Marx, La­can, Fou­cault e An­tó­nio Ja­cin­to

Jornal Cultura - - Primeira Página - Pires La­ran­jei­ra

Pro­po­nho-me con­ti­nu­ar a ler a po­e­sia de An­tó­nio Ja­cin­to com a aju­da do mar­xis­mo, mas tam­bém a ir­mar ob­vi­a­men­te que tal lei­tu­ra se mos­tra­ria re­du­to­ra se icas­se nes­se âm­bi­to ana­lí­ti­co, até por­que, num seu po­e­ma, há uma epí­gra­fe du­pla de La­can e uma re­fe­rên­cia a Van Gohg. Quem di­ria? Te­rá An­tó­nio Ja­cin­to ex­pe­ri­men­ta­do, com es­se tex­to, a vertigem da pré-lou­cu­ra?

O “Po­e­ma da ali­e­na­ção”, de An­tó­nio Ja­cin­to, es­cri­to na épo­ca do mo­vi­men­to em tor­no da re­vis­ta Men­sa­gem, é o tex­to em que me­lhor es­tá ex­pres­sa a di­a­léc­ti­ca ma­te­ri­a­lis­ta da ali­e­na­ção do su­jei­to nas re­la­ções so­ci­ais e de pro­du­ção de tra­ba­lho. Há ne­le uma re­cu­sa da con­cep­ção es­sen­ci­a­lis­ta do su­jei­to – do ser -, quer na ver­ten­te fe­no­me­no­ló­gi­ca de uma on­to­lo­gia me­ta ísi­ca, quer na do exis­ten­ci­a­lis­mo in­di­vi­du­a­li­zan­te, pois es­ta­be­le­ce a cons­ti­tui­ção do ser no ato de agir, ou me­lhor, de in­te­ra­gir, de ma­ni­fes­ta­ção da sub­jec­ti­vi­da­de no en­con­tro com o Ou­tro atra­vés tam­bém dos ac­tos de fa­la, pe­lo dis­cur­so, o qual se cons­ti­tui, co­mo diz o po­e­ma, “no Ges­to e no Ser”, am­bas as subs­tân­ci­as subs­tan­ti­vas apa­re­cen­do com le­tra mui­to sig­ni ica­ti­va­men­te maiús­cu­la. O su­jei­to que a igu­ra do po­e­ta in­ter­pe­la é apre­sen­ta­do pe­la ima­gem do “po­e­ma”, co­mo se po­de ler no se­guin­te ver­so ilus­tra­ti­vo da con­di­ção so­ci­al do su­jei­to co­lec­ti­vo fei­to de mui­tos ou­tros su­jei­tos con­subs­tan­ci­a­dos em pro is­sões ou usos da for­ça de tra­ba­lho: “O meu po­e­ma an­da des­cal­ço na rua”. En­tre a cons­ci­ên­cia do su­jei­to poé­ti­co de que o pró­prio po­e­ma que es­cre­ve não é ne­ces­sa­ri­a­men­te o de­se­já­vel, mas ape­nas o pos­sí­vel (“Não é es­te ain­da o meu po­e­ma/(…)//Eu ain­da não sei nem pos­so es­cre­ver o meu po­e­ma”), ou a igu­ra do “po­e­ma” co­mo su­jei­to ali­e­na­do que se des­co­nhe­ce (ou se­ja, que des­co­nhe­ce a con­di­ção so­ci­al e his­tó­ri­ca em que se en­con­tra) e a ali­e­na­ção que o tex­to es­pe­ra vir a de­so­cul­tar, ao po­der mos­trar a pos­si­bi­li­da­de de de­sa­li­e­na­ção, es­tá o de­cur­so da his­tó­ria ins­cri­to no per­cur­so do dis­cur­so poé­ti­co, por­que a cons­ci­ên­cia so­ci­al e po­lí­ti­ca é tam­bém a cons­ci­ên­cia da lin­gua­gem, quer di­zer, “a lin­gua­gem é tão ve­lha co­mo a cons­ci­ên­cia – a lin­gua­gem é a cons­ci­ên­cia re­al prá­ti­ca (…) a lin­gua­gem só nas­ce, co­mo a cons­ci­ên­cia, da ne­ces­si­da­de, da ca­rên­cia ísi­ca do in­ter­câm­bio com ou­tros ho­mens” (Marx e En­gels, in cap. Pri­mei­ro de “A ideologia ale­mã”, in Marx e En­gels, Obras es­co­lhi­das, p. 22). Por is­so, es­sa di­a­léc­ti­ca ma­te­ri­a­lis­ta do tra­ba­lho co­mo ac­ção ali­e­na­tó­ria e da lin­gua­gem co­mo pos­si­bi­li­da­de de ex­pres­são da ali­e­na­ção – tra­ta-se de um tra­ba­lho so­bre a lin­gua­gem – en­for­ma a cons­ci­ên­cia de clas­se dos re­pre­sen­tan­tes do es­cas­so pro­le­ta­ri­a­do an­go­la­no nas dé­ca­das de 4050, mais alar­ga­da­men­te do co­lo­ni­za­do, do su­bal­ter­no, so­bre­tu­do do ne­gro, mas tam­bém de ou­tras ra­ças ou gru­pos so­cio-ra­ci­ais. O po­e­ma “Car­ta dum con­tra­ta­do”, mais do que qual­quer ou­tro, com­bi­na com o “Po­e­ma da ali­e­na­ção”, pa­ra mos­trar que a con­di­ção de ali­e­na­ção pas­sa pe­la ali­e­na­ção da pró­pria for­ça de tra­ba­lho e pe­la não cons­ci­ên­cia da si­tu­a­ção, pe­la sua não trans­for­ma­ção em dis­cur­so re le­xi­vo e em ac­ção re­vo­lu­ci­o­ná­ria, a que po­de­mos cha­mar, com Althus­ser, tra­ba­lho ou prá­ti­ca teó­ri­ca, se­ja ele do po­e­ta co­lo­ni­za­do ou do co­lo­ni­za­do que não é po­e­ta, mas po­de vir a sê-lo, pois “não é a cons­ci­ên­cia que de­ter­mi­na a vi­da, é a vi­da que de­ter­mi­na a cons­ci­ên­cia”, co­mo se po­de ler no cap. 1 de “A ideologia ale­mã”, de Marx e En­gels (in Obras es­co­lhi­das, p. 14). Pa­ra La­can, o su­jei­to de­pen­de do sig­ni ican­te e es­te es­tá, des­de lo­go, no cam­po do Ou­tro, uma vez que a lin­gua­gem é so­ci­al, as­sim se tra­du­zin­do a ali­e­na­ção jus­ta­men­te co­mo es­se “cam­po do Ou­tro”, on­de se en­gen­drou a pri­mei­ra ali­e­na­ção, con­for­me He­gel, a que le­vou o ho­mem a su­jei­tar-se à via da es­cra­vi­za­ção – “A li­ber­da­de ou a vi­da!” – per­den­do as du­as se op­ta pe­la li­ber­da­de ou per­den­do es­ta, a li­ber­da­de, se pre­fe­re a vi­da (La­can, Les qu­a­tre con­cepts…, p. 229 e 237).

