A ro­cha que tei­ma em ba­ter em nós

Jornal Cultura - - Artes - Ma­ta­di Ma­ko­la

Os no­mes de Pa­qui­to, An­tó­nio da Luz, Cas­su­le, Ur­ba­ni­to Fi­lho, Fa­tó, Ar­lin­do Show, Mãe Gui­da, Chico Coio po­dem não di­zer mui­to pa­ra quem ape­nas es­tá aten­to às su­ges­tões mu­si­cais do mer­ca­do co­mer­ci­al. Nos di­as 4, 5 e 6 uma par­te sig­ni ica­ti­va de mú­si­cos com in­su­ces­so co­mer­ci­al fo­ram as es­tre­las do pal­co da Fei­ra dos Can­to­res e Com­po­si­to­res As­so­ci­a­dos, que de­cor­reu sob o le­ma “A ro­cha que tei­ma em ba­ter em nós”, or­ga­ni­za­da pe­la ARTEVIVA.

Foi lá que o mú­si­co Jor­ge Ro­sa ven­deu o dis­co “Axi­lu­an­da”, um mo­te de ar­ran­jos dos clás­si­cos de So ia Ro­sa e Il­da Ro­sa que o pú­bli­co de ou­vi­do sen­sí­vel tem ago­ra em mão e po­de te­cer as su­as opi­niões so­bre a obra que já ga­nhou uma no­ta po­si­ti­va do crí­ti­co mu­si­cal Jomo For­tu­na­to. O lan­ça­men­to acon­te­ceu pre­ci­sa­men­te na ma­nhã do dia 6, do­min­go.

O cer­ta­me apa­re­ce co­mo uma pla­ta­for­ma de tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as, pro­mo­ção e via de vi­si­bi­li­da­de pa­ra bo­as vo­zes que a bar­rei­ra do in­vi­sí­vel dei­xa à mar­gem do su­ces­so.

Es­sas di­rec­tri­zes fo­ram sus­ten­ta­das pe­lo pró­prio Jomo For­tu­na­to que adi­an­tou que a ideia é evo­luir pa­ra um fes­ti­val que enal­te­ça e pro­mo­va es­te gru­po de can­to­res e com­po­si­to­res que não ven­dem.

“Eles têm qua­li­da­de mas não es­tão den­tro do su­ces­so co­mer­ci­al, que se vê ago­ra de for­ma re­tum­ban­te e ab­sur­da. Tam­bém a es­tra­té­gia é a de pro­mo­ver pa­ra ori­en­tar o gos­to. Nós pre­ten­de­mos fa­zer evo­luir es­te pro­jec­to pa­ra um fes­ti­val pre­mi­a­do e fon­te da ori­en­ta­ção do gos­to. A mai­o­ria da po­pu­la­ção, so­bre­tu­do jo­vem, não co­nhe­ce de­ter­mi­na­dos seg­men­tos mu­si­cais por não che­ga­rem a eles. Não sei co­mo gos­tar. Di­ga-me co­mo? Nós es­ta­mos nes­se de­par­ta­men­to do “di­gam-me co­mo sa­ber”. Ou se­ja, nós te­mos que le­var o pro­du­to pa­ra que os jo­vens es­te­jam nes­tes lo­cais”, tra­ça.

Uma das gran­des pre­o­cu­pa­ções é o do­mí­nio dos mé­dia da par­te dos que usu­fru­em do su­ces­so co­mer­ci­al, sen­do tal­vez uma das ra­zões fun­da­men­tais.

Pa­ra o crí­ti­co mu­si­cal, es­te pro­ble­ma co­me­ça a ser re­sol­vi­do qu­an­do sur­ge a opor­tu­ni­da­de de ve­rem os mais ve­lhos can­ta­rem. Os pe­que­nos con­cer­tos ao lon­go des­tes três di­as sur­gem pa­ra pro­vo­car um cer­to me­ca­nis­mo de mar­ke­ting que pro­mo­va os can­to­res e com­po­si­to­res as­so­ci­a­dos.

Qu­an­to à per­ti­nên­cia (em tom de de­sa­ba­fo) do le­ma pro­jec­to que é “A ro­cha que bate tei­mo­sa­men­te em nós”, dis­se ser ne­ces­sá­rio pois não é o su­jei­to que bate na ro­cha mas a ro­cha que vem ba­ter no su­jei­to por ele não ter cul­pa de en­con­trar um pú­bli­co que não ab­sor­ve es­te gé­ne­ro mu- si­cal. “Se há mú­si­cos que não con­se­guem ven­der e têm pou­co im­pac­to jun­to do pú­bli­co, nós te­mos que en­con­trar es­tra­té­gi­as. Es­tes mo­vi­men­tos li­ga­dos à mú­si­ca que tem su­ces­so co­mer­ci­al man­têm uma for­te li­ga­ção com os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e fa­zem com que to­do o pro­ces­so de di­vul­ga­ção es­te­ja do seu la­do. Do ou­tro la­do há qua­se im­pe­di­men­to ou mes­mo obs­tru­ção. A pro­tec­ção des­tes ar­tis­tas tam­bém ca­be ao Es­ta­do”, re­cla­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.