­os. Fi­cou cer­ca de dez ou on­ze anos por lá, ten­do uma car­rei­ra mui­to mais vin­ca­da pe­lo te­a­tro, em­bo­ra o seu sus­ten­to vi­es­se de am­bos, nos tem­pos em que o or­de­na­do do te­a­tro e da te­le­vi­são não era as­sim tão dís­par. Mas nem tu­do foi ac­tu­a­ção, co­nhe­ce o Mi­guel Hurst na es­co­la, pre­ci­sa­men­te no pri­mei­ro ano do con­ser­va­tó­rio. Ami­go, con­ter­râ­neo e ar­tis­ta, Mi­guel tor­na-se uma pre­sen­ça cons­tan­te.

O con­tex­to do te­a­tro nos di­as que cor­rem

Mui­to se con­jec­tu­ra so­bre o te­a­tro em An­go­la, dan­do-lhe ró­tu­los e epí­te­tos às ve­zes de­sa­jus­ta­dos. É de opinião que pa­ra quem es­tá li­ga­do a um gru­po que tem es­pa­ço co­mo o Elin­ga ou o Ho­ri­zon­te Njin­ga Mban­de a coi­sa é um bo­ca­di­nho mais cal­ma. Pa­ra quem não tem es­pa­ço e tem de an­dar de sí­tio em sí­tio a fa­zer es­pec­tá­cu­lo, a si­tu­a­ção é mui­to mais com­pli­ca­da.

De mo­do ge­ral, su­bli­nha que há al­guns ins­tru­men­tos que fal­tam nos paí­ses que não têm a Lei do Te­a­tro e to­do um pro­gra­ma de car­rei­ra mais ou me­nos es­ta­be­le­ci­dos pa­ra se ter uma pro is­são em con­di­ções nor­mais, sen­do que o resultado é na ver­da­de uma pro is­são in­ter­mi­ten­te: nem sem­pre há tra­ba­lho ou há tra­ba­lho em pe­río­dos mui­to cur­tos.

Em com­pa­ra­ção com ou­tros tem­pos, cons­ta­ta que ho­je já se no­ta uma cer­ta acei­ta­ção so­ci­al de al­guns ac­to­res, que até já sa­em em al­gu­mas re­vis­tas cor­de-ro­sa. Mas is­to mais pe­los tra­ba­lhos na te­le­vi­são do que no te­a­tro.

Ri­go­ro­so, é dos que fun­da­men­ta que a ar­te do te­a­tro não é uma ar­te que se apren­de na in­ter­net. E cri­ti­ca que em Lu­an­da há imen­sos gru­pos de te­a­tro e com vá­ri­as ten­dên­ci­as, mas que ain­da fal­ta mai­or cultura nos in­ter­ve­ni­en­tes do te­a­tro: “Fal­ta co­nhe­ci­men­to do te­a­tro mun­di­al e da es­tru­tu­ra dra­má­ti­ca uni­ver­sal. Há ain­da um gran­de ca­mi­nho a per­cor­rer. Ago­ra, há mui­ta gen­te a re­pre­sen­tar, com in luên­cia da te­le­vi­são, al­guns fa­zem umas bo­as pe­ças in­ti­mis­tas. Mas em ge­ral há uma gran­de fal­ta de cultura e de au­to­res”.

A ges­tão dos es­pa­ços cul­tu­rais

Tem opi­niões mu­to pró­pri­as quan­to à ges­tão dos es­pa­ços de cultura, aliás, fo­ram es­sas “in­com­pa­ti­bi­li­da­des na ma­nei­ra de ver a ges­tão do Elin­ga” o mo­ti­vo do seu afas­ta­men­to, so­bran­do ape­nas “uma li­ga­ção pu­ra­men­te afec­ti­va”.

Acen­tua ser “pri­o­ri­tá­rio ha­ver um Te­a­tro Na­ci­o­nal com uma sa­la de­cen­te” e pe­de mai­or in­ter­ven­ção do ministério da Cultura na ges­tão des­se Te­a­tro e das sa­las exis­ten­tes.

Con­trá­ria à gran­de mo­ti­va­ção, ob­ser­va que há uma ex­ces­si­va fal­ta de in­ves­ti­men­to em in­fra-es­tru­tu­ras cul­tu­rais, o que faz com que as pes­so­as es­te­jam sem­pre a fa­zer es­pec­tá­cu­los em sa­las adap­ta­das, on­de as ca­dei­ras es­tão da­ni ica­das ou são adap­ta­ções.

En­tre­tan­to, re­cla­ma de al­gu­mas si­tu­a­ções es­pan­to­sas, co­mo é o ca­so do Te­a­tro Na­ci­o­nal ser a ba­se e não es­tar re­a­bi­li­ta­do mas ter dois res­tau­ran­tes ao la­do a funcionarem ex­cep­ci­o­nal­men­te, ou o ca­so de uma dig­na sa­la de es­pec­tá­cu­lo no Bié que os uten­tes lo­cais não sa­bem co­mo fa­zer fun­ci­o­nar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.