An­tó­nio Ja­cin­to mos­tra, nes­ses seus po­e­mas e nou­tros da mes­ma épo­ca, que me abs­te­nho de enu­me­rar, co­mo ca­da su­jei­to – que é ain­da ob­je­to -, re­pre­sen­tan­do um gru­po so­ci­o­pro is­si­o­nal ou uma fran­ja de clas­se, não es­tá ain­da pron­to pa­ra um de­vir que o tor­ne ou­tro, já não su­bal­ter­no (con­for­me Spi­vak: “no in­te­ri­or e no ex­te­ri­or do cir­cui­to da vi­o­lên­cia epis­té­mi­ca da lei e da edu­ca­ção im­pe­ri­a­lis­tas que se ajus­tam a um tex­to eco­nó­mi­co an­te­ce­den­te, po­dem os su­bal­ter­nos/as su­bal­ter­nas fa­lar?”) (p. 43), mas re­vol­tan­do-se e re­vo­lu­ci­o­nan­do o seu tem­po, ex­pres­san­do-se e ex­pres­san­do a sua vi­são de mun­do, nu­ma lu­ta co­lec­ti­va con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo e o im­pe­ri­a­lis­mo. Ou se­ja, o su­bal­ter­no, que é o pró­prio An­tó­nio Ja­cin­to, en­quan­to bran­co de se­gun­da ca­te­go­ria, con­for­me a dis­tin­ção co­lo­ni­al, po­de en­ca­rar uma lu­ta de li­ber­ta­ção da sua con­di­ção so­ci­al ape­nas atra­vés de uma mais am­pla lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, mas, pa­ra is­so, ne­ces­si­ta de um tra­ba­lho mais com­ple­xo de li­ber­ta­ção cul­tu­ral, de uma no­va cons­tru­ção in­te­lec­tu­al: “O tra­ba­lho mais com­ple­xo con­ta ape­nas co­mo tra­ba­lho sim­ples po­ten­ci­a­do, ou an­tes, mul­ti­pli­ca­do, de tal for­ma que um me­nor quan­tum de tra­ba­lho com­ple­xo é igual a um quan­tum mai­or de tra­ba­lho sim­ples” (Marx, O ca­pi­tal. Li­vro Pri­mei­ro, to­mo 1, p. 56). Es­se tra­ba­lho, o po­e­ta po­de fa­zê-lo na sua po­e­sia, ao ex­por o pro­ces­so de ali­e­na­ção do co­lo­ni­za­do: “O meu po­e­ma (…) é pobre ro­to e su­jo/vi­ve na noi­te da ig­no­rân­cia/o meu po­e­ma na­da sa­be de si/nem sa­be pe­dir/O meu po­e­ma foi fei­to pa­ra se dar/pa-

Po­e­ta e na­ci­o­na­lis­ta an­go­la­no An­tó­nio Ja­cin­to

Fi­ló­so­fo e eco­no­mis­ta ale­mão Karl Marx

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.