A fa­lá­cia da im­pes­so­a­li­da­de da obra li­te­rá­ria

Jornal Cultura - - Primeira Página - Jo­sé Luís Men­don­ça

O jor­nal Cultura co­me­ça a dar os seus fru­tos no que to­ca a co­lo­car so­bre a me­sa do de­ba­te cer­tas ques­tões mais can­den­tes que en­vol­vem a pro­du­ção da li­te­ra­tu­ra na­ci­o­nal e cu­ja dis­cus­são já es­te­ve, num pas­sa­do que es­pe­ra­mos mor­to e bem en­ter­ra­do, ei­va­da de pos­tu­la­dos ex­tra­li­te­rá­ri­os. Vis­to que a te­o­ria da li­te­ra­tu­ra ob­jec­ti­va-se a es­tu­dar a obra, o au­tor, o leitor e to­do o pro­ces­so que en­vol­ve as obras li­te­rá­ri­as, é fal­sa a ideia de que qual­quer aná­li­se que ex­tra­va­se o tex­to se­ja in­vá­li­da ou in­cor­rec­ta. Is­so, co­mo ve­re­mos adi­an­te, não pas­sa de uma fa­lá­cia. Pois, pe­los fru­tos, se co­nhe­ce a ár­vo­re e vi­ce-ver­sa.

Diz João Ta­la, na sua res­pos­ta que “a pro­pó­si­to do meu ar­ti­go pu­bli­ca­do no Vi­da Cul­tu­ral (VC) in­ti­tu­la­do Fun­da­men­tos de uma Es­treia, me ati­ve à obra e não à pes­soa.” E diz

tam­bém que “a apre­ci­a­ção li­te­rá­ria que es­cre­vi pa­ra o VC es­pe­lha sim­ples­men­te a im­por­tân­cia de uma es­treia va­lo­ri­zan­do o tex­to, bem na es­tei­ra do pen­sa­men­to de Gas­set y Or­te­ga se­gun­do o prin­cí­pio de que «o mau em es­té­ti­ca é a in­su ici­ên­cia», co­mo te­nho re­pe­ti­do al­gu­mas ve­zes.” Ora, é pre­ci­sa­men­te es­te as­pec­to da apre­ci­a­ção li­te­rá­ria va­lo­ri­zan­do o tex­to que aqui cha­ma­mos à co­la­ção.

Não é pre­ci­so mos­trar eru­di­ção e tra­zer pa­ra aqui Gas­set y Or­te­ga pa­ra, ao ler­mos um po­e­ma qual­quer, mes­mo que o seu au­tor já te­nha fa­le­ci­do, co­mo é o exem­plo da Epo­peia de Gi­gal­mesh pro­du­zi­do na an­ti­ga Me­so­po­tâ­mia, há mi­lé­ni­os, vis­lum­brar­mos ne­le a men­ta­li­da­de pré­ci­en­tí ica, o pen­sa­men­to mí­ti­co, a vi­são so­ci­al e a per­ten­ça cul­tu­ral do seu au­tor. É im­pos­sí­vel não ver is­so. Se­não, te­ría­mos obras sim­ples­men­te uni­ver­sais, não te­ría­mos obras des­te ou da­que­le de­ter­mi­na­do es­pa­ço ge­o­grá ico nem te­ría­mos au­tor al­gum. Do pon­to de vis­ta da aná­li­se de JT as obras se­ri­am en­tão to­das anó­ni­mas, im­pes­so­ais e apá­tri­das.

Acon­te­ce po­rém, que ca­da es­pa­ço ge­o­grá ico da Ter­ra, ca­da lu­gar on­de o ho­mem vi­ve e ca­da for­ma de pen­sar de um au­tor “en­tram”, por meio da lin­gua­gem, no ver­so com­pos­to que es­tá ago­ra pe­ran­te os nos­sos olhos. Por is­so é que o jú­ri do pré­mio An­tó­nio Ja­cin­to, ao de­pa­rar com a obra em cau­sa, en­con­trou in­dí­ci­os de um cer­to lu­gar que não é An­go­la na­que­les ver­sos. Is­so pres­su­pu­nha a

“Por seus fru­tos os co­nhe­ce­reis. Por­ven­tu­ra co­lhem­se uvas dos es­pi­nhei­ros, ou igos dos abro­lhos?

