Ale­go­ri­as do Car­na­val

Jornal Cultura - - Eco De Angola - Jo­séLuísMen­don­ça

1

É nos car­ros ale­gó­ri­cos que o car­na­val ga­nha a sua ex­pres­si­vi­da­de ci­né­ti­ca, a sua ic­ção ar­tís­ti­ca, en­ri­que­cen­do o âm­bi­to do es­pec­tá­cu­lo vi­su­al que é o des ile dos gru­pos.

Os car­ros ale­gó­ri­cos sur­gem sem­pre co­mo ce­ná­rio am­bu­lan­te de re­pre­sen­ta­ção igu­ra­ti­va do gru­po car­na­va­les­co, a se­guir ao pen­dão com as in­síg­ni­as.

Qu­an­to ao as­pec­to ide­o­ló­gi­co, a ale­go­ria trans­por­ta pa­ra os olha­res e ou­vi­dos aten­tos do pú­bli­co uma ideia mo­ral, de pen­dor di­dác­ti­co, no nos­so ca­so, mui­tas ve­zes, des­de o ido Car­na­val da Vi­tó­ria, in­cor­po­ran­do al­gu­ma má­xi­ma po­lí­ti­ca.

Es­ta é, aliás, a pró­pria na­tu­re­za des­ta for­ma de ex­pres­são ar­tís­ti­co-li­te­rá­ria que, des­de a era de Pla­tão, nos le­gou a Ale­go­ria da Ca­ver­na.

2

Ho­je em dia, o nos­so car­na­val es­tá nu­ma fa­se de ma­tu­ra­ção im­plí­ci­ta, pois, na­da em An­go­la no do­mí­nio da Cul­tu­ra po­de icar, da­da a di­nâ­mi­ca da vi­da so­ci­al, ino­cen­te fa­ce ao im­pac­to da Glo­ba­li­za­ção eco­nó­mi­ca que ins­cre­ve nos seus me­an­dros, fac­to­res cau­sais de as­si­mi­la­ção ar­tís­ti­ca, atra­vés da for­ça das in­dús­tri­as cul­tu­rais dos paí­ses mais de­sen­vol­vi­dos. Tam­bém não es­tá imu­ne às for­mas do pen­sar dos agen­tes cul­tu­rais e das su­as ne­ces­si­da­des de a ir­ma­ção e de con­quis­ta de va­lor(es) so­ci­ais. E es­te qua­dro da ma­ni­fes­ta­ção das ar­tes em An­go­la tem a sua pul­sa­ção rit­ma­da por on­das de cri­a­ção es­pon­tâ­nea (po­pu­la­res), mas é pu­bli­ci­ta­da ou di­fun­di­da por ca­nais de trans­mis­são o ici­al, on­de se si­tua o pe­so mai­or da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al. Só que, nes­te âm­bi­to perdura a von­ta­de do di­fu­sor car­nal com a sua mun­di­vi­dên­cia pro­pen­sa a mol­dar o gos­to de um cer­to pú­bli­co mais vul­ne­rá­vel à “ba­ti­da da mo­da”.

Mas quei­mar os neu­ró­ni­os em bus­ca de um bo­de ex­pi­a­tó­rio no pe­lou­ro da Cul­tu­ra é ta­re­fa in­gló­ria. A Cul­tu­ra de um país não se faz nos ga­bi­ne­tes o ici­ais, faz-se na rua, nas ca­sas, nos quin­tais, na rá­dio, na te­le­vi­são, nos com­pu­ta­do­res dos DJs, nas dis­co­te­cas e na cir­cu­la­ção dos su­por­tes cul­tu­rais, a par­tir das pro­du­to­ras. É com es­tes agen­tes e nes­tes es­pa­ços que se de­ve tra­ba­lhar, nu­ma li­nha de par­ce­ri­as ac­tu­an­tes, com os in­te­lec­tu­ais pe­lo meio a en­tre­te­ce­rem as li­nhas de con luên­cia. Den­tro des­se es­pí­ri­to, a ma­tu­ra­ção da ins­ti­tui­ção cha­ma­da car­na­val an­go­la­no ain­da im­plí­ci­ta, ou em po­tên­cia – de­vi­do ao jo­go au­daz das for­ças que ne­le de­vi­am in­te­ra­gir e não se di­gla­di­ar – há-de se ma­ni­fes­tar ou re-ma­ni­fes­tar a seu tem­po.

3

Es­sa apa­ri­ção do ‘no­vo’ no car­na­val de­pen­de, e mui­to, da for­ça e da cri­a­ti­vi­da­de das in­dús­tri­as cul­tu­rais que, até ho­je, não abar­cam ain­da a ver­ten­te das ale­go­ri­as da mai­or fes­ta do po­vo an­go­la­no.

Por is­so, se os car­ros ale­gó­ri­cos que, no ano pas­sa­do, des ila­ram na Ave­ni­da Dr. An­tó­nio Agostinho Ne­to, ain­da pe­cam pe­lo de­fei­to da in­ge­nui­da­de e da po­bre­za ma­te­ri­al dos ade­re­ços e fan­ta­si­as, is­so só de­no­ta a pou­ca aten­ção que o ra­mo da In­dús­tria de­vo­ta à Cul­tu­ra, no apoio aos em­pre­sá­ri­os pri­va­dos des­te sec­tor que ha­ve­rá, cer­ta­men­te, co­mo em to­do e qual­quer país do mun­do. Por exem­plo, no to­can­te aos car­ros ale­gó­ri­cos, es­tá­se a ima­gi­nar fá­bri­cas que pro­du­zam ima­gens em ma­dei­ra, plás­ti­co, ou ou­tra ma­té­ria pri­ma ne­ces­sá­ria pa­ra com­por ade­re­ços e fan­ta­si­as de in­ten­so bri­lho e mag­no es­plen­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.