A Con­tem­po­ra­nei­da­de Factual

Jornal Cultura - - Eco De Angola - Pal­mi­ra Tji­pi­li­ca

A vi­da so­ci­al, cul­tu­ral e po­lí­ti­ca dos nos­sos di­as pas­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te pe­la mo­da factual que en­con­tra um bom res­pal­do nas tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção. A mai­or par­te dos le­tra­dos e não le­tra­dos e a ca­da um a seu ní­vel e mun­do de in­te­res­ses, be­be das ima­gens e dos fac­tos, uma boa par­te da in­for­ma­ção que se di­ge­re de acor­do com os có­di­gos de con­du­ta e de va­lo­res ad­qui­ri­dos quer na in­fân­cia, quer na vi­da adul­ta, em que o mo­tor edu­ca­ção é na mai­or par­te dos ca­sos, uma ala­van­ca pa­ra a trans­for­ma­ção dos fac­tos em his­tó­ria. A his­tó­ria eco­nó­mi­ca dos nos­sos di­as, não é mais que uma re­pe­ti­ção de da­dos avan­ça­dos des­de que o ho­mem começou a con­tar as pri­mei­ras pe­dri­nhas e mo­e­das de tro­ca ao nú­me­ro de mu­lhe­res e ilhos que for­mam gru­pos de fa­mí­li­as, tri­bos e, de for­ma mais alar­ga­da, da pró­pria et­nia e po­pu­la­ção de for­ma con­tro­la­da de acor­do com téc­ni­cas apro­pri­a­das de con­tro­le de in­di­ví­du­os que com­põe um Es­ta­do ou uma Na­ção, tor­nan­do os res­pec­ti­vos ha­bi­tan­tes, do­nos dos fac­tos e acon­te­ci­men­tos que po­dem ir além do de­vi­do es­pa­ço ge­o­grá ico atra­vés da emi­gra­ção, fac­to que pre­o­cu­pa a mai­or par­te dos paí­ses e Es­ta­dos mais vul­ne­rá­veis pe­la com­po­nen­te trans­fron­tei­ri­ça que ape­sar de en­vi­dar es­for­ços no sen­ti­do da in­ver­são e con­tro­le dos in­di­ví­du­os que em gru­po ou não, se ar­ris­cam a atra­ves­sar fron­tei­ras ter­res­tres, ma­rí­ti­mas e aé­re­as, à pro­cu­ra de me­lhor sor­te ou des­ti­no, quais aves de ar­ri­ba­ção sem re­gres­so, tal co­mo a na­tu­re­za do­tou as an­do­ri­nhas que se des­lo­cam mo­vi­dos pe­la for­ça sa­zo­nal. Se é ver­da­de que a emi­gra­ção mais do que nun­ca, ac­tu­al­men­te se tor­nou num de­sa io di ícil de pa­rar e de con­tro­lar, não é me­nos ver­da­de que a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pri­vi­le­gi­a­da em ser factual e apri­mo­ra­da em dar a co­nhe­cer no­vos mun­dos ao Mun­do e cul­tu­ras de di­fe­ren­tes es­pa­ços ge­o­grá icos e eco­no­mi­as pe­la for­ça da co­mu­ni­ca­ção, tem ne­ces­sa­ri­a­men­te o po­der de ge­rir os fac­tos do ac­tu­al mun­do glo­bal, que tei­ma em apos­tar nas di­fe­ren­ças, ao con­trá­rio da igual­da­de que se pre­ten­de com a ilo­so ia da “al­deia co­mum”. Há coi­sas que nos le­vam a pen­sar que cer­tos acon­te­ci­men­tos po­dem ser ba­nais, qu­an­do não se trans­for­mam em fac­tos que nos le­vam a cons­truir mo­nu­men­tos de cren­ças, com ba­se na nos­sa cul­tu­ra e nos nos­sos va­lo­res que ori­en­tam cer­tos in­te­res­ses. Por exem­plo, a ques­tão da Ucrâ­nia, pa­re­ce não nos pre­o­cu­par mi­ni­ma­men­te, por ser um pro­ble­ma dos ou­tros que ri­go­ro­sa­men­te na­da têm a ver com a Áfri­ca, ou me­lhor ain­da, com a União Afri­ca­na. Po­de­mos es­tar li­gei­ra­men­te con ian­tes, mas na ver­da­de da “al­deia co­mum”, a ser con­se­quen­te, tu­do o que acon­te­ce a um país, po­de ser um ras­ti­lho pa­ra o res­to do pla­ne­ta, es­pe­ci­al­men­te qu­an­do se tra­ta de con li­tos que en­vol­vam po­tên­ci­as na­ci­o­nais da Eu­ro­pa. Os cuidados que se co­lo­cam nas po­si­ções dos gran­des dos G8, su­ge­rem que a pa­ci ica­ção dos fac­tos que sen­do apa­ren­te­men­te par­ti­cu­la­res do po­vo ucra­ni­a­no, po­dem evo­luir pa­ra um con li­to de gran­des di­men­sões, que não de­se­ja­mos ver re­pe­tir, da­do que da 2 ª Guer­ra Mun­di­al a es­ta par­te, a tec­no­lo­gia de ma­te­ri­ais le­tais es­tá so is­ti­ca­da­men­te avan­ça­da e uma pe­que­na im­pa­ci­ên­cia, ou fal­ta de co­mu­ni­ca­ção de uma das par­tes en­vol­vi­das, po­de re­sul­tar em fac­tos de con­sequên­ci­as im­pre­vi­sí­veis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.