Mateus 7:16”

vi­vên­cia uni­ver­sal do seu au­tor. Se JT ou Car­los Fer­rei­ra, o apre­sen­ta­dor da obra, não vi­ram es­tes as­pec­tos, en­tão ocor­reu aí, no ac­to de re­cep­ção, aqui­lo que eu cha­ma­ria de “ar­ma­di­lha li­te­rá­ria”, ou “en­go­do do câ­no­ne li­te­rá­rio oci­den­tal” que pren­de o leitor à fas­ci­na­ção da obra bem cons­truí­da, se­gun­do a es­té­ti­ca do li­ris­mo eu­ro­cên­tri­co, só is­so, sem le­vá-lo a des­cer aos fun­da­men­tos cul­tu­rais da sua fa­bri­ca­ção. Acon­te­ce, po­rém, que so­mos afri­ca­nos nes­ta Al­deia Glo­bal. E es­sa afri­ca­ni­da­de, a vi­vên­cia diá­ria que te­mos com as coi­sas, os lu­ga­res e os es­pí­ri­tos es­pe­lham-se in­va­riá­vel e in­de­le­vel­men­te na obra pro­du­zi­da, a me­nos que o au­tor te­nha nas­ci­do e sem­pre vi­vi­do no exí­lio.

A ár­vo­re e os fru­tos

O po­e­ma ex­tra­va­sa, na sua ex­pres­si­vi­da­de ver­bal, a pró­pria psi­co­lo­gia, o mo­do de ser do au­tor. Por in­crí­vel que pa­re­ça, a po­e­sia, e até mes­mo o ro­man­ce, fa­lam com o sotaque in­di­vi­du­al do au­tor da obra.

É as­sim que a obra Mein Kampf tem no seu mi­o­lo ide­o­ló­gi­co a per­so­na­li­da­de e re­pre­sen­ta mes­mo o resultado da in­fân­cia mal­tra­ta­da de Adolf Hi­tler. É as­sim que a obra O Ca­pi­tal ins­cre­ve na sua con­cep­ção a vi­vên­cia his­tó­ri­ca e o hu­ma­nis­mo de Karl Marx. É as­sim que a obra Quem me De­ra ser On­da dei­xa sub­su­mir, na pro­fun­de­za da crí­ti­ca de cos­tu­mes e na lin­gua­gem de­se­nha­da a par­tir dos cli­chés do­més­ti­cos da ur­be lu­an­den­se, a al­ma de Ma­nu­el Rui. Por­que a for­ma co­mo Ma­nu­el Rui fa­la em pú­bli­co e o mo­do co­mo ele tra­ja são o es­pe­lho das su­as obras li­te­rá­ri­as. Mes­mo quan­do um au­tor, co­mo Fer­nan­do Pes­soa, cria mais de vin­te he­te­ró­ni­mos pa­ra a sua po­e­sia e obras em pro­sa, no co­ra­ção de to­das es­sas obras per­pas­sa o sen­ti­men­to de um oci­den­tal, o sen­ti­men­to de um ci­da­dão por­tu­guês, cha­ma­do Fer­nan­do Pes­soa. É só ler pa­ra en­ten­der es­ta ver­da­de. E é pre­ci­sa­men­te a par­tir do es­tu­do da vi­da pes­so­al de Fer­nan­do Pes­soa, é do fac­to de se sa­ber que ele sem­pre foi ce­li­ba­tá­rio, que se com­pre­en­de a ori­gem dos he­te­ró­ni­mos co­mo uma ne­ces­si­da­de vi­tal de di­a­lo­gar com o seu eu so­li­tá­rio.

Li­ga­ção in­cin­dí­vel

Obra e au­tor pos­su­em uma li­ga­ção ab­so­lu­ta­men­te in­cin­dí­vel.

Por is­so é que, se um in­te­lec­tu­al da Ma­lá­sia tra­du­zir pa­ra a lín­gua des­te país al­guns ver­sos do po­e­ta fran­cês Re­né Charr, fal­si ican­do-lhe cer­tas nu­an­ces geo-mor­fo­ló­gi­cas, co­mo for­ma de fol­clo­ri­zar es­ses ver­sos e apre­sen­tá-los a pú­bli­co co­mo sen­do da sua au­to­ria, po­de, re­al­men­te, ser acei­te e elo­gi­a­do co­mo a van­guar­da da po­e­sia ma­laia. A me­nos que, na Ma­lá­sia, ha­ja um crí­ti­co mais aten­to que pos­sa in­ves­ti­gar mais a fundo, e des­cu­bra en­tão que o sen­ti­men­to que se des­ve­la na­que­le dis­cur­so, em­bo­ra em lín­gua lo­cal e até com al­gu­mas nu­an­ces de fol­clo­ri­za­ção, é, na ver­da­de, o sen­ti­men­to de um oci­den­tal, que ele até nem co­nhe­ce, mas que ele “sa­be” não pro­vir da al­ma de um ho­mem que sem­pre vi­veu na­que­la par­te da Ásia e co­meu a co­mi­da que lá se co­me. É es­ta a ar­ma­di­lha que já fez al­guns jú­ris e ou­tros ana­lis­tas (in­clu­si­ve eu pró­prio) in­cor­rer em er­ros de ava­li­a­ção e é es­ta ar­ma­di­lha que le­vou al­guns dos nos­sos mais ve­lhos a acon­se­lha­rem al­guns po­e­tas da ge­ra­ção do pós-in­de­pen­dân­cia (in­cluin­do eu pró­prio) a es­cre­ve­rem se­gun­do aqui­lo que con­si­de­ra­vam po­e­sia mo­der­na de An­go­la.

