Os kan­den­gues atre­vi­dos as­su­mem a rup­tu­ra?

O ca­so­ge­ra­ção do Sem­ba­do Pu­to Por­tu­guês

Jornal Cultura - - Primeira Página - Ma­ta­di Ma­ko­la

D as su­as cons­te­la­ções, o Rangel já fez emer­gir a ní­vel na­ci­o­nal três pu­tos que fo­ram gran­des do ku­du­ro, res­pec­ti­va­men­te: Pu­to Pra­ta (o do

Ki­be­xa); Pu­to Li­las (o do Vo­lan­te) e o Pu­to Por­tu­guês (o do Wa­ki­mo­no). Den­tre os três, o úl­ti­mo “emi­grou” pa­ra o sem­ba, on­de viu a sua fa­ma e po­si­ção atin­gi­rem gran­des pro­por­ções.

Pu­to Por­tu­guês faz o seu no­me ao la­do de Na­ko­be­ta. O seu ku­du­ro re­gis­tou bons mo­men­tos nos hits Man­da Po­tên­cia , em que a du­pla con­ta com a par­ti­ci­pa­ção do rap­per Vui­vui, dois Ka­li­bra­do. Um ku­du­ro me­xi­do e de ri­mas bem tra­ba­lha­das; Chu

pa­lá e Ba­ba-ba­ba são ou­tros dois su­ces­sos do ku­du­ro de 2000; Ma­ma Kudy foi ou­tro te­ma que ba­teu, e que já tra­zia um pou­co das mis­tu­ras hou­se de ho­je. Em É ho­je, com par­ti­ci­pa­ção do Zo­ka Zo­ka, po­de­mos en­con­trar ain­da a sua car­ga rap. Tar­ra­xa é uma tar­ra­xi­nha e tal­vez a úni­ca ten­ta­ti­va nes­te es­ti­lo ar­ris­ca­da pe­lo ku­du­ris­ta. A mes­ma não che­gou a ser mui­to co­nhe­ci­da. Tra­ba­lha­da pe­lo Dj Ha­vai­a­na, Fre­esty­le éa mú­si­ca em que os ku­du­ris­ta Gata Agres­si­va e Zo­ka Zo­ka tam­bém par­ti­ci­pam. Wa­ki

mo­no foi o mai­or su­ces­so da du­pla Na­ko­be­ta e Pu­to Por­tu­guês, au­to­con­si­de­ra­da “a mais for­te do pla­ne­ta”.

Nos dois ál­buns de sem­ba edi­ta­dos até ao mo­men­to, as su­as com­po­si­ções não fo­gem das te­má­ti­cas do rap, do ReB e do ku­du­ro. É um cli­ché que gi­ra em tor­no da da­ma “ba­ro­na”, do adul­té­rio, da be­bi­da, das tru­ku­te­ca de iní­cio de inal de se­ma­na, fa­la so­bre o pa­che­co, con li­tos amo­ro­sos, acul­tu­ra­ção e acon­te­ci­men­tos inu­si­ta­dos do dia-a-dia.

O sem­ba e o ku­du­ro têm na sua in­ten­ção me­ló­di­ca dis­cre­pân­ci­as que até ago­ra se a igu­ram apá­ti­cas. In­fe­liz­men­te, a tran­si­ção de épo­cas – con­se­quen­te do po­si­ti­vo e na­tu­ral re­la­ti­vis­mo cul­tu­ral – trou­xe os seus ex­ces­sos, as su­as aber­ra­ções; e tal­vez em to­das as áre­as da ar­te an­go­la­na se te­nha in­fec­ta­do mes­mo as con­sequên­ci­as. O pro­ble­ma em mãos es­tá na re­ver­são to­tal ou con­ver­são ajus­ta­da. Nes­ta sen­da, ques­ti­o­na­mos: se­rá pos­sí­vel tra­var ou tra­tar a má­qui­na pop que atin­giu as ca­ma­das mais re­cen­tes e con­ti­nu­ou o cur­so da “des igu­ra­ção” cul­tu­ral sob o pre­tex­to de re­vin­di­car o seu su­pos­to di­rei­to de se equi­par/acom­pa­nhar a pe­da­la­da da má­qui­na cul­tu­ral das con­tem­po­ra­nei­da­des eu­ro­pei­as e ame­ri­ca­nas e com elas es­ta­be­le­cer diá­lo­gos?

