Do­cu­men­tá­rio é a apos­ta do Es­ta­do

Jornal Cultura - - Artes -

tam­bém te­nha fei­to re­al­ce so­bre o fe­nó­me­no de ven­da e dis­tri­bui­ção do ci­ne­ma ni­ge­ri­a­no, que tem si­do mui­to im­pul­si­o­na­do por uma mai­o­ria jo­vem.

O FESPACO (Fes­ti­val Pan-afri­ca­no do Ci­ne­ma e da Te­le­vi­são de Ou­a­ga­dou­gou) tam­bém me­re­ceu al­gu­ma aten­ção, que é um dos fes­ti­vais que mais im­pul­si­o­na e ofe­re­ce vi­si­bi­li­da­de a pro­du­ções afri­ca­nas mas que tam­bém tem si­do pre­ju­di­ca­do de­vi­do à sua de­pen­dên­cia à lín­gua e pro­du­ções fran­ce­sas.

Foi des­te mo­do que fez en­ten­der o ris­co do ci­ne­ma fei­to ho­je ser de ca­riz PALOP, vi­ra­do a es­ta ideia de co­mu­ni­da­de da lín­gua, re­ce­an­do es­tar­mos ain­da a se­guir a in luên­cia do país co­lo­ni­za­dor.

Ago­ra, se já po­de­mos avan­çar a ideia de “um no­vo ci­ne­ma an­go­la­no”, dis­se ser pre­ma­tu­ro, vis­to que há ain­da uma his­tó­ria por se cons­truir e do pre­sen­te só meia dú­zia de pro­jec­tos me­re­ce­ram aten­ção, por um la­do. Por ou­tro, o ci­ne­ma é ain­da “ca­ri­ca­to” por­que as pro­du­ções são apoi­a­das por en­ti­da­des es­tran­gei­ras, ou se­ja, os ci­ne­as­tas a con­si­de­rar tri­lham os seus pas­sos a par­tir do es­tran­gei­ro.

Do que viu fo­ra do país, re­co­nhe­ceu ha­ver coi­sas bo­as a bus­car, que aju­da­ri­am tam­bém a com­pre­en­der a im­por­tân­cia do ci­ne­ma. “Acho que po­día­mos apro­vei­tar o ci­ne­ma pa­ra “ven­der­mos” es­ta ima­gem de An­go­la a se re­cons­ti­tuir e a dar azo ao seu gé­nio cri­a­ti­vo, co­mo é o ca­so do ku­du­ro, que ago­ra atra­ves­sa uma fa­se de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção e que é pre­ci­so ates­tar a sua iden­ti­da­de e ori­gem, po­den­do o ci­ne­ma se apre­sen­tar co­mo op­ção atra­vés de uma cons­tru­ção íl­mi­ca so­bre a his­to­ria de raí­zes cul­tu­rais an­go­la­nas que de­ram ori­gens a sub­gé­ne­ros que não po­dem ser to­ma­dos co­mo no­vi­da­des ou in­ven­ções do ago­ra”, a ir­ma.

O pro­du­tor opi­na que a ta­re­fa de mos­trar à pos­te­ri­o­ri­da­de as gé­ne­ses do país po­de ser fei­ta atra­vés de do­cu­men­tá­ri­os. A exem­plo, fri­sou o co­nhe­ci­men­to que nos che­ga de Mbanza Kon­go: “Mas quem sa­be ou re­fe­re as li­ga­ções des­te rei­no e o actualiza? É uma das ques­tões que po­dem me­re­cer um tra­ta­men­to fíl­mi­co pa­ra dar a en­ten­der aos jo­vens co­mo fun­ci­o­na­va o rei­no, até por­que pos­suí­mos ar­qui­vos acer­ca dis­so. Quem po­de­ria ima­gi­nar a pre­sen­ça da cul­tu­ra con­go­le­sa na Ar­gen­ti­na e no Uru­guai e a sua in­ter­fe­rên­cia cul­tu­ral nes­tes paí­ses?”, volta a ques­ti­o­nar.

Nes­ta sen­da, Pedro Ra­ma­lho­so, di­rec­tor do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Ci­ne­ma e Au­di­o­vi­su­ais, jus­ti­fi­cou que os in­te­res­ses do Es­ta­do es­tão vi­ra­dos pa­ra a cri­a­ção de do­cu­men­tá­ri­os por pos­suí­rem um na­tu­re­za in­for­ma­ti­va ca­bal e que se ajus­ta às ne­ces­si­da­des de in­for­ma­ção de ho­je, dei­xan­do ain­da de par­te o apoio à pro­du­ção de te­le­no­ve­las e fic­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.