Por is­so, meu ca­ro JT, num ins­tan­te ini­ci­al nem é pre­ci­so co­nhe­cer “a pes­soa” que a pro­du­ziu. Só de­pois, pa­ra com­pro­var a ve­ra­ci­da­de da aná­li­se, se vai à pes­soa, mas não à pes­soa ísi­ca, po­rém à pes­soa cul­tu­ral, ao veí­cu­lo hu­ma­no por­ta­dor de cultura.

Quan­do se fez a pes­qui­sa so­bre a “pes­soa” da De­ni­se Kan­gan­da­la não es­tá­va­mos, co­mo e ób­vio, a con­tac­tar a pes­soa bi­o­ló­gi­ca, mas a “pes­soa cul­tu­ral” e foi es­ta “pes­soa cul­tu­ral” que pro­vou que o jú­ri es­ta­va cer­to. É que, ao fa­lar­mos com a DK foi fá­cil cons­ta­tar que a mes­ma não do­mi­na­va a lín­gua (no sen­ti­do da com­po­si­ção do dis­cur­so e da gra­má­ti­ca) em que pre­ten­sa­men­te es­cre­veu os tais ver­sos e o seu mo­do de pen­sar não tem na­da a ver com a pro­fun­da me­ta­fí­si­ca pre­sen­te nos ver­sos de As­cen­são Cós­mi­ca. Daí o meu es­pan­to quan­do me in­ter­ro­guei so­bre as ra­zões que le­va­ram um po­e­ta da en­ver­ga­du­ra de JT, ao fa­lar com ela (pron­to, já não es­tou a afir­mar que ‘con­vi­veu’) não fez a li­ga­ção en­tre a “pes­soa cul­tu­ral” e a obra, vis­to não ter no­ta­do na obra o en­go­do do câ­no­ne aci­ma men­ci­o­na­do.

Con­vém não ig­no­rar, an­tes de ter­mi­nar­mos, que tu­do par­tiu da ten­ta­ti­va de cri­a­ção de mais um mi­to – des­ta fei­ta o mi­to da van­guar­da li­te­rá­ria – no cam­po da Li­te­ra­tu­ra an­go­la­na. Es­ta ten­ta­ti­va abriu luz so­bre dois pres­su­pos­tos fun­da­men­tais pa­ra a aná­li­se da mo­der­na po­e­sia an­go­la­na (e tam­bém da pro­sa): 1. O en­go­do do câ­no­ne oci­den­tal; e 2. A in­se­pa­ra­bi­li­da­de da pes­soa e da obra – iden­ti­da­de cul­tu­ral da obra. Se­re­mos nós aves­sos à ino­va­ção? Nem pen­sar! Só que, ino­va­ção de­ve ser to­ma­da no seu sen­ti­do am­plo e não co­mo as­si­mi­la­ci­o­nis­mo re­du­tor. Por­que a ver­da­de é que as nos­sas pa­la­vras de vi­ver­mos com elas, em­bo­ra cons­truí­das na lín­gua por­tu­gue­sa, são di­fe­ren­tes, têm, co­mo o por­tu­guês bra­si­lei­ro, o seu pró­prio sotaque. Nós não so­mos por­tu­gue­ses, nem so­mos europeus ou sul-ame­ri­ca­nos. Se a po­e­sia não tem ne­nhu­ma cor­res­pon­dên­cia com a vi­vên­cia do au­tor (que nós, por vi­ver­mos aqui, bem co­nhe­ce­mos) te­mos é uma po­e­sia li­vres­ca que vai to­mar de em­prés­ti­mo, só e só, bo­ni­tos ver­sos já es­cri­tos. A es­te te­ma vol­ta­re­mos nos pró­xi­mos di­as e me­ses do no­vo ano.

Es­cul­tu­ra de An­tó­nio Ole.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.