O es­ta­do do sem­ba cons­ti­tui um dos al­vos des­ta pro­ble­má­ti­ca, que de­le ve­mos bro­tar à ga­lo­pa­da um sub­gé­ne­ro que, pe­las su­as ca­rac­te­rís­ti­cas pop, in­di­cia uma rup­tu­ra na me­lo­dia e na com­po­si­ção, cu­jo pro­ta­go­nis­mo nos di­as que cor­rem tem si­do as­su­mi­do pe­lo en­tão ku­du­ris­ta Pu­to Por­tu­guês, e des­sa sua “no­va praia” já re­sul­ta­ram os dis­cos Ge­ra­ção do Sem­ba e Rit

mo e Me­lo­dia, dois re­gis­tos mu­si­cais hí­bri­dos, ape­sar do pro­ta­go­nis­mo me­diá­ti­co cau­sa­do.

Foi a prin­ci­pal ani­ma­ção da 3ª edi­ção do Top ku­du­ro, que acon­te­ceu no Ci­ne Atlân­ti­co no dia 30 de No­vem­bro do ano pas­sa­do. Do ku­du­ro lem­bra os su­ces­sos

Wa­ki­mo­no eo Chu­pa­lá, e do sem­ba as mú­si­cas Zé­be­dé e Oce­a­no Atlân­ti­co, a úl­ti­ma es­cri­ta em São To­mé.

Ge­ra­ção do Sem­ba: os kan­den­gues atre­vi­dos as­su­mem a rup­tu­ra

Pe­la sua pro­fun­di­da­de e exi­gên­cia, po­de­ria al­guém sal­tar do sem­ba pa­ra o ku­du­ro num abrir e fe­char de olhos? Ou­vi­mo-lo: “To­mei a de­ci­são e de­ci­di ar­ris­car. Po­de não agra­dar a to­dos, mas há sem­pre al­guém que aca­ba por gos­tar. No sem­ba o su­ces­so foi ime­di­a­to”.

O cd Ge­ra­ção do Sem­ba, lan­ça­do em inais de 2010, foi o Dis­co do Ano do Top Rá­dio Lu­an­da do mes­mo ano. Foi um dos dis­cos mais to­ca­dos pe­las rá­di­os. Ba­si­ca­men­te, a pa­la­vra sem­ba vol­tou a es­tar na bo­ca do pú­bli­co, prin­ci­pal­men­te jo­vem.

Com al­gu­ma ver­da­de a fa­vor, Por­tu­guês acu­sa: “O sem­ba sem­pre foi mui­to mais tra­di­ci­o­nal e mui­to mais pa­ra os ko­ta. Is­so é uma evo­lu­ção que co­me­ça a se a ir­mar com o Yu­ri da Cu­nha. Ele é de fac­to a gé­ne­se do sem­ba jo­vem e no­vo: aque­le das coi­sas de es­tú­dio e me­xi­das elec­tró­ni­cas. Ho­je a ju­ven­tu­de gos­ta mais do sem­ba de­vi­do aos ar­ran­jos que nós im­pu­se­mos. Hou­ve mui­tas crí­ti­cas e quem de­sa­cre­di­tas­se da no­va pos­tu­ra que im­po­mos. Os mais ve­lhos es­tão a dei­xar. Nós po­de­mos não in­ter­pre­tar ra­di­cal­men­te, mas be­ber um pou­co e fa­zer nas­cer uma no­va ce­na”.

Em­bo­ra não se dis­cri­mi­ne as com­po­si­ções em por­tu­guês, o sem­ba sem­pre foi es­tru­tu­ra­do a ser veí­cu­lo e fer­ra­men­ta das lín­guas na­ci­o­nais. É o seu ide­al, uma ca­rac­te­rís­ti­ca or­gâ­ni­ca a pre­ser­var. Mas o no­vís­si­mo dia da mú­si­ca nas­ce con­cen­tra­do na me­tró­po­le pro­gres­si­va. To­do o pú­bli­co e sta­tus de­pen­dem ape­nas de Lu­an­da. As no­vas es­tre­las são ci­ta­di­nas e só têm o por­tu­guês co­mo lín­gua ma­ter­na. Nas­cem ha­bi­tu­a­dos aos pré­di­os al­tos e to­da a ga­ma elec­tró­ni­ca. Vol­tar pa­ra o co­ra­ção de An­go­la é um sa­cri ício que tal­vez não es­te­jam dis­pos­tos a atu­rar. São ins­tan­tâ­ne­os.

“Pa­ra nós pre­ser­va­mos a cul­tu­ra não bas­ta ape­nas can­tar em kim­bun­du. Mas nós va­mos fa­zer o que pu­der­mos. Che­ga uma al­tu­ra em que po­de­re­mos re­vi­si­tar a ori­gem do sem­ba pa­ra ates­tar co­mo o sem­ba atin­giu os pa­ta­ma­res que ho­je com­pre­en­de. É ló­gi­co que é pre­ci­so apre­sen­tar as ori­gens do sem­ba, mas sem dei­xar de ser o “kan­den­gue atre­vi­do”. Te­nho gran­de fei­ção pe­los mú­si­cos Pau­lo Flo­res e Yu­ri da Cu­nha. Pe­la gran­de par­te de jo­vens que ho­je con­se­gue fa­zer sem­ba, en­tão de­ci­di ho­me­na­ge­ar es­te gru­po do no­vís­si­mo sem­ba com o Ge­ra­ção do Sem­ba. Mui­tos kotas já es­tão a dei­xar a mú­si­ca e tem de ha­ver gen­te pa­ra dar con­ti­nui­da­de a es­te es­ti­lo. Ad­mi­ti­mos que o sem­ba já não é igual. Nós bus­ca­mos ou­tros sons que nos di­fe­ren­ci­am, mas não dei­xou de ser sem­ba”.

O ku­du­ro é o es­ti­lo que sa­bia fa­zer e era a sua úni­ca op­ção. En­tre­tan­to, con­ta que já pen­sa­va e sem­pre gos­tou dos es­ti­los sem­ba e ki­zom­ba. Par­ti­lhou con­vi­vên­ci­as com os do seu cír­cu­lo, po­den­do adi­an­tar os no­mes do Znó­bia, Noi­te e Dia, Na­ko­be­ta, Pu­to Pra­ta, Dj Wal­ter La­ton e ou­tros que mo­vi­men­ta­vam o cir­cui­to das no­vas ten­dên­ci­as mu­si­cais aí no Rangel.

Mu­dou de es­ti­lo mas não de no­me. Tem in­du­men­tá­ria de rap­per ame­ri­ca­no ou de exe­cu­ti­vo eu­ro­peu (o fa­to e gra­va­ta). Fa­lou-nos um pou­co dis­so: “Não ti­nha co­mo mu­dar o no­me. É uma mar­ca. Eu ti­nha 12 anos qu­an­do de­ci­di usar o no­me de Pu­to Port­guês. Já fa­zia ku­du­ro. A mi­nha aten­ção era usar um no­me que cha­mas­se a aten­ção das pes­so­as, por is­so pen­sei num no­me es­tran­gei­ro. Co­mo ti­nha do­ze anos, en­tão jun­tei o pu­to ao por­tu­guês. Is­so tu­do acon­te­ceu no Rangel. Tro­car co­mo? É com­pli­ca­do por­que is­so já é uma mar­ca cri­a­da. Tal­vez num fu­tu­ro pró­xi­mo ti­rar o Pu­to e icar só o Por­tu­guês. Mas ain­da não pen­so nis­so”.

Já se sen­tiu ten­ta­do a can­tar rap e che­gou mes­mo a gra­var. Uma vez foi ter com um pro­du­tor e lhe ex­pli­cou que qu­e­ria ex­pe­ri­men­tar um rap, mas não ti­rou por­que não era in­ten­ção pro­mo­ver-se nes­te es­ti­lo.

Sem­pre se viu in­flu­en­ci­a­do pe­lo Na­ko­be­ta. Era vi­zi­nho do Znó­bia e qua­se sem­pre ia vê-lo no seu es­tú­dio, on­de apro­vei­ta­va pa­ra en­sai­ar coi­sas no­vas. Mas mui­tas ve­zes ia ape­nas pa­ra as­sis­tir. As­su­me que já não con­se­gue vol­tar pa­ra o ku­du­ro por­que o sem­ba lhe ocu­pa as su­as idei­as e tu­do aqui­lo que ide­a­li­zou na mú­si­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.